COTAÇÃO DE 23/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8040

VENDA: R$4,8050

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8800

VENDA: R$4,9820

EURO

COMPRA: R$5,1166

VENDA: R$5,1182

OURO NY

U$1.853,34`��

OURO BM&F (g)

R$285,51 (g)

BOVESPA

+1,71

POUPANÇA

0,6084%

OFERECIMENTO

Negócios

DC LIVROS | 12/09

COMPARTILHE

Empreendedorismo social

Com o propósito de oferecer uma ferramenta para a construção prática de pilares essenciais a um negócio com impacto positivo para a sociedade, respeitando um modelo sustentável e duradouro, Anne Wilians baseou-se em sua experiência à frente do Instituto Nelson Wilians, além de pesquisar e ouvir diversos especialistas do setor 2.5, para produzir o livro Empreendedorismo Social Feminino.

Publicado pela editora Expressa, o livro faz parte da série Mulheres Fora de Série.

PUBLICIDADE




O empreendedorismo social feminino ainda é pouco explorado em nosso País. “Para dar bons resultados, a ideia precisa ser bem definida e trazer algo de inusitado, ir ao encontro do que o mercado está apto a absorver”, explica Anne Wilians.

“Longe de ser uma tela em branco com oportunidades iguais para homens e mulheres, este universo é repleto de muitos matizes que podem significar obstáculos mais dificultosos para nós, mulheres, transpormos.”
Com exemplos de cases de sucesso e dicas práticas, a obra estabelece um diálogo motivacional e abre novas perspectivas para mulheres que querem ser empreendedoras sociais ou para quem simplesmente quer entender esse mundo, que surge como uma nova força capaz de mudar a realidade de milhões de mulheres.

“Meu propósito com esta obra não é trazer um trabalho acadêmico nem esgotar o assunto, mas, sim, lançar luzes sobre o tema, orientando estratégias e ações possíveis neste novo viés da economia brasileira: o chamado setor 2.5, aquele situado entre as empresas que visam sustentabilidade econômica e as organizações da sociedade civil sem fins lucrativos”, acrescenta Anne Wilians. “Sim, negócios que fazem o bem são possíveis, sustentáveis e com possibilidade de serem rentáveis.”

O e-book é um passo entre sonho e realização. “A disseminação e o fomento das empresas de impacto social no Brasil caminham a passos largos e as mulheres estão se sobressaindo neste espaço. Minha certeza é a de que a mulher tem propensão a empreender, e de uma forma diferente dos homens, com seu olhar de que tanto necessita a nossa sociedade.”

Honorários advocatícios

PUBLICIDADE




Advogada e docente cuiabana, Wellen Candido Lopes levanta uma bandeira que vai além das fronteiras do Mato Grosso e pretende mobilizar os profissionais do Direito de todo o País. Com base em um dispositivo legal, previsto no Código de Processo Civil, ela defende o pagamento integral de honorários nos casos de sucumbência recíproca.

Os argumentos são apresentados na obra Honorários 100% – A integralidade dos honorários advocatícios na sucumbência recíproca, publicado pela Lura Editorial. Para mobilizar a categoria, a autora criou uma campanha em um site próprio com textos e vídeos sobre o tema. Nele, estudantes de Direito e advogados também podem acessar e baixar gratuitamente o eBook do livro.

Segundo Wellen Lopes, os juízes vêm mantendo o rateamento dos honorários nas decisões judiciais de sucumbência recíproca, que ocorrem quando autor e réu ganham e perdem a causa, a um só tempo. Ela explica que pelo artigo 21 Código de Processo Civil de 1973 era assim, mas isso mudou em 2015 com o novo CPC, que prevê – no caput do artigo 86 – a divisão entre autor e réu somente das despesas, sem fazer referência aos honorários.

“O assunto é de enorme valor apelativo, pois honorários são a fonte de renda do advogado. É sua verba remuneratória e, portanto, o advogado precisa compreender que está perdendo sua renda ao aceitar passivamente o rateio de seus honorários advocatícios”, comenta Wellen Lopes.

Para romper com o velho paradigma, a autora se apoia na hermenêutica, a ciência responsável pela interpretação dos textos. Por isso, no livro ela trata a abordagem como um insight, ao questionar o valor semântico na aplicabilidade do artigo 86. A estagnação jurídica, afirma, é um dos problemas a serem superados diante da dinâmica do Direito.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!