COTAÇÃO DO DIA 22/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4780

VENDA: R$5,4790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5070

VENDA: R$5,6470

EURO

COMPRA: R$6,6088

VENDA: R$6,6101

OURO NY

U$1.853,68

OURO BM&F (g)

R$ (g)

BOVESPA

-0,80

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Finanças
Página Inicial » Finanças » Dívida bruta salta para 86,5% do PIB

Dívida bruta salta para 86,5% do PIB

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: Pixabay

Brasília – A dívida bruta brasileira, considerada a principal medida da saúde fiscal do País, subiu 10,7 pontos no ano até julho, ao patamar recorde de 86,5% do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central (BC) ontem.

A trajetória tem sido guiada pelo aumento explosivo dos gastos no enfrentamento à crise com o coronavírus. Mas outros fatores também têm pesado na conta.

Segundo o BC, as emissões líquidas de dívida responderam por 5,9 pontos do crescimento da dívida bruta no ano até aqui. A incorporação de juros nominais, por sua vez, foi responsável por elevação de 2,6 pontos, seguida pela desvalorização cambial acumulada (+1,4 ponto) e o efeito da variação do PIB nominal (+0,8 ponto).

Para 2020, a projeção mais recente do Ministério da Economia era de dívida bruta de 94,7% do PIB, considerando a expectativa de contração da economia de 4,7%.

Em julho, a dívida líquida também subiu a 60,2% do PIB, acima dos 58,0% do mês anterior. A expectativa do mercado, segundo pesquisa Reuters, era de dívida bruta de 86,9% e dívida líquida de 59,1% do PIB.

Setor consolidado – O setor público consolidado brasileiro teve déficit primário de R$ 81,071 bilhões em julho, abaixo da expectativa de R$ 94 bilhões para o mês, conforme agentes consultados pela Reuters.

O déficit do governo central (Tesouro Nacional, BC e Previdência) foi de R$ 88,141 bilhões no período. Em contrapartida, estados e municípios registraram superávit de R$ 6,281 bilhões e as empresas estatais ficaram no azul em R$ 790 milhões.

Na sexta-feira (28), o Tesouro já havia informado que o déficit do governo central de julho havia sido recorde para o período, afetado principalmente pelas despesas extraordinárias ligadas à pandemia de Covid-19, dinâmica que tem se repetido desde abril.

Nos sete primeiros meses do ano, o déficit do setor público consolidado foi a R$ 483,773 bilhões e, em 12 meses, o rombo foi de R$ 537,143 bilhões, equivalente a 7,48% do Produto Interno Bruto (PIB).

A última estimativa oficial da equipe econômica era de um déficit do setor público consolidado de R$ 812,2 bilhões em 2020, ou 11,3% do PIB. O dado, contudo, não considera a prorrogação do auxílio emergencial até o fim deste ano, promessa que já foi feita pelo presidente Jair Bolsonaro e que deve ser formalizada nesta semana.

O governo trabalha para diminuir o tamanho do benefício, sendo que Bolsonaro já afirmou que ele será maior do que R$ 200, mas menor que os atuais R$ 600. Somente para o período de abril a agosto, o governo estimou um gasto de R$ 254,4 bilhões no programa, sua iniciativa de maior vulto na crise. (Reuters)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente