COTAÇÃO DE 17/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0220

VENDA: R$5,0220

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0600

VENDA: R$5,2030

EURO

COMPRA: R$5,9965

VENDA: R$5,9993

OURO NY

U$1.773,32

OURO BM&F (g)

R$287,07 (g)

BOVESPA

-0,93

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque
Crédito: Adriano Machado/Reuters

São Paulo – A Vale notificou a seus credores que realizará o pagamento de US$ 5 bilhões de linhas de crédito rotativo que haviam sido acessadas pela companhia no final de março, em meio ao início da pandemia global de coronavírus.

As linhas de crédito tinham vencimento em junho de 2022 para US$ 2 bilhões e em dezembro de 2024 para US$ 3 bilhões, detalhou a empresa em comunicado ao mercado ontem.

PUBLICIDADE

A Vale decidiu utilizar os recursos de crédito rotativo no final de março para ter maiores reservas em caixa, ao avaliar os possíveis riscos apresentados a seus negócios pela pandemia de coronavírus.

“A amortização mencionada acima é consistente com a estratégia da Vale, recompondo integralmente a disponibilidade das linhas de crédito rotativo ao valor original de US$ 5 bilhões”, disse a empresa no comunicado.

A companhia não detalhou em que data será realizado o pagamento.

Em apresentações recentes, executivos da Vale apontavam ter “discussões em curso” sobre as linhas de crédito rotativo, com o pagamento dos recursos na lista de prioridades da empresa junto com a retomada de sua política de dividendos aos acionistas.

A companhia autorizou a volta das remunerações aos acionistas, suspensas desde o desastre de Brumadinho no ano passado, no final de julho. Neste mês, a mineradora aprovou o pagamento de R$ 2,4075 por ação em dividendos e juros sobre o capital próprio, com crédito em 30 de setembro.

Manganês – A Vale informou ontem também que encerrará a operação de ferroligas de manganês da planta da Vale Manganês localizada na cidade de Simões Filho (BA).

A previsão é que o processo de desmobilização da unidade seja concluído até o final do ano, acrescentou a companhia em nota.

“A Vale Manganês tentou todas as alternativas viáveis, ao longo dos últimos dez anos, para manter a operação autossustentável e competitiva no mercado”, explicou.

A empresa disse que adotará as medidas que estiverem ao seu alcance para minimizar os eventuais impactos da desmobilização.

“Várias ações estão em discussão, entre elas: a negociação de um programa de desligamento voluntário, extensão da assistência médica para empregados e seus dependentes, apoio em processo de recolocação no mercado de trabalho e mapeamento de vagas para possível transferência de trabalhadores para outras operações da Vale.” (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!