Crédito: Divulgação / Prefeitura de Nova Lima

A terceira fase do projeto Lidera, iniciativa da Prefeitura de Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), com foco na transformação e inovação para a construção do protagonismo, foi implantada no dia 25 de junho, cujo lançamento se deu pelo YouTube, com a participação de mais de 200 expectadores; e uma marca de mais de 400 visualizações.

Agora, os trabalhos serão conduzidos para formar agentes que possam ampliar os conhecimentos e técnicas para atuarem na transformação em sua região a fim de impulsionar o desenvolvimento e fortalecimento do município em toda a sua abrangência e de maneira sustentável.

A metodologia está sendo construída em parceria com o Sebrae, com abordagem que valoriza a diversidade humana e social de Nova Lima, uma forma de promover a autonomia e transformação dos agentes envolvidos.

Essa terceira fase será criada em etapas, com previsão de término para dezembro deste ano. Serão realizadas reuniões, encontros e workshops, podendo ser virtuais ou presenciais, de acordo com as normas sanitárias de segurança vigentes no momento estabelecidas contra o Covid-19.

Nas duas fases anteriores, aconteceram o curso de liderança para o desenvolvimento local, o pré-fórum (aula com o computador Watson da IBM na FDC) e o fórum “O futuro do trabalho e seus desafios”, para promover o diálogo com a sociedade sobre as implicações dos avanços tecnológicos nas relações trabalhistas e no futuro do trabalhador.

Segundo a secretária municipal de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Renda, Clausy Gomes, “um dos principais focos do Lidera está na implantação da educação empreendedora, como a atração de aceleradoras e startups, e outras ações voltadas para o mercado de trabalho com as implicações tecnológicas”, ressalta.

Ela explica que serão criados dados e informações que servirão de insumos para a implementação de uma política pública de desenvolvimento. “Esperamos que os diálogos e pesquisas sobre as necessidades de capacitação e qualificação da comunidade e do empresariado possam gerar reflexos positivos na geração de emprego e renda local”, completa Clausy Gomes.

Para o presidente do Sindicato da Indústria de Sofware e da Tecnologia da Informação do Estado de Minas Gerais (Sindinfor), Fabio Veras, o Lidera representa a continuidade da convicção do município, desde 2017, em atrair grandes empresas, e dar prosseguimentos aos trabalhos.

“A inovação não se dá apenas com tecnologia. As pessoas confundem inovar com o fato de ter que adquirir uma tecnologia e se afastam disso. O Lidera é inovador porque traz uma metodologia que fortalece o fomento e o crescimento de lideranças implicadas no processo de eixos de prioridades em relação ao pensar da cidade”.

Para ele, isso dará de forma conjunta: “que futuro queremos, que cidade precisamos exatamente construir; é um projeto que olha o território, os setores e as perspectivas do trabalhador e do empreendedor”, enfatiza Veras.

De acordo com a diretora da Bridge Comunicação, Liliana Lana, responsável pela implantação do Lidera, o programa vai aproximar os olhares para ‘diversas Nova Lima’, de forma que quem estiver em determinada região possa perceber perspectivas de outras regiões.

“Vamos trazer as lideranças para o processo de construção de uma visão de futuro comum e trabalhar com aquelas que representam os diversos segmentos e regiões da cidade, por meio de um ponto comum que provoque a convergência”.

Liliana Lana explica que essa construção da realidade se dará com a participação do poder público, da sociedade civil e de instituições e empresas de diversos segmentos (comunitário, econômico, educacional, ambiental, cultural, espiritual, político, esportivo, feminino, juvenil).

“Queremos transformar lideranças em agentes de transformação, de mudança. Alguém vocacional – não está relacionado a cargo – que se preocupe com a coletividade, que seja imbuído de fazer algo que não seja em benefício próprio”, destaca.

Após o lançamento, ocorrerá a etapa pré-operacional, na qual serão identificadas as lideranças existentes e outras possíveis em potencial. Também serão conhecidos os gargalos do desenvolvimento. Além disso, haverá sensibilização para a formação de grupos multiplicadores. Isso se dará por meio de entrevistas individuais.

Operacionalização – A segunda fase, a operacional, se consolidará com a formação de uma rede de desenvolvimento local; nesse contexto haverá a partilha de olhares das diversas microrregiões: o comum entre elas, o que buscar.

A partir daí será construída uma coesão para trabalhar o desenvolvimento de lideranças mais instrumentalizadas, com mais recursos para articular e fazer negociações. Para isso, os envolvidos participarão de oficinas de capacitação para a construção de visão do futuro comum, por meio de pospostas, formulação de estratégias gerais de desenvolvimento local, definição das oportunidades de segmentação por território ou área de atuação ou interesse.

Já na fase operacional, segmentada por território ou área de interesse, serão formados grupos por microrregião ou segmentos de atuação. Eles atuarão como se fossem “nós” de uma grande rede. Serão construídos resultados próprios, convergentes com o planejamento macro da etapa anterior.

A partir daí serão planejadas as ações específicas de desenvolvimento para combater gargalos e potencializar forças. Também serão construídos planos de ações específicas para cada segmento ou microrregião.

A fase pós-operacional se resume à consolidação do documento final que o grupo vai definir, de propostas ou metas de desenvolvimento futuro, bem como em uma celebração de resultados, uma espécie prestação de contas à sociedade, apontando encaminhamentos futuros do projeto e o registro dos agentes de transformação local.

“Entendemos que essa é uma construção que beneficia a cidade a médio e longo prazo, uma caminhada com olhar de futuro”, finaliza Liliana Lana.

Trabalho iniciado em 2018 – O programa Lidera foi criado em 2018, com o objetivo de provocar mudanças de pensamentos e comportamentos de lideranças locais, com vistas a contribuir para o desenvolvimento de diversos aspectos das regiões do município.

Assim, visa identificar e capacitar essas lideranças e promover o diálogo, por meio de mobilização e qualificação, e a integração e o engajamento dos envolvidos e, ao mesmo tempo, potencializar o poder público na definição das necessidades e prioridades para a população por meio de diálogos.

Agora, o projeto segue na identificação, mobilização, qualificação e integração de lideranças existentes no município. A metodologia utilizada está sendo desenvolvida em parceria com o Sebrae Minas e terá eixos de abordagem que valorizam a diversidade humana, social e econômica de Nova Lima. (Da Redação)