A Valônia (foto) é uma das três regiões e uma das entidades federadas da Bélgica, situada no sul do país e tem como línguas oficiais o francês e o alemão - Crédito: Arquivo DC

O governo da região da Valônia, na Bélgica, promoveu ontem, na sede da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), no hipercentro, o Encontro Empresarial – Voluntários Belgas em Belo Horizonte. O intuito foi apresentar o programa coordenado pelo Emploi Formation Wallonie (Le Forem), equivalente ao Ministério do Trabalho do país europeu, que indica jovens recém-formados para trabalho voluntário nos países do bloco Brics (Brasil, Rússia, Índia, África do Sul e China).

Até agora, cerca de 40 empresas de Belo Horizonte já receberam esses voluntários. De acordo com o responsável pelo programa no Brasil, Nicolas Crutzen, os candidatos são escolhidos pelo governo belga de acordo com os interesses do país e, a partir disso, o seu papel é achar a cidade e a empresa que mais se identificam com esse perfil e tenha a possibilidade de aproveitar a experiência de maneira mais assertiva. Os voluntários ficam no Brasil por três meses, bancados integralmente pelo governo belga.

“O candidato passa por um processo seletivo onde se apresenta – do ponto de vista técnico – e porque essa experiência é importante para a sua formação profissional. A partir da sua aprovação, buscamos o lugar ideal para ele no Brasil. Não é um trabalho fácil fazer essa união de interesses porque ela precisa ser genuína. A experiência mostra que não adianta forçar a presença de uma pessoa em um determinado lugar”, explica Crutzen.

A Valônia é uma das três regiões e uma das entidades federadas da Bélgica, situada no sul do país e tem como línguas oficiais o francês e o alemão. A região foi administrativamente criada em 1980, simultaneamente com a região de Flandres, tendo como capital a cidade de Namur e capital econômica, Liège.

O programa tem como parceira a PBH, através da Diretoria de Relações Internacionais da Prefeitura. Segundo o responsável pelo programa de Voluntários Internacionais, Bruno Starling, desde 2011 o programa municipal já recebeu 159 voluntários, de 27 países diferentes. Eles já trabalharam em 25 órgãos da PBH.

“Desde 2017, quando essa parceria começou, já foram sete voluntários belgas. Esses jovens, ao conhecerem a cidade e as empresas, se tornam embaixadores de Belo Horizonte. Isso é muito importante para o processo de internacionalização da Capital, na atração de turistas e investimentos. Mostramos, assim, que o Brasil é muito mais que Rio de Janeiro e São Paulo e que existem muitas oportunidades nessa troca de conhecimentos e interesses”, destaca Starling.

Para o diretor da agência de comunicação e marketing, Plan B – empresa que já recebeu três voluntários – Clécio Wanis, além de toda a capacidade técnica dos voluntários que pode ser aproveitada pela empresa, é a capacidade de dialogar o maior benefício adquirido pelas empresas brasileiras participantes.

“Trabalhamos com profissionais de vários lugares do mundo e os belgas chegam aqui com muito entusiasmo. Como já são jovens formados, eles têm uma capacidade de trabalho muito grande. Eu queria chamar a atenção para o aspecto humano. Quando recebemos um estrangeiro nos abrimos para o mundo e aumentamos o nosso respeito pela diversidade”, pontua Wanis.

Empresas e prefeituras interessadas em estabelecer parceria podem procurar o responsável pelo programa através do e-mail: [email protected]