COTAÇÃO DE 22/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9650

VENDA: R$4,9660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,9570

VENDA: R$5,1130

EURO

COMPRA: R$5,9745

VENDA: R$5,9772

OURO NY

U$1.778,62

OURO BM&F (g)

R$286,53 (g)

BOVESPA

-0,38

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa
Crédito: REUTERS/Paulo Whitaker

As vendas de veículos em Minas Gerais acumularam alta de 21,72% em 2019, de acordo com dados regionalizados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). No ano passado, os emplacamentos no Estado atingiram 713,8 mil unidades, contra 586,4 mil veículos registrados em 2018.

Somente no último mês do ano, as vendas no Estado somaram 57.740 unidades. O volume é 18,18% menor do que o verificado no mês anterior, quando totalizou 70.568 veículos. Em relação ao mesmo período de 2018 (43.904 unidades) houve alta de 31,51%.

PUBLICIDADE

Quando considerado somente o segmento de automóveis e comerciais leves, as vendas em Minas Gerais aumentaram 23,14% no acumulado de 2019 ante 2018. Os emplacamentos passaram de 480.121 para 591.206 unidades de um ano para o outro.

Concessionárias da capital mineira comercializaram 491,206 veículos no exercício passado, o que representa alta de 29,7% – Crédito: Charles Silva Duarte – Arquivo DC

Em dezembro do exercício passado foram comercializados 49.235 automóveis e comerciais leves no Estado. O número representa baixa de 19,2% na comparação com o mês anterior, quando foram registradas 60.937 unidades. Em relação ao mesmo mês de 2018 (36.216 unidades) houve crescimento de 35,95%, conforme as informações da entidade.

As vendas de caminhões e ônibus tiveram o mesmo movimento. Entre janeiro e dezembro de 2019 foram vendidas 15.075 unidades, contra 10.833 unidades no ano anterior. Isto representa aumento de 39,16% entre os períodos.

No último mês do ano, as vendas desse segmento somaram 1.043 unidades em Minas. Em relação ao mês imediatamente anterior (1.328 veículos) foi registrada queda de 21,46% e na comparação com o mesmo intervalo de 2018 houve aumento de 10,96%, uma vez que no mesmo mês daquele ano foram vendidas 940 unidades.

Capital – Em Belo Horizonte, o número de emplacamentos cresceu 29,7% no ano passado contra o ano anterior. Ao todo foram 491.206 emplacamentos sobre 378.716, respectivamente. Somente em dezembro foram 39.424 registros, contra 52.926 em novembro e 27.347 no mesmo mês de 2018. Isso significa queda de 25,51% e alta de 44,16%, respectivamente.

Somente no segmento de automóveis e comerciais leves as vendas na Capital aumentaram 29,78% entre 2019 e 2018. Os emplacamentos passaram de 363.216 para 471.394 unidades de um ano para o outro.

No caso das vendas de caminhões e ônibus, entre janeiro e dezembro de 2019 foram vendidas 2.718 unidades contra 1.569 unidades no ano anterior na capital mineira. Isto representa aumento de 73,23% entre os períodos.

Fiat – As vendas da Fiat Chrysler Automóveis (FCA), com planta em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), aumentaram no ano passado em relação a 2018. Segundo dados da Fenabrave, a companhia emplacou 366.135 automóveis e comerciais leves em 2019, contra os 325.725 do ano anterior, uma alta de 12,4%, levando em consideração somente os veículos com a marca Fiat.

Mercado nacional tem o melhor resultado desde 2014

São Paulo – O Brasil emplacou 2,787 milhões de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus em 2019, um crescimento de 8,65% sobre o ano anterior, informou ontem a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). O volume marca o melhor ano de vendas para o setor desde 2014, quando somaram cerca de 3,5 milhões de unidades.

Para 2020, a entidade fez uma primeira previsão, de crescimento de 9,6% nas vendas de veículos novos no País, a 3,056 milhões de unidades.

“Esse desempenho positivo (de 2019) se deve a alguns fatores econômicos, como taxa de juros menores e à queda nos índices de inadimplência e de desemprego, o que refletiu, diretamente, no aumento da confiança do consumidor e, também, do empresário brasileiro”, disse o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Júnior, em comunicado à imprensa.

Mas boa parte das vendas de veículos novos no ano passado ocorreu motivada por compras feitas por locadoras de veículos, que passaram a oferecer serviços para motoristas de aplicativos de transporte urbano.

Segundo dados do Banco Central, o crédito para compra de veículos foi o que mais cresceu em 2019 entre todas as modalidades para pessoas jurídicas, de janeiro a novembro esse estoque teve alta de 71%. Em 12 meses, o crescimento foi de 80%, a R$ 47,8 bilhões.

O chefe adjunto do Departamento de Estatísticas do BC, Renato Baldini, afirmou no final do ano passado que “muita gente tem trabalhado nesse segmento sem comprar o carro, alugam o carro por períodos longos inclusive. Tem se formado um modelo de negócios que parece resultar nesse dado que a gente tem observado”.

A estimativa da Fenabrave para este ano inclui crescimento de 9% nas vendas de carros e comerciais leves novos, a 2,898 milhões de unidades; expansão de 24% nas vendas de caminhões, a 126,15 mil unidades e alta de 16% nos emplacamentos de ônibus, para 31,54 mil unidades.

“Esse cenário impulsionou a oferta de crédito, o que deve continuar em 2020, por isso, confiamos em um novo ciclo de crescimento, ainda que moderado”, acrescentou Assumpção Júnior.

O movimento de vendas de dezembro, que costuma ser um dos mais fortes para o setor no ano, também marcou o melhor desempenho para o mês desde 2014, com licenciamentos de 262,7 mil veículos, expansão de 8,4% sobre novembro e alta de 12% na comparação com um ano antes.

Segundo os dados da Fenabrave, entre as principais montadoras do País, a Fiat Chrysler, que está negociando fusão com a Peugeot, apresentou maior alta de vendas de carros e comerciais leves em 2019, de 14,5%, a 495,6 mil unidades, liderando o ranking anual.

A montadora ítalo-americana foi seguida pela General Motors, que emplacou 475,7 mil veículos no ano passado, um crescimento de 9,5% sobre 2018.

O grupo Volkswagen, incluindo a Audi, terminou 2020 na terceira posição do ranking, com vendas de 423,2 mil carros e comerciais leves, crescimento de 12,3%, e foi seguido pela aliança Renault-Nissan, com vendas de 335,3 mil veículos, alta de 7,3%.

A Ford teve queda de 3,5% na vendas de carros e comerciais leves no ano passado, licenciando 218,5 mil unidades, segundo os dados da Fenabrave. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!