COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Legislação
Crédito: Nacho Doce/Reuters

Brasília – O Ministério Público da Suíça cumpriu ontem mandados de busca e apreensão em endereços ligados às tradings globais do petróleo e derivados, Vitol e Trafigura, em Genebra, atendendo a um pedido de cooperação internacional de procuradores da Força-Tarefa da Operação Lava Jato.

Segundo nota do Ministério Público Federal (MPF) do Paraná, o objetivo das diligências é aprofundar as investigações conduzidas no Brasil de crimes de corrupção, lavagem de ativos e organização criminosa que “apontam para o envolvimento de integrantes da cúpula das duas empresas”. Essa é a terceira fase internacional da Lava Jato relacionada a empresas do mercado de petróleo e derivados.

PUBLICIDADE

Em setembro, a Reuters revelou, com base em documentos inéditos, que a cúpula da Vitol e Trafigura sabia de um esquema de propina para obter contratos com a Petrobras, segundo a delação premiada de um intermediário das operações ilícitas investigadas pela força-tarefa da Lava Jato.

Procurada, a Vitol afirmou que “não seria apropriado fazer comentários neste estágio além de reiterar nossa política de tolerância zero sobre propinas e corrupção e nossa política de cooperação total com autoridades relevantes em todas as jurisdições em que operamos”. A Trafigura e a Petrobras não responderam imediatamente.

Na nota divulgada ontem, os procuradores dizem que diversas provas, como documentos obtidos em medidas de busca e apreensão no Brasil, em acordos de colaboração premiada, e dados extraídos a partir da quebra de sigilos telemático, bancário e fiscal apontam para o envolvimento de integrantes da cúpula das empresas Vitol e Trafigura no pagamento de propinas a funcionários da Petrobras.

A contrapartida à propina paga, segundo o MPF, era a obtenção de facilidades na estatal brasileira, como preços mais vantajosos e contratos com maior frequência. Na ocasião, as empresas negaram irregularidades.

Conforme o MPF, Vitol e Trafigura realizam transações de modo maciço e recorrente com a estatal brasileira no mercado internacional. A Vitol, entre 2004 e 2015, realizou negócios com a Petrobras, sobretudo operações de compra e venda de petróleo e derivados, em valor total superior a US$ 14 bilhões.

Por sua vez, a Trafigura, entre 2004 e 2015, realizou negócios com a Petrobras, em valor superior a US$ 9 bilhões, também com foco em operações de compra e venda de petróleo e derivados.

Contratos – Para o procurador Marcelo Ribeiro de Oliveira, a Lava Jato está reforçando investigações relacionadas a contratos de compra e venda de derivados entre a estatal e as tradings.

“Há indicativos de que, nesse mercado, era praxe o pagamento de valores ilícitos por essas grandes empresas a funcionários públicos da estatal para obtenção de informações privilegiadas entre outras vantagens competitivas. Investigados e empresas estão procurando o MPF com o intuito de colaborarem, com a entrega de subsídios que permitem a expansão das investigações em relação a diversos temas da área fim da Petrobras”, disse o procurador, conforme a nota.

O procurador da República Athayde Ribeiro Costa, por sua vez, afirmou também em nota que as principais revelações na Lava Jato até o momento eram voltadas a crimes relacionados à construção de refinarias, área-meio da Petrobras.

“Agora, as investigações indicam que esquemas de corrupção de valores milionários também se instalaram nos negócios relativos à área-fim da estatal, compreendendo atividades rotineiras, como a comercialização de petróleo e derivados. A coleta de evidências contribui na responsabilização de integrantes da cúpula da Trafigura e da Vitol, de seus intermediários e de funcionários públicos lotados em diferentes gerências da área de comercialização da estatal”, avaliou. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!