COTAÇÃO DE 15/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3032

VENDA: R$5,3042

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3300

VENDA: R$5,4530

EURO

COMPRA: R$6,3735

VENDA: R$6,3752

OURO NY

U$1.825,72

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,27

POUPANÇA

0,1159%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Coronavírus Economia exclusivo

Em meio a epidemia, dólar valorizado divide mercado

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Em meio a epidemia, dólar valorizado divide mercado
Especialistas ainda não conseguem prever efeitos da moeda americana em alta para empresas brasileiras diante de surto do coronavírus - Crédito: Marcos Brindicci / Reuters

Uma oportunidade para as empresas ou uma preocupação? A elevação do preço do dólar continua a todo vapor. Ontem, a moeda foi negociada a R$ 4,4764, chegando a superar, na máxima, os R$ 4,5016. Esse novo cenário, conforme destacam especialistas, está muito relacionado com as incertezas em todo o mundo, sobretudo após a proliferação do coronavírus, que já matou mais de 2.800 pessoas no planeta.

E é justamente essa dualidade que não permite bater o martelo em relação aos efeitos positivos que o dólar mais alto poderá gerar para as empresas brasileiras. O professor da Fundação Getulio Vargas – Escola Brasileira de Economia e Finanças (FGV-EPGE), Antonio Gonçalves, ressalta, por exemplo, que as companhias exportadoras podem se dar bem com o valor mais alto da moeda norte-americana. No entanto, há um problema quando as vendas para o exterior têm como destino a China. Se forem para outros países, a situação pode ser melhor, mas talvez não tão diferente. “O dólar mais alto deveria ajudar, mas a situação no mundo está muito ruim”, diz ele.

Por outro lado, com o encarecimento das importações, poderá haver uma tendência inflacionária no País, conforme pontua Antonio Gonçalves. No entanto, isso pode levar um pouco mais de tempo. Se o valor mais elevado durar uma semana ou dez dias, diversos setores podem deixar para repor os seus estoques daqui a um mês, por exemplo, o que não os afetaria muito.

“O dólar está um pouco exagerado, mas a R$ 2 era um absurdo, pois quebrava o País. Já R$ 4 é um número razoável, tende a ser esse valor se não houver crise. As incertezas agora, porém, são muito grandes. Um economista não poderia prever uma epidemia. Estão todos meio perplexos”, avalia.

Para o diretor-executivo da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Roberto Vertamatti, não é somente o dólar que está em patamares mais elevados, mas há, segundo ele, certa histeria com o coronavírus, acima da normalidade. As consequências, diz ele, são mais psicológicas, mas acabam impactando a economia não só em relação a maior valorização da moeda norte-americana, como também à diminuição da produção e indiretamente os preços de matérias-primas.

“Nesse primeiro momento, há um preço melhor para as empresas exportadoras, no entanto, há a tendência de diminuição de compras”, pondera ele. Essa redução de compras, caso o cenário não se modifique, pode levar até mesmo à falta de produtos, avalia Roberto Vertamatti. “O Brasil depende de itens da Ásia e fornece muitas coisas para vários países. Isso começará a ser afetado”, analisa.

Consumo mundial – Responsável pela área de renda variável da Monte Bravo, Bruno Madruga diz que a grande dúvida em relação aos impactos positivos da alta do dólar para as empresas é justamente a manutenção ou não do consumo mundial. “Não podemos afirmar que a China vai continuar importando minério na mesma quantidade, por exemplo”, diz ele, que entende, ainda, que se o consumo mundial permanecer, a elevação do preço da moeda norte-americana será benéfica para as empresas exportadoras.

O economista e professor do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (Ibmec) Felipe Leroy, porém, acredita que o coronavírus não vai afetar muito as comercializações com o Brasil, nem mesmo quando se trata da China. “O País importa itens de primeira necessidade”, salienta.

Poderá haver, sim, segundo ele, a ampliação das parcerias comerciais do Brasil, já que terá o barateamento dos nossos produtos em dólar para o mundo inteiro. “As exportações devem aumentar, já que o poder de compra lá fora também cresce com os preços diferenciados dos produtos brasileiros no exterior”.

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!