DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1220

VENDA: R$5,1230

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1430

VENDA: R$5,2800

EURO

COMPRA: R$6,1922

VENDA: R$6,1950

OURO NY

U$1.876,87

OURO BM&F (g)

R$309,26 (g)

BOVESPA

+0,13

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Reajuste em energia e medicamentos impulsiona inflação na RMBH em maio

COMPARTILHE

Reajustes na energia elétrica estiveram entre principais focos de pressão inflacionária em maio | Crédito: Pixabay

Por mais um mês, a inflação na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) avançou. Em maio, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) aumentou 0,79% frente a abril, elevando para 3,44% a inflação acumulada nos primeiros cinco meses de 2021 e para expressivos 8,68% nos últimos 12 meses. Em maio, a alta foi puxada pelo reajuste da tarifa de energia elétrica residencial e pelo aumento dos preços de medicamentos.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA da RMBH representa o nono maior resultado mensal entre as 16 áreas pesquisadas. No País, a variação mensal foi de 0,83%.

PUBLICIDADE

Já a variação acumulada nos últimos 12 meses, 8,68% na RMBH, foi o oitavo maior resultado entre as áreas de abrangência da pesquisa e ficou acima do índice nacional, que foi de 8,06%.

Ao longo de maio, quando foi registrada alta de 0,79% na inflação da RMBH, foi verificado aumento em todos os grupos que compõem o IPCA. O maior foi no grupo Habitação, que subiu 2,03%. No período, o resultado foi influenciado principalmente pelo aumento da energia elétrica residencial, que avançou 5,16% e provocou um impacto de 0,23 ponto percentual no índice.

“Em maio, houve um reajuste na tarifa da energia elétrica, pois passou a vigorar a bandeira tarifária vermelha patamar 1. Com a entrada no período de seca, é comum ter aumento da energia já que é necessária a energia das termelétricas, que têm a  energia mais cara”, explicou o coordenador da pesquisa IPCA do IBGE Minas, Venâncio Otávio Araújo da Mata.

Ainda no grupo de habitação, o aluguel residencial teve alta relevante de 1,06%.

Em maio, também foi registrado aumento de 1,54% no grupo de Artigos de Residência, resultado que veio do aumento do televisor (3,22%) e do item mobiliário (1,39%).

Já em Saúde e Cuidados Pessoais, que apresentou elevação de 1,10% em maio frente a abril, os destaques foram para os aumentos dos produtos para pele (6,41%), dos itens produtos farmacêuticos (1,91%) e serviços de saúde (0,77%).

“O aumento nos itens farmacêuticos foi permitido, em abril, pela Anvisa e segue impactando os valores. O reajuste autorizado foi de 10,08%”, explicou.

Nos demais setores que compõem o IPCA foram verificadas altas em Vestuário (0,72%), Transportes (0,55%), Despesas Pessoais (0,55%), Comunicação (0,32%), Alimentação e Bebidas (0,24%) e Educação (0,17%).

“Por mais um mês, os combustíveis contribuíram para o aumento da inflação. Em maio, a gasolina teve reajuste de 1,70% e o etanol de 10,80%. Já no grupo de Alimentação e Bebidas, destaque para a carne, que ficou 2,26% mais cara. Este aumento das carnes está atrelado à elevação dos custos de produção e às exportações”.

Ano 

Nos últimos 12 meses, o IPCA para a RMBH já acumula valorização de 8,68%. O valor é alto e supera o teto estipulado para a inflação brasileira no ano, previsto em 5,25%.

Dentre os grupos, as maiores altas foram observadas em Alimentação e Bebidas, com elevação de 13,18%, Habitação acumula alta de 6,84%, Artigos de Residência subiram 18,21%, Vestuário, 3,15%, Transportes, 16,53%, Saúde e cuidados pessoais, 4,79%, e Despesas pessoais, 1,62%. 

“Tivemos muitos reajustes ao longo dos últimos 12 meses. Os destaques de alta foram o óleo de soja, 86,63%, etanol, 64,01%, gasolina, 44,30%, carnes, 42,08%, e televisor, 27,68%”, disse da Mata. 

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!