CEFET-MG  desenvolverá projetos de inovação em robótica, inteligência artificial e gestão para empresas | Crédito: Alisson J. Silva/Arquivo DC

O CEFET-MG foi selecionado para a implementação de programa de capacitação de estudantes denominado Oficinas 4.0. A chamada pública 02/2020 – “Apoio à implementação das oficinas 4.0”, organizada pelo Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes), visa ao desenvolvimento de quatro projetos de inovação por instituição para o atendimento às demandas apresentadas por empresas.

Foram selecionadas 15 propostas do Brasil e a do CEFET-MG ficou em primeiro lugar com o programa “Colaboração público privada para desenvolvimento de projetos de inovação tecnológica envolvendo robótica, inteligência artificial e gestão no CEFET-MG com foco nas Oficinas 4.0”.

O objetivo inicial do edital era atender até quatro empresas com quatro projetos de inovação, cada um com uma equipe coordenada por um docente. A proposta do CEFET-MG é coordenada pelo professor Sandro Renato Dias do Departamento de Computação, campus Gameleira, e os projetos são coordenados pelos professores Gustavo Campos do Departamento de Eletroeletrônica e Computação, campus Contagem; Ludmila Guimarães do Departamento de Ciências Sociais Aplicadas, do campus Gameleira; Daniel Hasan e Ramon da Cunha, ambos do Departamento de Computação, campus Gameleira. A proposta foi contemplada com R$ 216 mil para ser utilizado ao longo de dez meses.

A proposta pretende atender quatro empresas em suas demandas de inovação: Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Fundação Ezequiel Dias (FUNED), Take e 42 Codelab e para melhorar as soluções desenhadas em cada projeto, envolveu três outras empresas, DTI, 3DLopes e Commit Jr.

“Assim, como um programa de extensão, esta proposta envolve sete empresas, três a mais que a demanda do edital, permitindo uma interação maior do CEFET-MG com as empresas, além da maior visibilização dos docentes envolvidos e suas expertises, sem citar o ganho para o projeto em desenvolvimento e para os alunos envolvidos. As três últimas empresas atuarão como colaboradoras auxiliando no desenvolvimento das tecnologias e orientando os discentes participantes, colaborando diretamente com os docentes orientadores dos projetos”, explica Sandro.

Projetos

Projeto 1: Projeto de sistema de recomendação por competências do SOS-PME UFRGS
SOS-PME é uma Rede de Assessoria Empresarial estruturada através de um projeto de extensão universitária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). O objetivo é entregar para a sociedade um serviço de assessoria ao processo decisório de pequenas e médias empresas em tempos de crise econômica como a provocada pela COVID-19.

Projeto 2: Estação Robotizada Para Ensaios In Vitro
O objetivo é o desenvolvimento de uma plataforma robotizada para testes in vitro a partir de tecnologias de baixo custo com melhoria no desempenho dos ensaios. É uma solução prática para melhorar o desempenho em termos de rapidez e de qualidade dos resultados para diversas aplicações analíticas e de controle de qualidade, existentes e futuras.

Projeto 3: Inteligência Artificial Aplicada no Monitoramento e Relacionamento de Atividades Econômicas e Produtos
Criar uma ferramenta (baseada em técnicas de inteligência computacional, otimização e banco de dados) capaz de relacionar NCMs (Nomenclatura Comum do Mercosul) e CNAEs (classificação Nacional de Atividades Econômicas), identificando relações de produção, comercialização e consumo.

Projeto 4: Proposição e Análise de Métricas de Qualidade de Interação entre ChatBots e seus Usuários
O objetivo é propor e avaliar métricas para identificação automática da qualidade em conversas com ChatBots por meio de reconhecimento de padrões textuais. São exemplos de análises a serem exploradas: identificação de entidades em português, análise de sentimento e tempo da interação do usuário.

Para a execução das propostas, a equipe selecionará três alunos do ensino técnico e um do mestrado em áreas afins dos projetos e contará com a participação dos alunos dos grupos PET de Engenharia de Computação (COMPET) e Administração. “A importância deste programa é o contato destes discentes com um projeto de inovação, com o desenvolvimento de uma solução profissional, visando uma demanda real de uma empresa com a interação entre diferentes níveis (técnico, graduação, mestrado). Outra importância é que envolveremos alunos e professores de duas unidades e dois departamentos diferentes, além da grande visibilidade externa, teremos uma integração também de forças para a execução”, conclui Sandro.