COTAÇÃO DE 26/07/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1740

VENDA: R$5,1740

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1630

VENDA: R$5,3400

EURO

COMPRA: R$6,1233

VENDA: R$6,1261

OURO NY

U$1.797,46

OURO BM&F (g)

R$299,92 (g)

BOVESPA

+0,76

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Finanças

Fundos de investimento têm captação de R$ 83,8 bi no trimestre

COMPARTILHE

Crédito: Pixabay

Os fundos de investimento tiveram captação líquida positiva de R$ 83,8 bilhões no primeiro trimestre de 2021, conforme dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). O resultado representa avanço de 119,9% na comparação com o mesmo período de 2020 e resultou da diferença de R$ 2,3 trilhões aportes e R$ 2,2 trilhões saques.

“Um ano após o início da pandemia, a indústria de fundos continua entregando bons resultados e demonstra, mais uma vez, a resiliência e confiança dos investidores”, comenta o diretor da Anbima, Pedro Rudge.

PUBLICIDADE

Os fundos de renda fixa puxaram o bom resultado com entradas líquidas de R$ 61,4 bilhões, ou seja, 73,3% do total captado. O montante é superior ao desempenho da classe em 2020, quando registrou R$ 62,3 bilhões de resgates líquidos.

Na sequência, os fundos multimercados tiveram ingressos líquidos de R$ 24,6 bilhões, um recuo de 3,2% na comparação com o mesmo período do ano passado. Já os fundos de ações tiveram resgates líquidos de R$ 11,2 bilhões contra R$ 46,1 bilhões de aportes líquidos no ano anterior. No entanto, a queda em 2021 foi fruto de um movimento concentrados de mercado: a amortização de um fundo de pensão com resgates líquidos de R$ 43,9 bilhões em janeiro.

“A classe de ações tem registrado desempenho positivo desde 2018, atraindo investidores de forma descolada dos movimentos de mercado. Em março, a captação líquida de R$ 6 bilhões, entretanto, não foi suficiente para reverter as perdas no acumulado do trimestre”, explica Rudge. Atualmente, os fundos de ações representam 10% do patrimônio líquido da indústria, contra 6,7% em 2020.

Contas – O número de contas alcançou 26 milhões em fevereiro e os fundos imobiliários e os multimercados ganharam maior participação. Enquanto os primeiros saltaram de 11%, em dezembro, para 17%, a fatia dos multimercados passou de 13% para 17% na mesma comparação.

As contas de fundos de renda fixa ainda são predominantes com 38%. Na sequência, aparecem os fundos de ações com 24%.

De maneira detalhada, os fundos de renda fixa proporcionaram os maiores retornos médios aos investidores no primeiro trimestre: o tipo duração alta grau de investimento (aplicam, no mínimo, 80% em títulos públicos ou ativos de baixo risco com prazos longos) teve rentabilidade acumulada de 2,8%, seguido pelo retorno de 0,8% da duração livre grau de investimento.

Além disso, pela primeira vez desde o início da pandemia, os fundos de ações registraram retornos positivos. Isso aconteceu nos tipos investimento no exterior (aplicam mais de 40% da carteira em ativos internacionais) e small caps (carteiras com, no mínimo, 85% em ações de empresas não listadas entre as maiores participações do IBrX). Eles tiveram retornos de 2,6% e 0,2%, respectivamente.

Nos multimercados, o destaque também ficou com o tipo investimento no exterior com rentabilidade positiva de 2,7%. O movimento, de ambas as classes, está atrelado à variação positiva de 9,6% no primeiro trimestre. (Com informações da Anbima)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!