COTAÇÃO DE 07/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6180

VENDA: R$5,6180

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6500

VENDA: R$5,7830

EURO

COMPRA: R$6,3427

VENDA: R$6,3451

OURO NY

U$1.784,35

OURO BM&F (g)

R$323,23 (g)

BOVESPA

+0,65

POUPANÇA

0,5154%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Especial exclusivo

Segmento busca novas práticas em prol da segurança operacional

COMPARTILHE

Crédito: Alisson J. Silva/Arquivo DC Wilson Brumer - SEDE

Na avaliação do presidente do Conselho Diretor do Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), Wilson Brumer, passados 365 dias desde a manhã do dia 25 de janeiro de 2019, muitos foram os aprendizados para a mineração.

Segundo ele, desde então, o setor mineral tem se engajado em adotar novas práticas para elevar a qualidade da gestão de riscos, com foco na segurança operacional.

PUBLICIDADE

“O que aconteceu há um ano tem que ser de toda forma lamentado, os responsáveis punidos e o fato jamais esquecido. O colapso virou referência negativa e colocou em xeque as práticas e até a importância da mineração”, analisou.

Como forma de reverter o cenário, por parte do Ibram foram feitas mudanças no modelo de gestão e um esforço para a participação das empresas associadas nas decisões. Neste sentido, o órgão passou a atuar de forma mais abrangente, englobando não apenas os associados, mas municípios e demais stakeholders.

O dirigente lembrou ainda que, no ano passado, o Ibram divulgou uma Carta de Compromisso como uma declaração pública de novos propósitos para a indústria minerária.

No documento, foram estabelecidos 12 pontos, entre eles a questão das barragens e a disposição de rejeitos, mitigação de impactos ambientais, relacionamento com comunidades e comunicação e reputação. “O setor precisa de mais transparência”, admitiu.

Atração de investimentos – E, passado o primeiro ano de mudanças e impactos mais robustos na economia mineira e nacional, após o rompimento da barragem em Brumadinho, a entidade já traça novas metas. Para 2020, há o plano de ampliar a atração de investimentos para a mineração brasileira, que inclui criar uma estrutura de mercado de capitais dedicada ao setor.

“O modelo seriam as bolsas do Canadá e da Austrália – dois grandes países da mineração, onde o lançamento de ações, principalmente de empresas menores, são fatores que atraem investimentos. Esperamos estruturar isso ainda no primeiro semestre”, revelou.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!