Como indivíduos e nações bem-sucedidas se recuperam das crises

A abordagem e a análise originais fizeram do geógrafo americano Jared Diamond um dos maiores nomes do pensamento contemporâneo. Em seu novo livro Reviravolta: Como indivíduos e nações bem-sucedidas se recuperam das crises / Upheaval: turning points for nations in crisis, o professor da Universidade da Califórnia estabelece um instigante paralelo entre nações e indivíduos em crise.

Dessa forma, a leitura de seu novo livro é altamente recomendável tanto para quem está em busca de desenvolvimento pessoal quanto para pesquisadores, gestores e demais desenvolvedores de políticas públicas. Diamond estuda o caso específico de sete países com os quais têm mais afinidade – Finlândia, Japão, Chile, Indonésia, Alemanha, Austrália e Estados Unidos – e que conseguiram superar momentos desafiadores para pensar o futuro da humanidade como um todo. (Reviravolta: Como indivíduos e nações bem-sucedidas se recuperam das crises / Upheaval: turning points for nations in crisis, Jared Diamond, tradução de Alessandra Bonrruquer, Editora Record, 504 páginas, R$ 69,90)

Capitalismo na América: Uma história

O economista Alan Greenspan, o segundo mais longevo dirigente da autoridade monetária dos Estados Unidos, o Federal Reserv Bank, se propôs a uma tarefa grandiosa depois que se aposentou do cargo que ocupou por quase duas décadas: escrever a história do sistema capitalista em seu país.

O resultado está em Capitalismo na América: Uma história, escrito em parceria com o jornalista e histioriador inglês Adrian Wooldridge, editor da revista “The Economist”. Com uma riqueza de dados estatísticos sobre a evolução econômica através dos séculos e uma galeria de personagens históricos, a obra rapidamente foi rapidamente alçada à condição de referência para estudantes, economistas e historiadores. O conceito que norteia a análise crítica é o da “destruição criativa”, cunhado por Joseph Schumpter.

É a partir desta perspectiva que a dupla de autores traça um riquíssimo panorama desde os tempos coloniais, passando pela virada do século XIX para o XX até chegar aos dias de hoje com uma reflexão sobre o antagonismo chinês. Para o público brasileiro, Capitalismo na América: Uma história se apresenta como matéria-prima valiosa para um estudo comparativo com o próprio Brasil e também para analistas que acompanham a corrida eleitoral dos Estados Unidos, no momento em que são realizadas as convenções do Partido Democrata. (Capitalismo na América: Uma história / Capitalism in America: A History, Alan Greenspan e Adrian Wooldridge, tradução de Catharina Pinheiro, Editora Record, 518 páginas, R$ 53)

Liderança em tempos de crise

Os líderes já nascem prontos ou tornam-se líderes? De onde vem a ambição? Como a adversidade afeta o crescimento da liderança? O líder faz os tempos ou os tempos fazem o líder? Liderança em tempos de crise é o resultado de cinco décadas de estudo sobre a história presidencial norte-americana.

A vencedora do Pulitzer Doris Kearns Goodwin escolheu quatro presidentes que analisou de forma mais atenta – Abraham Lincoln, Theodore Roosevelt, Franklin D. Roosevelt e Lyndon B. Johnson – para mostrar como eles reconheceram suas próprias qualidades de liderança e foram identificados como líderes pelos outros.

Apesar das diferenças de contexto, habilidades e temperamentos, estes homens compartilhavam uma ambição e resiliência determinantes, que lhes permitiram superar as dificuldades mais incomuns. (Liderança em tempos de crise / Leadership in turbulent times, Doris Kearns Goodwin, tradução de Alessandra Bonrruquer, Editora Record, 560 páginas, R$ 84,90)

E quando o circo pega fogo…quem ganha é a literatura!

Narizalda e Narizelda não se conhecem. Moram em cidades diferentes, têm personalidades distintas e não sabem da existência uma da outra. O que as aproxima é uma característica em comum: a ponta do nariz vermelhinha, motivo pelo qual receberam esses nomes. Elas são as personagens principais da obra “Narizalda e Narizelda”, escrita pela orientadora educacional carioca Lêda Maya.

Voltado ao público infanto-juvenil, o livro é narrado pelo alegre e divertido Pipoca. Com o mantra “Eu posso esperar. Eu posso esperar. Tenho todo o tempo do mundo”, ele aguarda o melhor momento para revelar a ligação especial entre as personagens. Uma história divertida, alegre e emocionante para ser lida independentemente da idade. (Narizalda e Narizelda, Lêda Maya 192 páginas, R$ 17)

Amor e independência

Sinhazinha, dama de companhia, baronesa… essas e outras denominações tradicionais do Brasil Imperial situam a narrativa de Contumélia, produção de Lilian Peixe. Além da independência do seu País, Inês luta pela liberdade do seu futuro. Em meio a situações difíceis que decidirão o rumo de sua vida, a protagonista se vê obrigada a casar com um homem pelo qual não está apaixonada.

Indecisa sobre como escapar dessa união imposta por sua madrinha, Dona Constância, a jovem é surpreendida por uma viagem repleta de aventuras enigmáticas que prometem mudar para sempre o seu destino e o de sua melhor amiga, Teresa. Contumélia é narrada em primeira pessoa a partir da perspectiva de três personagens centrais: Inês; Teresa, sua melhor amiga; e André, o misterioso rapaz. (Contumélia, Lilian Cristina Peixe, 248 páginas, e-book)

De onde vem a sombra que te persegue?

Vazio da Forma é uma homenagem literária a tudo que destruiu o senso de realidade do fotógrafo, cinematógrafo e escritor Andrew de Oliveira. Narrado em primeira pessoa, o lançamento é focado na psique do protagonista Frey, um talentoso pintor assombrado por uma entidade chamada A – que nada mais é que a depressão do protagonista representada como personagem, com consciência e capaz de tomar forma de traumas e vícios.

Ao mesmo tempo em que encara a dor do desaparecimento de sua filha, Frey imerge em memórias do passado, verdadeiros traumas nunca enfrentados e superados. A ausência de Lírio fragiliza seu casamento: entregue ao vício alcoólico, Jacinto, seu marido, também revela dores e realidades nunca antes discutidas entre o casal. (Vazio da Forma, Andrew de Oliveira, Skull Editora, 230 páginas, R$ 33,92)