COTAÇÃO DE 26/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,7610

VENDA: R$4,7610

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8500

VENDA: R$4,9530

EURO

COMPRA: R$5,1433

VENDA: R$5,1459

OURO NY

U$1.850,86

OURO BM&F (g)

R$284,80 (g)

BOVESPA

+1,18

POUPANÇA

0,6719%

OFERECIMENTO

Negócios

Alimentação detém 22% do mercado

COMPARTILHE

Tradicionalmente o franchising é um modelo que se presta com sucesso ao setor de alimentação. Em Minas Gerais, 22% das unidades franqueadas, segundo levantamento da Associação Brasileira de Franchising (ABF), pertencem ao setor de alimentação.

Entre essas unidades, o segmento de alimentação saudável é um dos que mais cresce. A rede Mr. Fit, com mais de 300 operações no Brasil, nos últimos 15 dias inaugurou unidades em Minas: uma em Barbacena, no Campo das Vertentes, e outra em Belo Horizonte, no Buritis (região Oeste).

PUBLICIDADE




De acordo com a fundadora da Mr. Fit, Camila Miglhorini, são 11 unidades no Estado. Já estão em obras unidades nas cidades de: Uberlândia, no Triângulo; Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH); e Poços de Caldas, no Sul de Minas. A previsão é de que 15 sejam inauguradas em solo mineiro até o fim do ano.

“Para passar pela crise fizemos algumas adaptações. Percebi em 2013 e 2014 que os investimentos em franquias de alimentação tinham valores muito altos, em torno de R$ 200 mil. Criamos então diferentes modelos com valores mais enxutos. Muita gente nesse período perdeu o emprego e quer empreender, mas ainda está inseguro. Muitas vezes é o dinheiro economizado em toda uma vida e ela precisa de um modelo mais compacto para investir com segurança”, explica Camila Miglhorini.

A rede oferece sete modelos de negócios: Mr. Fit Shopping (R$ 164 mil), Gourmet Fit (R$ 99 mil), Tradicional Mr. Fit (R$ 59 mil), Mr. Fit Quiosque (R$ 68 mil), Mr. Fit Café (R$ 49 mil), delivery (R$ 39 mil) e microfranquia (R$12 mil). As unidades podem ser instaladas em pontos de rua, aeroportos, prédios e galerias comerciais, hipermercados, hospitais, postos de combustíveis, academias, clubes e store in store.

Além de empreendedores cada vez mais interessados pelo segmento, a franqueadora encontrou um público também cada vez mais bem informado e demandando por novos produtos. O problema é que a crise acabou diminuindo o poder de compra da população. Junto a isso, o mito de que a alimentação saudável é cara poderia ser um problema para a expansão.

PUBLICIDADE




“O preço era sim, um problema. Mesmo pessoas muito bem formadas ainda estão enfrentando o desemprego ou com salários muito baixos. Então cobrar R$ 40 por um prato passou a ser inviável em muitos casos. Também foi hora de usar a criatividade. Como uma rede de alimentação saudável, trabalhamos com fornecedores locais, então essa já é uma diminuição de custos com a logística. Os sucos, por exemplo, são de frutas da estação. Essa é uma estratégia também para o futuro. Quando a economia retomar o crescimento, essas pessoas que vieram primeiro pela questão do preço estarão fidelizadas pela qualidade”, analisa a fundadora da Mr. Fit.

O uso de insumos locais também ajuda na regionalização dos cardápios. Em um país do tamanho e com as diferenças regionais como o Brasil, essa é uma estratégia importante. Esse tipo de informação vem dos franqueados que tem como um dos critérios de escolha morar na cidade em que pretende montar a primeira unidade.

Em Minas Gerais, o feijão-preto foi substituído pelo feijão carioquinha e o lombo foi incluído como uma opção de carne. “Na Bahia, por exemplo, temos pratos com camarão, que não existem em Minas. Isso é ouvir o consumidor e só pode ser feito através dos franqueados. Uma das características do sistema de franchising é justamente ter um sócio na ponta, que entende as características do mercado local e é capaz de propor soluções mais assertivas. Por isso não buscamos apenas investidores, mas quem possa se dedicar à operação de perto. Depois quando essa parceria já está fortalecida, com mais unidades é possível aumentar a distância”, destaca a empresária.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!