DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1220

VENDA: R$5,1230

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1430

VENDA: R$5,2800

EURO

COMPRA: R$6,1922

VENDA: R$6,1950

OURO NY

U$1.876,87

OURO BM&F (g)

R$309,26 (g)

BOVESPA

+0,13

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios

ENTREVISTA | Escolas de negócios podem legitimar nova mentalidade corporativa e empresarial

COMPARTILHE

Crédito: Nelio Rodrigues/FTV

Na definição dos dicionários, de maneira geral, no que diz respeito à economia, a palavra lucro significa “ganho auferido durante uma operação comercial ou no exercício de uma atividade econômica”. Esse conceito não avalia a sua importância, mas, é claro, que as empresas não sobrevivem sem ele.

O século 21, porém, trouxe novas questões, como o papel social das empresas e a responsabilidade delas na construção de um futuro mais justo para todos. A eclosão mundial da Covid-19 nos primeiros meses do ano passado, fez com que essas discussões se tornassem ainda mais urgentes e frequentes. Nesse cenário, as escolas de negócios podem ter um papel efetivo na transformação e instrumentalização de uma nova mentalidade corporativa e empresarial.

PUBLICIDADE

A responsabilidade das escolas de negócios e a abertura desses templos do conhecimento para perfis diversos de empreendedores é o tema dessa conversa com o professor Emerson de Almeida. Ele é cofundador e presidente da Diretoria Estatutária da Fundação Dom Cabral (FDC), considerada top 10 entre as escolas de negócios do mundo. A FDC tem sede em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).

Professor, estamos enfrentando a maior crise humanitária e econômica verdadeiramente global dos últimos 100 anos. Muitos paradigmas têm desmoronado, entre eles, talvez, o do grande empresário, do gestor que tudo sabe e controla com mãos de ferro o caminho da empresa. Isso é verdade? Em que medida a pandemia modifica a mentalidade empresarial no Brasil e no Mundo?

Apesar de poderosos e com riqueza material, os empresários são seres humanos. Eles têm família, têm medo da doença e também sofrem. Estão enfrentando uma onda adicional ao que já estavam vivendo. Estamos em um turbilhão de mudanças com a economia digital. Conhecendo a Inteligência Artificial. Temos agora a realidade do trabalho remoto, da educação remota. A FDC, por exemplo, levou 95% dos seus programas para o on-line, em um esforço extraordinário. O comércio remoto segue crescendo extraordinariamente. Estamos preocupados com a segurança digital. Há uma combinação muito grande entre gestão e tecnologia. O empreendedor, resiliente, enfrenta e acaba superando esses desafios.

Em um País como o nosso, a situação fica desesperadora para a população. Tem alguns dados que eu gostaria de citar: no Brasil são 14 milhões de desempregados e outro tanto próximo de pessoas que desistiram de procurar trabalho. Metade dos brasileiros, segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), viveu, em 2019, apenas com R$ 438 por mês. A fome talvez seja a face mais visível dessa realidade. O IBGE a classifica em três níveis: leve, moderada e grave. Quando a grave chega, temos falta de alimentos total, sendo o Brasil um dos países que mais produz e exporta alimentos no Mundo. 74 milhões de brasileiros não têm água encanada e nem coleta de esgoto. Isso é mais do que a população da França. São problemas que as escolas de gestão têm que se implicar. A empresa só vai bem na medida em que a coletividade vai bem. É do interesse dos empresários que haja melhor distribuição de renda.

Mas o empresário ainda é muito imediatista. Alguns enxergam isso, mas é a minoria. Se enxergassem, o lucro de curto prazo não seria o principal objetivo. O lucro é importante, mas não é tudo. Pouco a pouco notamos que há um movimento para mudar essa visão da empresa. Em 2019, as 181 maiores empresas americanas lançaram um manifesto público enfatizando o novo propósito corporativo que enfatiza a criação de valor para a sociedade, desmistificando a tese do Friedman, da Escola de Chicago – onde o nosso ministro da economia estudou -, que falava que o lucro era o único objetivo.

O senhor diz que, até aqui, as escolas de negócios, de forma geral, são elitistas e formaram CEOs focados só em resultados financeiros e econômicos, o que contribuiu para fomentar desigualdades. É hora das Business Schools fazerem um mea culpa?

Vejo uma evolução. De certa forma, as escolas estão revisando seus currículos, propósitos e missão, especialmente nos momentos em que surgiram críticas fortes. Não é uma mea culpa, cada uma tem um estilo, sua maneira. A velocidade e direção, cabe a cada escola examinar seu ambiente e fazer os ajustes. Em 2008/09 elas foram acusadas de provocar a crise porque ensinavam nos seus MBAs que o lucro era o que importava e os bancos contratam os melhores alunos desses cursos. Naquela época, a quebradeira provocou o suicídio de cerca de 10 mil pessoas nos EUA e na Europa. Isso é um dado científico. E as escolas se assustaram com isso e começaram um movimento de mudança nos currículos. Lá na FDC foi criado o Centro Social Cardeal Dom Serafim, exclusivamente para atender pessoas de baixa renda e instituições sociais. Dentro desses programas temos o “Pra Frente”, apoiado pelo fundador da construtora Cyrela, Elie Horn. Ele apoia financeiramente a capacitação de pessoas em situação de vulnerabilidade social para abrir o seu negócio. Começamos em Belo Horizonte e São Paulo e agora estamos levando o projeto para vários estados brasileiros.

Um novo conceito vem ganhando espaço na literatura corporativa, o chamado “empresário estadista”, que o senhor resume como “empresário consciente”. Em que medida esse empresário, que tem um olhar mais amplo sobre o próprio papel e o papel social da empresa, pode influenciar os próprios resultados financeiros e a economia como um todo?

O posicionamento da empresa mais comunitária e preocupada, se ocupando do desenvolvimento do local em que atua, reforça o resultado da empresa. Esse posicionamento melhora a economia como um todo na medida em que elas agem de maneira mais ativa, proporcionando abertura de outros negócios e  ampliam os seus próprios negócios. Convém lembrar que  essa questão de influenciar o resultado financeiro e da economia tem outras variáveis como evolução tecnológica, inventividade, inovação etc. 

Relembro os países da Escandinávia, que têm empresas sadias, possuem IDH e renda per capita mais elevados, onde as empresas geralmente possuem um olhar mais macro do que empresas de outros países. A evolução da sociedade indica que só devem sobreviver no futuro as empresas que ela, a sociedade, considerar que são legítimas.

O empresário estadista é aquele que tem uma visão da empresa além do simples negócio. Aqui em Minas temos a MRV, que não é perfeita, mas o Rubens Menin é uma pessoa que enxerga propósitos além do lucro. Ele tem uma prática de promover a melhoria do entorno dos conjuntos residenciais que ergue. Temos a Natura, que é um exemplo mundial de sustentabilidade por princípio. Ela deixou de fazer o programa de desenvolvimento dos seus executivos para levá-los para a Amazônia para que cada um possa ver a realidade lá. Ao fazer isso, o empresário consciente ganha mais lá na frente.

Temos um programa na FDC: o CEOs Legacy. São mais de 20 CEOs e presidentes que trabalham para deixar um legado, um bem para a sociedade. Cada um tem o seu tema, é muito interessante. Veio dar uma palestra para esse grupo o presidente da Fifco, Ramón Mediola (A Fifco – Florida Ice and Farm Company S.A – é uma empresa costarriquenha de alimentos e bebidas que possui um catálogo de mais de 2000 produtos, vendidos em mais de 15 países). Ele é um desses empresários estadistas. Com base em uma pesquisa da Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe ou Comissão Econômica para a América Latina e Caribe), o governo leva 10 anos para tirar uma pessoa da situação de pobreza, já uma empresa, três anos. Ele mandava os gerentes na casa dos funcionários para ensinar a eles como cuidar das finanças. Foi uma fala muito impactante.

Agora talvez não seja possível pelas regras de distanciamento social como medida de combate à Covid-19 e a adoção da educação remota. Mas o senhor vê, em um futuro não tão distante, os grandes CEOs que se formam na Fundação Dom Cabral e os pequenos empreendedores locais, empreendedores individuais frequentando os mesmos espaços da FDC e trocando experiências?

A comunidade germina o desenvolvimento, o empresariamento. O empreendedorismo é função do contágio social. Ter um meio ambiente que provoca a pessoa a ser um empreendedor. A mentalidade é uma construção. E nós cremos nessa possibilidade.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!