COTAÇÃO DE 25/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8200

VENDA: R$4,8210

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8900

VENDA: R$5,0160

EURO

COMPRA: R$5,1520

VENDA: R$5,1546

OURO NY

U$1.853,68

OURO BM&F (g)

R$287,13 (g)

BOVESPA

-0,98

POUPANÇA

0,6724%

OFERECIMENTO

Negócios

Edital de R$ 40 mi busca novas soluções

COMPARTILHE

Na busca por novas soluções que estejam alinhadas à realidade da indústria 4.0, a Cemig lançou, no fim do ano passado, um edital para selecionar projetos para o Programa de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico Cemig – Aneel 2018. O programa recebeu propostas de 129 projetos e selecionou sete que receberão, ao todo, R$ 40 milhões de investimento.

De acordo com o Diretor de Relações Institucionais e Comunicação da Cemig, Thiago de Azevedo Camargo, o edital faz parte do programa nacional da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que exige que as concessionárias de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica destinem para a pesquisa e desenvolvimento um percentual de sua receita operacional líquida.

PUBLICIDADE




Segundo ele, até 2017 esse recurso era repassado a dezenas de projetos, mas sem uma lógica norteadora. Com o Plano Estratégico de Inovação de Tecnologia Digital Cemig 4.0 idealizado em 2018, o destino desses recursos ganhou uma lógica a partir do conceito dos três Ds: digitalização, descentralização e descarbonização.

De acordo com o superintendente de Tecnologia, Inovação e Eficiência Energética da Cemig, Carlos Renato França Maciel, o primeiro edital foi direcionado, principalmente, para os projetos de digitalização. As soluções selecionadas estão ligadas à eficiência operacional e ao atendimento ao cliente e são propostas por universidades, centros de pesquisa e empresas de Minas Gerais e de outros estados. O desenvolvimento dos sete projetos se iniciou em janeiro deste ano e a entrega dos resultados acontece em até 24 meses.

O gerente de Inovação Tecnológica e Alternativas Energéticas, Frederico Ribas, explica que modelo adotado pela Cemig para esses projetos são de propriedade mútua. Isso quer dizer que as instituições e empresas envolvidas entram com recursos financeiros e de pessoal e, durante o projeto, há um rateio dos resultados advindos da propriedade intelectual. “Nós adotamos o modelo de inovação aberta que consiste em escutar as necessidades internas da Cemig, olhar para onde mundo está caminhando, sondar o ecossistema de inovação e aglutinar os melhores atores em prol de soluções”, afirma.

De acordo com ele, novos editais que contemplam os demais “Ds” e macroações já estão previstos para os próximos anos. Entre os assuntos que devem entrar nas próximas seleções estão mobilidade elétrica e microgrids.

PUBLICIDADE




Ribas também destaca outros projetos realizados pela Cemig nos últimos anos e que contemplam a estratégia da digitalização, descentralização e descarbonização. Um deles é a usina fotovoltaica flutuante a ser instalada no reservatório da Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Santa Marta, em Grão Mogol, no Norte de Minas. No local, serão instalados 7 mil painéis de células fotovoltaicas com capacidade para produzir até 1,2 MW (megawatt).

“Desde 1999, o PeD da Cemig trabalha com o tema ‘energias alternativas’, pensando em descarbonização e descentralização. Digitalização é mais recente, quando pensamos em novas tecnologias como inteligência artificial, mas nossos centros de operação são digitalizados há muito tempo”, frisa.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!