DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1220

VENDA: R$5,1230

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1430

VENDA: R$5,2800

EURO

COMPRA: R$6,1922

VENDA: R$6,1950

OURO NY

U$1.876,87

OURO BM&F (g)

R$309,26 (g)

BOVESPA

+0,13

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Finanças

Ofertas no mercado de capitais crescem 54,1% no ano até maio

COMPARTILHE

Crédito: Bruno Domingos/Reuters

São Paulo – As ofertas no mercado de capitais alcançam R$ 198 bilhões entre janeiro e maio deste ano, volume 54,1% maior do que no mesmo período de 2020. De acordo com dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), apenas em maio, o volume de emissões foi de R$ 55 bilhões, montante 31,9% maior do que o registrado em abril.

As debêntures lideraram as emissões de maio, somando recursos na ordem de R$ 23,3 bilhões. O volume representa 42,5% do total registrado no mercado de capitais no período. No acumulado do ano, as ofertas de debêntures chegam a R$ 78,9 bilhões. “Em maio do ano passado a insegurança era maior, já que estávamos nos primeiros meses da pandemia de Covid-19. Se compararmos o resultado de agora com o daquele momento, o volume captado nos primeiros cinco meses de 2021 foi cerca de duas vezes maior”, afirma José Eduardo Laloni, vice-presidente da Anbima.

PUBLICIDADE

Entre os destinos dos recursos captados pelas debêntures em 2021, a maior parte foi para capital de giro (31,3%) e investimentos em infraestrutura (18,8%), representando praticamente metade do montante. Quanto ao perfil dos subscritores das ofertas, permanecem sendo, em sua maioria, intermediários e demais participantes ligados à oferta (46,5%) e fundos de investimento (33,7%).

Os CRIs (Certificados de Recebíveis Imobiliários) tiveram em maio o maior volume de ofertas deste ano: R$ 3,8 bilhões. Em 2021, o montante de operações chega a R$ 10,9 bilhões, o que representa alta de 67,7% sobre o mesmo período de 2020. Entre os CRAs (Certificados de Recebíveis do Agronegócio), as ofertas de maio atingiram R$ 1,8 bilhão e no ano somam R$ 6,6 bilhões (avanço de 134,1% sobre igual intervalo de 2020).

Renda variável – As operações de renda variável alcançaram R$ 10,3 bilhões no mês. Após abril não ter registrado nenhum IPO, em maio foram encerradas quatro ofertas iniciais, somando R$ 5,4 bilhões. No ano, os IPOs já movimentaram R$ 26,2 bilhões, enquanto os follow-ons (ofertas subsequentes) chegam a R$ 21,9 bilhões.

Entre os subscritores das ofertas de ações, mais da metade são fundos de investimento (50,8%), seguidos pelos investidores estrangeiros (35,1%). A participação relativa de pessoas físicas entre os subscritores nos primeiros cinco meses do ano, em comparação com o mesmo período do ano passado, caiu de 13,5% para 6,1%.

Fundos imobiliários – Considerados produtos híbridos entre renda fixa e variável, os fundos imobiliários também tiveram performance positiva em maio, captando R$ 4,2 bilhões — o que representa aumento de 55,3% em comparação a abril. O valor total no ano chega a mais de R$ 21 bilhões, contra R$ 15,4 bilhões em 2020.

No mercado externo foram registradas duas emissões de bônus em maio, somando US$ 1,4 bilhão, fazendo com que o acumulado em 2021 superasse o volume alcançado no mesmo período de 2020: US$ 8,95 bilhões contra US$ 8 bilhões.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!