COTAÇÃO DE 17/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2660

VENDA: R$5,2660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2500

VENDA: R$5,4230

EURO

COMPRA: R$6,4106

VENDA: R$6,4134

OURO NY

U$1.866,89

OURO BM&F (g)

R$316,43 (g)

BOVESPA

+0,87

POUPANÇA

0,2019%%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Regap fecha 2020 com retração de 8,9% na produção

COMPARTILHE

A Regap tem capacidade de refino de 166 mil barris de petróleo por dia, 7% do total do País | Crédito: Guilherme Bergamini

A produção de derivados de petróleo na Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), caiu 8,9% em 2020. Ao todo, foram processados 7,461 milhões de metros cúbicos, contra 8,195 milhões de metros cúbicos em 2019, como reflexo de um ano marcado pela contração da demanda.

Já quando considerada a produção da Petrobras em todo o País houve avanço de 2,8% de um ano para outro. De acordo com os dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), em 2020, a companhia produziu 107,8 milhões de metros cúbicos, uma média de 1,828 milhão de barris por dia.

PUBLICIDADE

O óleo diesel puxou a produção na refinaria mineira no exercício anterior, com 3,61 milhões de metros cúbicos processados. Houve baixa de 2,3% sobre o acumulado de 2019, quando foram produzidos 3,695 milhões de metros cúbicos.

Logo em seguida veio a gasolina C, com 1,826 milhão de metros cúbicos. Na comparação com um ano antes houve queda de 11%, já que naquele ano o processamento de gasolina C pela refinaria foi de 2,061 milhões de metros cúbicos no Estado.

A Regap ainda fabricou 541,7 mil metros cúbicos de gás liquefeito de petróleo (GLP) em 2020. Um ano antes foram 579,9 mil metros cúbicos, indicando recuo de 6,5% entre os exercícios.

No caso de asfalto houve alta de 26%, já que foram 477,1 mil metros cúbicos no exercício passado, contra 378,6 mil metros cúbicos em 2019.

Refinaria – A Regap é uma das oito refinarias que a Petrobras colocou à venda em meados de 2019, sob a justificativa de que “os desinvestimentos em refino estão alinhados à otimização de portfólio e à melhoria de alocação do capital da companhia, visando à maximização de valor para os nossos acionistas”.

Juntas, as unidades somam cerca de metade da capacidade de produção de combustíveis do Brasil. Conforme anunciado pela estatal à época, apenas a Regap conta com capacidade de processamento de 166 mil barris por dia, o que corresponde a 7% da capacidade total de refino de petróleo do País. Os seus ativos abrangem também um conjunto de dutos que têm mais de 720 quilômetros.

No início deste mês, a companhia confirmou que concluiu a rodada final da fase vinculante do processo de venda da Refinaria Landulpho Alves (Rlam) e seus ativos logísticos associados, na Bahia. O Mubadala Capital apresentou a melhor oferta final no valor de US$ 1,65 bilhão.

Informou também que recebeu propostas vinculantes para a venda da Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), no Paraná, mas decidiu pelo encerramento do processo, uma vez que as condições das propostas apresentadas ficaram aquém da avaliação econômico-financeira da Petrobras e que iniciaria novo processo competitivo.

“Os processos competitivos para venda da Refinaria Alberto Pasqualini (Refap), no Rio Grande do Sul; Refinaria Isaac Sabbá (Reman), no Amazonas; Refinaria Abreu e Lima (RNEST), em Pernambuco; Refinaria Gabriel Passos, em Minas Gerais; Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste (Lubnor), no Ceará; e Unidade de Industrialização do Xisto (SIX), no Paraná, continuam em andamento visando à assinatura dos contratos de compra e venda”, comunicou ao mercado.

Opep+ deverá reduzir as restrições à oferta

Dubai, Londres e Moscou – Produtores de petróleo da Opep+ devem aliviar as restrições à oferta depois de abril dada a recuperação dos preços, disseram fontes do grupo, mas qualquer aumento da produção será modesto uma vez que os produtores estão cautelosos com novos reveses no combate à pandemia.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados, grupo conhecido como Opep+, desacelerou o ritmo do aumento planejado da produção em janeiro diante da demanda mais fraca do que o esperado devido à restrições de movimentação das pessoas por conta da pandemia. A Arábia Saudita fez cortes voluntários adicionais da oferta para fevereiro e março.

A alta do petróleo desde então para máxima de 13 meses de quase US$ 64 por barril aumentou a confiança entre produtores de que o mercado pode absorver mais oferta.

As previsões são de alta recorde da demanda este ano conforme as vacinas são distribuídas, apesar da fraqueza atual.

“Sim, se a demanda se recuperar como esperamos, a Opep+ vai aliviar os ajustes de produção gradualmente, sempre pensando em reduzir o excesso de estoque”, disse um delegado da Opep, questionado se a alta dos preços torna mais provável o alívio a partir de abril. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!