Até o último amanhecer

A pequena caixinha de estanho e os prestigiados salões de bailes de Londres não são novidades para os leitores de Aline Galeote. A rica e extensa pesquisa sobre os costumes da Inglaterra no século XIX é um dos diferenciais na produção da escritora. O lançamento “Até o Último Amanhecer” mescla ficção e realidade ao abordar fatos históricos com o romance de Olivia Chadwick, protagonista da obra.

Prestes a ser apresentada aos olhares críticos da sociedade londrina, tudo o que Olivia mais deseja é aproveitar o que resta de sua liberdade. Quando encontra Simon Northan, tudo parece caminhar para um agradável cortejo entre os dois…mas não é o que acontece. Um inesperado escândalo envolvendo a família do marquês se transforma no assunto mais comentado da sociedade.

Em uma sequência de trágicos acontecimentos, Olivia é separada do homem que seu coração escolheu amar. Sete anos depois, o destino os coloca frente a frente para um delicado e dolorido acerto de contas com o passado. É possível que esse amor tenha sobrevivido a tantas mentiras, traições e desencontros?

Além do contexto histórico, a profundidade da trama e dos personagens é também o que enriquece a literatura de Aline Galeote. Os traumas da guerra, luto, perdão e a redenção de personagens são elementos que diferenciam a obra de outros romances de época. (Até o Último Amanhecer, Aline Galeote, 502 páginas, R$ 8,99 – link de venda do e-book)

Minutos de reflexão

Os grandes dilemas da existência humana são os protagonistas da obra “Minutos de Reflexão”, escrita pelo professor de Filosofia Fábio Gabriel. São 63 abordagens dentro de nove capítulos que instigam o leitor a refletir sobre o seu projeto de vida e, assim, priorizar a consolidação de uma sociedade mais solidária e apaixonada.

Fundamentado por filósofos como Bauman, Platão e Kant, Fábio tematiza com simplicidade os grandes dilemas da vida humana e oferece ao leitor uma reflexão acerca da importância de pensar sobre o sentido da vida.

O primeiro passo rumo a um novo sentido à existência, segundo a obra, é perdoar e amar a si mesmo. Além disso, o professor destaca o respeito pelo outro como fundamento de uma nova ética para uma nova sociedade. (Minutos de Reflexão, Fábio Gabriel, Editora La Fonte, 80 páginas, R$ 29,90 – link de venda do e-book)

Se pudesse contar as estrelas

Para onde vai quem nunca nasceu? Foi ao imaginar um universo alternativo para as almas perdidas que a premiada escritora Becca Mackenzie escreveu a obra “Se Pudesse Contar as Estrelas”. Disponível gratuitamente no Wattpad, a produção é destaque na plataforma com mais de 840 mil leituras. Eleita pelos embaixadores do Wattpad uma das melhores histórias de 2019, a leitura inicia com pura emoção: Alison, personagem principal, desperta na Lagoa da Vida com nove anos de idade, sem memória alguma.

É isso que acontece com todas as crianças que chegam à Terra do Nunca, realidade criada pela autora inspirada no mundo de Peter Pan. Ao ser levada para a Escola Bellatrix para compreender o que está acontecendo, Alison precisa encarar a realidade e também o seu futuro. Acompanhado pela personalidade questionadora e decidida da protagonista, o leitor descobre capítulo a capítulo cada desafio a ser enfrentado por Alison.

Conforme avança de idade, mais detalhes da Terra do Nunca são revelados à jovem menina e aos curiosos de plantão. Destinada para quem também está disposto à emoção, Se Pudesse Contar as Estrelas fala sobre vida, segunda chance, amizade e crescimento pessoal. Verdadeira inspiração para uma realidade mais empática e acolhedora. (Se Pudesse Contar as Estrelas, Becca Mackenzie, link para leitura)

Travessia perene

A poesia da carioca Hannah Cavalcanti é marcada pela crítica social. Junto ao contexto sócio-político, as inquietações existenciais da escritora sacodem o leitor e o convoca à construção de um novo mundo. Em “Travessia Perene”, Hannah revela um estilo marcante e denso de referências ao misturar espiritualidade e política social sem embaraços.

O ritmo é surpreendente entre os mais variados temas. Viabilizado em 2018 pelo extinto Ministério da Cultura e lançado pela Editora Multifoco, “Travessia Perene” é, por si só, o registro das transformações políticas brasileiras que impactam a cultura da nação: em um gesto heroico, funcionários do departamento do livro conseguiram depositar a premiação para a escritora 15 dias antes da mudança presidencial.

Ao contrário, com extinção do ministério, Hannah nunca teria recebido o prêmio. Destinada ao brasileiro que vê na arte uma ferramenta de expressão a favor da liberdade, “Travessia Perene” é instrumento de luta para o brasileiro engajado contra à repressão da cultura brasileira. (Travessia Perene, Hannah Cavalcanti, Editora Multifoco, 68 páginas, R$ 37- link de venda)