COTAÇÃO DO DIA 22/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4780

VENDA: R$5,4790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5070

VENDA: R$5,6470

EURO

COMPRA: R$6,6088

VENDA: R$6,6101

OURO NY

U$1.853,68Pg�

OURO BM&F (g)

R$ (g)

BOVESPA

-0,80

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Finanças
Página Inicial » Finanças » Inadimplência cai à mínima recorde

Inadimplência cai à mínima recorde

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Pesquisa do BC aponta cortes nas projeções do PIB e inflação
Crédito: REUTERS/Adriano Machado

Brasília – Apesar da crise com o coronavírus e do temor generalizado dos bancos acerca de calotes, a inadimplência no Brasil caiu a uma mínima recorde em julho de 3,5%, dado que abarca o segmento de recursos livres, em que as taxas são definidas livremente pelas instituições financeiras.

No mesmo mês do ano passado, a inadimplência havia sido de 4,0%, apontou o Banco Central (BC) na sexta-feira (28). Já em junho deste ano, o percentual ficou em 3,7%.

A inadimplência de 3,5% é a menor da série histórica do BC, iniciada em março de 2011, e vem em meio à forte recomposição de renda proporcionada pelo programa de auxílio emergencial, que desde abril concede benefício de R$ 600 a informais e vulneráveis.

Após ser prorrogado por mais dois meses, o programa termina em agosto, mas o presidente Jair Bolsonaro já afirmou que irá estendê-lo até dezembro, embora a um menor valor.

Segundo o chefe do departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, é possível, sim, que o auxílio emergencial tenha tido papel na redução da inadimplência, uma vez que, no agregado, houve uma “muito elevada” recomposição de renda com o programa.

Além disso, ele afirmou que há pelo menos dois fatores mitigando o impacto da crise na inadimplência: um movimento grande de renegociações e repactuações dos financiamentos e a possibilidade de postergação de parcelas, instituída por bancos.

Questionado se, com a queda da inadimplência, os bancos poderiam reorientar sua estratégia de provisionamento, Rocha sinalizou ser possível que as instituições ainda analisem esse quadro.

“Estou provisionado e preparado para a inadimplência. Se essa inadimplência vier, se crescer, já estou provisionado e o banco continua sólido. Se ela não vier, passada uma incerteza, começa a baixar projeções, melhora o meu resultado e vida que segue”, disse.

Em relação ao custo dos financiamentos no País, os juros médios seguiram em trajetória cadente em julho, a 27,3% ao ano, contra 28,2% no mês anterior, também no segmento de recursos livres.

O spread, que mede a diferença entre a taxa de captação dos bancos e a cobrada a seus clientes, recuou no mesmo segmento a 23,0 pontos percentuais de 23,7 pontos em junho.

Aumento do estoque – Segundo o BC, o estoque total de crédito no Brasil subiu 1% em julho sobre junho, acelerando o ritmo diante das operações voltadas a empresas e passando a R$ 3,666 trilhões. Com isso, o saldo total de financiamentos no País avançou a 51,1% do Produto Interno Bruto (PIB).

Entre as pessoas jurídicas, o aumento foi de 1,2% no mês e de 15,0% no acumulado em 12 meses, destacou o BC. Nos 12 meses até junho, esse crescimento havia sido de 11,8%.

Já entre as pessoas físicas, houve expansão de 0,9% no crédito em julho e de 8,5% em 12 meses, mesmo percentual registrado no acumulado até o mês anterior.

Em nota, o BC destacou que, olhando apenas para o crédito livre, em que as taxas de juros são fixadas livremente pelas instituições financeiras, houve elevação para as pessoas jurídicas de 0,5% em julho e de 26,1% em 12 meses, com destaque para as operações de capital de giro, especialmente com prazo superior a um ano.

No crédito direcionado às empresas, a alta foi de 2,5% no mês, ajudada pelas contratações fechadas no âmbito do Pronampe, programa do governo de concessão de garantias para empréstimos a micro e pequenas empresas. Em 12 meses, houve retração de 0,3%, complementou o BC.

No crédito livre para famílias, o BC chamou a atenção para as altas observadas em julho em cartão de crédito à vista (+5,1%), crédito pessoal consignado (+1,1%) e financiamento de veículos (+0,6%).

De janeiro a julho, a alta geral no crédito no País foi de 5,4% e, em 12 meses, de 11,3%.

Para 2020, o BC havia previsto em junho crescimento do crédito de 7,6%, puxado pelos financiamentos às empresas em função da necessidade de caixa diante da queda nas vendas em meio à pandemia de coronavírus.

O presidente do BC, Roberto Campos Neto, tem dito que o crédito é um importante componente na definição do formato da retomada econômica no pós-coronavírus e que a experiência de outros países tem mostrado isso. (Reuters)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente