COTAÇÃO DE 07/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6180

VENDA: R$5,6180

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6500

VENDA: R$5,7830

EURO

COMPRA: R$6,3427

VENDA: R$6,3451

OURO NY

U$1.784,35

OURO BM&F (g)

R$323,23 (g)

BOVESPA

+0,65

POUPANÇA

0,5154%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Finanças livre

Setor público consolidado tem superávit de R$ 56,2 bilhões

COMPARTILHE

Crédito: Bruno Domingos/Reuters Usada em 30-10-19

Brasília – O setor público consolidado brasileiro teve superávit primário de R$ 56,276 bilhões em janeiro, melhor para o mês na série histórica do Banco Central (BC), ajudado pela arrecadação de tributos sobre a renda das empresas, conforme dados divulgados na sexta-feira (28). Em pesquisa Reuters, a expectativa era de um saldo positivo de R$ 46,8 bilhões para o mês.

Diante do expressivo resultado primário, o resultado nominal, que inclui o pagamento de juros da dívida pública, ficou no azul em R$ 19,120 bilhões – o que já havia acontecido em janeiro do ano passado, quando o superávit nominal foi ainda maior, de R$ 26,044 bilhões.

PUBLICIDADE

A piora no nominal deu-se pelo crescimento de 78,2% na conta de juros, a R$ 37,155 bilhões em janeiro deste ano, na esteira de resultado desfavorável com swaps cambiais: perda de R$ 7,615 bilhões, frente a um ganho de R$ 11,628 bilhões em igual mês de 2019.
Sozinho, o superávit do governo central (governo federal, BC e Previdência) foi de R$ 45,469 bilhões no primeiro mês deste ano, cerca de R$ 10 bilhões acima de igual período do ano passado.

Janeiro é um mês tradicionalmente positivo, ajudado pela arrecadação com Imposto de Renda Pessoa Jurídica/Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido.

Na semana passada, a Receita Federal já havia informado que, por conta justamente desses tributos, a arrecadação teve seu melhor janeiro da série histórica. No mês, houve arrecadação atípica de R$ 2,8 bilhões com IRPJ/CSLL.

Em nota, o Tesouro destacou, na quinta-feira, que o superávit histórico do governo central foi “parcialmente explicado pelo movimento sazonal de maior arrecadação de IRPJ/CSLL, bem como pelo crescimento da arrecadação de Cofins”.

Estados e municípios tiveram superávit de R$ 10,143 bilhões em janeiro, enquanto as empresas estatais ficaram no azul em R$ 664 milhões.

Em 12 meses, o déficit do setor público consolidado foi a R$ 52,493 bilhões, equivalente a 0,72% do Produto Interno Bruto (PIB).

Para o ano, a meta é de um rombo primário de R$ 118,9 bilhões, sétimo resultado consecutivo no vermelho. Mas membros da equipe econômica já afirmaram que o governo irá sugerir que estados e municípios tenham projeção de resultado primário zero em 2020, ante meta de superávit de R$ 9 bilhões já aprovada para o exercício.

Caso a mudança seja aprovada pelo Congresso, a meta de déficit do setor público consolidado para 2020 subirá a R$ 127,9 bilhões.

Dívida – Em janeiro, a dívida bruta cresceu a 76,1% do PIB, contra 75,9% em dezembro.
Por sua vez, a dívida líquida caiu a 54,2% do PIB na mesma base de comparação, contra 55,7% no mês anterior e expectativa em pesquisa Reuters de que ficaria em 55,3% do PIB. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!