A expectativa é de que nova unidade anunciada pela empresa gere 220 empregos diretos e 1760 indiretos no Estado | Foto: Divulgação / Tangará Foods

A Tangará Foods vai investir cerca de R$ 65 milhões em Manhuaçu, na Zona da Mata mineira, até fevereiro do ano que vem. A empresa que, segundo o diretor de operações, Diogo Pinheiro, já recebia mais pedidos do que era capaz de produzir, agora terá na nova planta uma capacidade de 4.100 toneladas de produção por mês. Atualmente, sem o novo negócio, são processadas 3.000 toneladas por mês. A previsão é de que sejam gerados 220 empregos diretos e 1.760 indiretos.

As expectativas são de que os desembolsos gerem um aumento expressivo, em curto prazo, também da receita da marca, que no ano passado faturou aproximadamente R$ 500 milhões, deverá crescer 10% neste ano e espera, em 2021, chegar a quase R$ 1 bilhão em faturamento com a nova unidade em Manhuaçu. A empresa é especialista em soluções lácteas e atua em diferentes frentes, como o varejo, institucional, food service e food industry.

O que deverá favorecer bastante os negócios em terras mineiras é justamente a localização do novo empreendimento. Segundo Pinheiro, a escolha pela região foi feita tendo em vista o fato de ela ser uma das maiores bacias leiteiras de leite fluido, soro e creme do País. Além disso, a logística também foi levada em consideração, dada a distância estratégica de cidades como Belo Horizonte, Vitória e Rio de Janeiro.

“Vamos contribuir para movimentar a economia regional, com geração de empregos diretos e indiretos e prospecção de novos produtores e fornecedores”, ressalta o diretor de operações da Tangará Foods, que acrescenta, ainda, que a nova fábrica é toda automatizada e com processos bem definidos.

Pandemia – Nem mesmo a pandemia da Covid-19 freou o planejamento da empresa em relação aos seus investimentos, que já estavam previstos antes da crise sanitária. Aliás, o momento, em alguns pontos, foi de crescimento. Houve, por exemplo, aumento do consumo de alimentos e bebidas no varejo.

Além disso, de acordo com Pinheiro, nos últimos dois meses também foi verificada alta do consumo e do faturamento relacionado aos segmentos de food service e food industry. Por outro lado, a falta de alguns insumos, motivada pela paralisação de diversas atividades devido às medidas de isolamento social, ocasionou o aumento de preços, o que impactou, em certa medida, o orçamento inicial da empresa.

Contudo, Pinheiro pondera que em breve a pandemia deve acabar e o mercado voltará muito aquecido, e a Tangará Foods estará preparada para crescer em seu segmento de atuação.

Mais investimentos – Em relação a futuros investimentos da Tangará Foods, as perspectivas são de que já no ano que vem a marca prospecte mais uma fábrica no País. A estimativa é de que sejam investidos aproximadamente R$ 80 milhões. A capacidade produtiva deverá ser em torno de 3.000 toneladas lácteas por mês.

Apesar de ainda não existir uma localização definida para esse novo negócio, o diretor de operações da Tangará Foods não descarta a possibilidade de mais um empreendimento em terras mineiras. “Pode ser que esse novo investimento seja feito em Minas Gerais”, ressalta Pinheiro.