COTAÇÃO DE 06/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3640

VENDA: R$5,3650

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3470

VENDA: R$5,5200

EURO

COMPRA: R$6,4639

VENDA: R$6,4668

OURO NY

U$1.786,86

OURO BM&F (g)

R$309,04 (g)

BOVESPA

+1,57

POUPANÇA

0,1590%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Utilização da capacidade das siderúrgicas do País supera 70%

COMPARTILHE

Produção brasileira de aço bruto cresceu 11% em janeiro e o consumo aparente avançou 25% no mesmo período, aponta o Aço Brasil | Crédito: Divulgação - ArcelorMittal

Depois de registrar o menor índice de utilização da capacidade instalada da série histórica iniciada em 2002, com 45,4% em meados do ano passado, o parque siderúrgico nacional iniciou 2021 com a demanda aquecida.

Em dois meses o setor já apura utilização acima de 70%, resultado superior à média dos últimos cinco anos. O patamar considerado ideal pela indústria do aço é na faixa de 80%.

PUBLICIDADE

No auge da crise econômica imposta pela pandemia de Covid-19, 14 altos-fornos chegaram a ser desligados em todo o País, dos quais, sete localizados em Minas Gerais. Hoje restam cinco abafados, sendo dois em usinas mineiras. Um deles é o alto-forno 2 da Usiminas na unidade de Ipatinga (Vale do Aço), previsto para ser religado em junho.

De acordo com o presidente executivo do Instituto Aço Brasil (Aço Brasil), Marco Polo de Mello Lopes, se as projeções traçadas para o exercício forem cumpridas, certamente, outros equipamentos serão retomados e o grau de utilização do parque siderúrgico nacional vai aumentar ainda mais. Ele se refere, por exemplo, à expectativa de crescimento de 6,7% na produção de aço bruto, atingindo 33,04 milhões de toneladas em 2021.

Outras expectativas dão conta de alta de 53,8% no consumo aparente, chegando a 22,44 milhões de toneladas; de 5,3% nas vendas internas, com resultado de 20,27 milhões de toneladas.

As exportações devem crescer 9%, resultando em 11,71 milhões de toneladas e alcançando receitas de US$ 5,84 bilhões; e as importações 9,8% no volume (2,22 milhões de toneladas) e em valores US$ 2,35 bilhões.

“Toda essa percepção está vinculada a cenários macroeconômicos que passam pela vacinação em massa da população e medidas de apoio aos desassistidos; pela retomada da economia com ajuste fiscal e as reformas tributária e administrativa; e a recuperação da competitividade sistêmica com a redução do custo Brasil. E essas não são premissas só da indústria do aço. Elas valem para a indústria de transformação como um todo”, alertou.

Produção – Apenas em janeiro, a produção brasileira de aço cresceu 11% na comparação com o mesmo mês do ano passado, representando a maior expansão desde janeiro de 2019. Na mesma relação, as vendas internas evoluíram 26% e o consumo aparente teve alta de 25%, maior percentual desde março de 2015. “Foi uma performance bastante positiva com vários recordes”, comentou.

Lopes classificou 2020 como um “tsunami”, que impactou toda a economia global com a pandemia do novo coronavírus. No início de 2020, segundo ele, o otimismo imperava, com projeção de aumento do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,2%; a expectativa de avanço da reforma tributária; a taxa de juro básica Selic em queda; e o Índice de Confiança da Indústria do Aço (Icia) marcando 73,4 pontos, o maior da série.

Fases – Assim, o Instituto dividiu o exercício em duas fases: a primeira marcada por crise de demanda e a segunda por crise de abastecimento.

“Na primeira fase as vendas internas despencaram. Na segunda houve a retomada a partir da flexibilização das medidas de distanciamento social, concessão do auxílio emergencial e retomada das atividades de comércio e serviços. Foi uma recuperação em V, um fenômeno de mercado com uma retomada vigorosa, acima do que se esperava”, classificou.

Como consequência uma crise de desabastecimento, que o presidente executivo do Aço Brasil relacionou não apenas a elevada demanda, mas também ao que chamou de boom de commodities que se observa em todo o mundo, mas que se tende a um equilíbrio natural. E uma escalada nos preços, que Lopes ponderou não ser exclusividade do Brasil.

“O preço do aço é uma questão de mercado e o impacto do custo da matéria-prima é grande. De dezembro de 2019 a dezembro de 2020, por exemplo, o preço da bobina a quente nos Estados Unidos variou 64,2%, enquanto no Brasil 34%. Já o vergalhão aumentou 37,5% no México e 30,4% no Brasil”, exemplificou.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!