COTAÇÃO DE 07/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2280

VENDA: R$5,2290

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2070

VENDA: R$5,3830

EURO

COMPRA: R$6,3509

VENDA: R$6,3522

OURO NY

U$1.831,42

OURO BM&F (g)

R$307,84 (g)

BOVESPA

+1,77

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Destaque Economia

Sem Carnaval, comércio e serviços têm prejuízo

COMPARTILHE

As reservas nos hotéis da Capital ficaram entre 18% e 24% contra uma ocupação de 56,51% em 2020 | Crédito: Alisson J. Silva/Arquivo DC

A suspensão do Carnaval em Belo Horizonte, medida adotada pela Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) para evitar a disseminação do Covid-19, impacta de forma negativa nos setores de comércio, serviços e hotelaria.

No caso dos bares e restaurantes, que estão impedidos de funcionar normalmente, o prejuízo é grande e as perdas no faturamento referente aos seis dias de funcionamento restrito, podem chegar a 20% no mês.

PUBLICIDADE

De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes em Minas Gerais (Abrasel Minas), Matheus Daniel, mais uma vez, o setor está sendo penalizado.

Conforme os dados divulgados pela PBH, os bares e restaurantes foram autorizados a funcionar das 15 horas do dia 12 de fevereiro até o dia 14 de fevereiro, mas sem o consumo de bebidas alcoólicas. Entre os dias 15 e 17 de fevereiro, esse tipo de consumo está permitido no horário de 11 horas às 15 horas.

“Vejo a decisão de fechar os bares e restaurantes no Carnaval como errada. Essa medida faz com que as pessoas se encontrem em lugares que PBH não tem controle e não fiscaliza, vai gerar aglomerações. Os bares e restaurantes, em sua grande maioria, estão seguindo os protocolos e deveriam estar abertos. Então, foi um movimento errado da PBH que só aumenta o prejuízo acumulado pelo setor”.

Ainda segundo Daniel, os prejuízos são enormes. Contando os seis dias da data festiva e a impossibilidade de funcionar, as perdas podem chegar a 20% no mês. “São seis dias sem faturamento, porque podemos funcionar somente no horário de almoço. Isso vai impactar muito na folha de pagamento. A situação já não está fácil e com as restrições complicou ainda mais”.

O receio do setor é que após o Carnaval, ocorra aumento dos casos de contaminação com Covid-19, como aconteceu nas festas de fim de ano, o que pode levar a um novo fechamento do setor.

“Corremos o risco dos casos aumentarem sem os bares e restaurantes funcionando. Se houver um novo fechamento, estaremos, mais uma vez, pagando a conta que não é do nosso setor”.

Lojas – O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), Marcelo de Souza e Silva, também espera queda nas vendas do comércio da Capital, mas, pelas lojas estarem abertas, os empresários devem aproveitar o momento para atrair os consumidores e vender, reduzindo os impactos negativos. A entidade ainda não calculou os possíveis prejuízos causados pela suspensão da data comemorativa.

“Sem a realização do Carnaval, com certeza, nós não vamos ter o mesmo giro da economia que tivemos nos anos anteriores, mas temos movimento mínimo de pessoas fazendo e podendo ir às compras sem aglomerar. Isso é muito importante. Uma pesquisa da CDL-BH mostrou que 77% da população de Belo Horizonte estão ficando na Capital, então, o lojista, o comerciante e o prestador de serviço podem aproveitar e aproximar desse cliente e também fazer movimentos de promoção para atrair os consumidores”.

No ano passado, Carnaval de Belo Horizonte atraiu 4,5 milhões de foliões, que gastaram em média R$ 65 por dia no comércio | Crédito: Alexandre Guzanshe / Belotur

Hotéis registram baixa ocupação no período

Com a suspensão do Carnaval em Belo Horizonte, o setor de hotelaria também vem registrando prejuízos com a queda na demanda. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de Minas Gerais (Abih-MG), as reservas ficaram baixas na capital mineira, girando em torno de 18% a 24%. No ano passado, a taxa de ocupação em Belo Horizonte estava em 56,51% e, em 2019, próxima a 59,08%. Fora de Belo Horizonte, a procura está um pouco melhor, com índice de 35% a 45%.

“Com a suspensão do feriado do Carnaval a expectativa da Abih-MG é muito baixa. Muitos hotéis estão apostando em promoções de fim de semana e Day Use para aumentar a demanda no período”, explicou o presidente da Abih–MG, Guilherme Sanson.

O Carnaval belo-horizontino, em 2020, atraiu cerca de 4,5 milhões de foliões, que gastaram, em média, R$ 65 reais por dia no comércio da Capital. Os turistas desembolsaram cerca de R$ 191 reais por diária em hospedagem.

O cancelamento provocará impactos negativos significativos no setor de serviços em Belo Horizonte, visto que é o setor que mais está sendo afetado com a pandemia e a festa gera demanda por adereços, trios elétricos, hospedagem, comida e bebida. Em contrapartida, empresas que não abririam durante o feriado passarão a funcionar, o que significa maior produtividade.

“Em média, os foliões gastam R$ 200 por dia, então Belo Horizonte e o setor de serviços deixa de arrecadar esse volume. Por outro lado, várias empresas que normalmente fechariam no período do Carnaval vão oferecer seus produtos e serviços normalmente”, disse o professor de economia do Ibmec-BH, Paulo Pacheco.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!