COTAÇÃO DE 23/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3090

VENDA: R$5,3100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3230

VENDA: R$5,4630

EURO

COMPRA: R$6,2055

VENDA: R$6,2068

OURO NY

U$1.742,23

OURO BM&F (g)

R$297,77 (g)

BOVESPA

+1,59

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia zCapa
As restrições impostas ao comércio pela pandemia da Covid-19 refletiram nas vendas na Capital | Crédito: Fernando Frazão/Agência Brasil

O comércio de Belo Horizonte acumulou queda de 8,83% nas vendas entre janeiro e julho. A retração é resultado da crise provocada pela pandemia da Covid-19. Com as medidas de isolamento, adotadas para controle da disseminação do novo coronavírus, as lojas ficaram mais de quatro meses fechadas.

Além disso, o aumento do desemprego aliado à queda de renda das famílias e o maior receio de contaminação impactaram de forma negativa nos resultados. Os dados são da pesquisa “Termômetro de Vendas – BH”, realizada pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH).

PUBLICIDADE

Mesmo com a reabertura do comércio, ainda que com algumas restrições, as estimativas são cautelosas para os próximos meses. Existe um grande receio em relação ao aumento das demissões quando terminar o período de estabilidade de trabalhadores que tiveram a carga horária reduzida ou o contrato suspenso, processo que foi permitido pelo programa emergencial do governo federal.

A pesquisa mostrou ainda que no acumulado dos sete primeiros meses de 2020 comparado com o mesmo período do ano passado, os segmentos que amargaram maior retração foram o de informática, com queda de 9,98%, e de veículos e peças (9,33%).

No confronto de julho de 2020 com igual mês de 2019, o desempenho do comércio da Capital registrou uma retração de 3,15%. Fatores como lojas fechadas, queda na renda das famílias, aumento do desemprego e as incertezas em relação à pandemia contribuíram para o resultado negativo. Mantendo a base de comparação, os segmentos mais afetados em julho foram papelaria e livraria (7,26%) e vestuários e calçados (6,28%).

A queda também foi registrada na comparação de julho com junho, quando as vendas recuaram 1,67%. Os segmentos que apresentaram maior queda foram vestuários e calçados (4,39%) e papelaria e livraria (3,22%).

“Surpresa “positiva” – De acordo com o vice-presidente da CDL-BH, Marco Antônio Gaspar, o resultado surpreendeu de forma positiva. Ele explica que a queda esperada era maior, porém, os resultados das vendas nos comércios de bairros contribuíram para que o desempenho não fosse ainda pior.

“Com a população em casa e o receio de contaminação, as pessoas estão priorizando o comércio perto dos lares. Isso foi importante para que a queda não fosse ainda maior. Porém, é importante falar que, em importantes centros comerciais, como no hipercentro, Venda Nova, Barro Preto, Barreiro e Savassi, a queda foi muito grande. Por isso, a situação é crítica”, ressaltou Gaspar.

A queda também foi minimizada devido ao aumento da comercialização em supermercados e farmácias. A pesquisa da CDL/BH mostrou que em julho, frente ao mesmo mês do ano anterior, as vendas cresceram 1,61% nos supermercados e 0,18% nas farmácias. Já no acumulado do ano, as altas foram de 0,52% em farmácias e de 1,61% nos supermercados. Para Gaspar, as pessoas estão evitando visitar muitas lojas, por isso, concentram as compras em produtos essenciais e em lojas que oferecem uma grande gama de itens.

Cenário é de cautela mesmo com reabertura

Em Belo Horizonte, as estimativas para o desempenho do comércio, ao longo dos próximos meses, ainda são cautelosas. Mesmo com a reabertura de grande parte das atividades econômicas e datas comemorativas importantes, como o Dia das Crianças e o Natal, o receio é que as comercializações sejam comprometidas pelo desemprego e queda de renda da população. A manutenção das aulas suspensas também impacta de forma negativa.

Segundo o vice-presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL/BH), Marco Antônio Gaspar, o aumento do desemprego na Capital pode acontecer porque muitas empresas utilizaram o plano emergencial do governo federal, que permitiu a suspensão dos contratos ou a redução da carga horária, o que gerou um período de estabilidade para os trabalhadores. O medo é que após essa estabilidade, ocorra aumento das demissões.

“O aumento do desemprego e a queda da renda da população são péssimos para o desempenho do comércio. Estamos muito receosos em relação a isso. Além disso, por receio de contaminação, as pessoas estão evitando passear pelas lojas, estão mais focadas no que precisam comprar, isso também pode prejudicar o desempenho”, argumentou.

A recomendação da CDL/BH para os lojistas é que invistam no e-commerce e no delivery para alavancar as vendas.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!