COTAÇÃO DE 03-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6790

VENDA: R$5,6800

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,7000

VENDA: R$5,8300

EURO

COMPRA: R$6,3643

VENDA: R$6,3655

OURO NY

U$1.784,10

OURO BM&F (g)

R$321,33 (g)

BOVESPA

+0,58

POUPANÇA

0,4739%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Finanças

Dívida pública federal avança e atinge R$ 5,17 trilhões

COMPARTILHE

Crédito: Bruno Domingos/Reuters

Brasília – A dívida pública federal cresceu 1,61% em maio sobre abril, somando R$ 5,171 trilhões, em um mês de volume menor de vencimentos em que o Tesouro Nacional fez emissões acima da média para reforçar o seu caixa, mostraram dados divulgados ontem.

No mês, a dívida pública interna avançou 1,82%, para R$ 4,940 trilhões, com uma emissão líquida de R$ 58,3 bilhões. Já a dívida externa recuou 2,64%, a R$ 230,75 bilhões, com um resgate líquido por parte do Tesouro.

PUBLICIDADE

Com a emissão de títulos no mercado doméstico superando os resgates, o colchão de liquidez do Tesouro aumentou de R$ 969,3 bilhões em abril para R$ 1,036 trilhão em maio, valor suficiente para atender aos próximos 9,6 meses de vencimentos da dívida.

O coordenador-geral da Dívida Pública, Luis Felipe Vital, afirmou que, além de ampliar o seu colchão, o Tesouro também tem procurado aproveitar as condições relativamente mais favoráveis do mercado, com a redução do risco país, para melhorar a qualidade das emissões, com a venda de papéis mais longos e de melhor perfil.

Ele negou que a preocupação em reforçar o caixa tenha relação com a expectativa de maior volatilidade no ano eleitoral de 2022. “A estratégia para 2022 não tem uma particularidade, é a mesma estratégia que o Tesouro já tem feito nos últimos anos, ter um colchão de liquidez que lhe permite, em momentos de maior volatilidade, calibrar sua presença no mercado de forma a não ser um fator adicional de pressão nos mercados”, afirmou.

A parcela da dívida vincenda em 12 meses recuou a 22,9% em maio, frente a 24,5% no mês anterior. Refletindo esse aumento de prazo, o custo médio do estoque da dívida pública acumulado em 12 meses aumentou para 7,34%, de 7,22% em abril.

Em relação à composição, os títulos que variam com a Selic, representados pelas LFTs, continuaram com maior peso na dívida pública federal, com participação de 35,39% do total, ligeiramente abaixo do 35,50% de abril.

Já os títulos prefixados, que dão mais previsibilidade à gestão da dívida, avançaram a 32,95% da dívida, ante 31,90% no mês anterior.

Os papéis indexados à inflação, por sua vez, recuaram para 26,95%, de 27,69%.

Em relação aos detentores, a participação dos investidores estrangeiros na dívida mobiliária interna aumentou ligeiramente para 9,87% em maio, sobre 9,75% no mês anterior.

Reforma tributária – Vital disse não esperar um encurtamento da dívida a partir da proposta do governo de adotar uma alíquota única de imposto de renda de 15% sobre os ganhos com fundos de investimento e renda fixa, acabando com a taxação maior para aplicações de menor prazo.

O técnico do Tesouro argumentou que a base de detentores da dívida é suficientemente diversa para que uma mudança dessa ordem não acarrete uma alteração significativa na demanda e ressaltou que qualquer eventual ajuste na estratégia seria comunicado no Plano Anual de Financiamento. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!