COTAÇÃO DE 17/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2820

VENDA: R$5,2820

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3100

VENDA: R$5,4500

EURO

COMPRA: R$6,2293

VENDA: R$6,2322

OURO NY

U$1.754,86

OURO BM&F (g)

R$298,96 (g)

BOVESPA

-2,07

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios

Cedro Têxtil retoma níveis pré-crise

COMPARTILHE

Durante o ápice da pandemia da Covid-19, a Cedro suspendeu 70% da produção | Crédito: Divulgação
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

Prestes a completar 150 anos de fundação, a Cedro Têxtil, maior empresa do segmento em Minas Gerais, pode dizer que atravessou mais um cenário desafiador com sucesso.

É que após vivenciar e sobreviver a diferentes momentos históricos, econômicos e políticos desde 1872, a empresa superou também os percalços impostos pela pandemia de Covid-19. Cerca de 70% da produção chegou a ficar suspensa no período mais crítico da doença no País, no ano passado, mas agora já retornou aos patamares pré-crise.

PUBLICIDADE

Quem conta é o presidente da companhia, Marco Antônio Branquinho. Segundo ele, com a chegada da doença ao Brasil e as limitações impostas como forma de diminuir a disseminação do vírus, bem como a inevitável queda na demanda, a empresa conseguiu manter a capacidade de se reinventar e seguiu oferecendo as linhas workwear, jeanswear e lounge, adequando a produção de acordo com os pedidos.

“As linhas workwear destinadas à área de saúde foram mantidas, mas o restante, especialmente as de moda, foram bastante prejudicadas. Com esse movimento, o segmento de uniformes passou a ter maior relevância dentro do nosso portfólio e a empresa se tornou líder nacional do setor. A Cedro já possuía expertise neste mercado, o que nos permitiu um salto significativo no share”, comenta.

Mas as linhas de moda não ficaram para trás. No mês passado, quando completou 149 anos, a Cedro inaugurou um novo showroom, desta vez, virtual, voltado para vendas B2B. Além disso, em maio último, a companhia apresentou sua primeira coleção pós-pandemia, a Sentidos, em parceria com a Lycra.

A demanda está interessante, talvez ainda abaixo do que seria ideal, mas bem acima do que registramos no ano passado. Desde o início de 2021 seguimos operando em ritmo quase normal, utilizando acima de 90% de nossa capacidade produtiva. Ainda temos algumas preocupações em relação a eventuais fechamentos devido a possíveis aumentos dos índices da Covid, mas estamos confiantes”, diz.

O câmbio nunca esteve tão favorável, analisa Branquinho | Crédito: Dener Sapper

Conforme o executivo, embora o consumo amplo do mercado têxtil ainda não esteja nos patamares adequados, alguns elementos estão ajudando nessa retomada, além da demanda reprimida para alguns segmentos. O câmbio é um deles.

A indústria como um todo não teve, nos últimos 15 anos, um câmbio tão favorável. Sempre convivendo com dificuldades especialmente na exportação em função da baixa competitividade. A valorização do dólar ajudou a nivelar a competição, apesar de ter elevado os custos na mesma medida, ainda somado à valorização das commodities. Mas já estamos vendo uma acomodação”, avalia.

Branquinho chama atenção para os resultados do segundo trimestre. Conforme ele, mesmo levando em consideração a base fraca de comparação, o período exibiu números bastante representativos da recuperação da companhia. Para se ter uma ideia, a Receita Bruta avançou 162,2%, o Lucro Bruto, 166,7% e o Ebitda recorrente, 222,0%. Além disso, houve reversão de prejuízo de quase R$ 30 milhões para lucro de aproximadamente R$ 2 milhões – com isso, a Cedro comemora três trimestres consecutivos de lucro líquido positivo.

Por fim, a Receita Bruta de Vendas (RBV), ao atingir R$ 259,5 milhões no segundo trimestre de 2021, alcançou R$ 946,2 milhões no acumulado de 12 meses. Na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, a RBV foi 162,2% superior. De acordo com a companhia, dois terços do crescimento foi devido ao volume de vendas e um terço em função do aumento dos preços. No primeiro semestre, a participação das exportações foi de 7,3% do total, variação 2,8 pontos percentuais superior à do primeiro semestre de 2020.

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!