COTAÇÃO DE 24/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3430

VENDA: R$5,3440

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3800

VENDA: R$5,5030

EURO

COMPRA: R$6,2581

VENDA: R$6,2594

OURO NY

U$1.750,87

OURO BM&F (g)

R$301,00 (g)

BOVESPA

-0,69

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios

Franqueadoras decidem abrir mão de receitas

COMPARTILHE

Água Doce - Sabores do Brasil reduziu a cobrança de royalties de seus franqueados de 5% para 3% e suspendeu a taxa de propaganda | Crédito: Bruno Marconato - Divulgação

Para se manter de pé, franqueadoras reavaliaram a rota e ficaram mais próximas dos franqueados, abrindo mão de receitas previstas em contrato e lançando novas ferramentas e canais de venda. Acostumado a resistir às mais severas crises econômicas e intempéries políticas, nem mesmo o franchising brasileiro passou incólume aos efeitos devastadores da pandemia. 

O balanço divulgado pela Associação Brasileira de Franchising (ABF) revela que em 2020 o faturamento geral recuou quase três anos. Em 2017, o faturamento foi de R$ 163,319 bilhões. No ano passado, o faturamento foi de R$ 167,187 bilhões, contra R$ 186,744 bilhões, em 2019. Queda apurada de 10,5% no último exercício.

PUBLICIDADE

As novidades parecem ter surtido efeito. A boa notícia é que o setor de franquias manteve sua curva de recuperação no 4º trimestre de 2020, se aproximando dos níveis pré-Covid-19. Segundo o mesmo estudo da ABF, o setor registrou uma receita apenas 1,8% menor no período, comparado ao 4º trimestre de 2019, que foi de R$ 54,966 bilhões para R$ 53,976 bilhões.

Negociando sua primeira unidade em Minas Gerais – em Pouso Alegre, no Sul de Minas – a Micropro Desenvolvimento Profissional e Comportamental, parcela a taxa de franquia em três vezes para novos candidatos interessados em abrir uma microfranquia ou franquia de sua marca.

De acordo com o fundador e CEO da MicroPro, Fábio Affonso, a rede – que tem 35 escolas profissionalizantes no Estado de São Paulo – aprimorou seu sistema híbrido de aulas presenciais e on-line; apoiou os franqueados que decidiram reformar as escolas ou mudá-las de ponto e conseguiu atravessar o período com excelentes resultados.

Numa microfranquia (escola física para cidades de 70 mil habitantes), o investimento médio é de  R$ 89 mil, com taxa de franquia de R$ 10 mil. Numa franquia, o investimento médio é de R$ 120 mil, com taxa de franquia de R$ 30 mil.

“Em 2019 mudamos o método de ensino. Quando veio a pandemia já tínhamos esse produto e já estávamos reduzindo os custos com professores. Assim, mesmo com a diminuição no número de matrículas, as escolas tiveram um saldo positivo e passamos praticamente ilesos por esse período. Nesse começo de ano o baque voltou a ser grande. E já estávamos com os custos chegando ao limite. Forçamos mais o custo de implantação para baixo e a operação passou de R$ 300 mil para R$ 88 mil. Foi uma reviravolta”, relembra Affonso.

Considerada uma das “rainhas do interior”, a franquia de restaurantes Água Doce – Sabores do Brasil também abriu mão de receitas previstas em contrato e se aproximou ainda mais dos franqueados. A cobrança dos royalties, que antes era de 5%, mudou para 3% e houve a suspensão da cobrança de fundo de propaganda em 2020. Houve também negociações com fornecedores e junto com os franqueados com o parcelamento de fundo e royalties.

Segundo o diretor de franquias da Água Doce, Julio Bertolucci, as unidades da rede ampliaram o delivery para novos horários, inclusive na hora do almoço, já que alguns restaurantes funcionavam apenas no período do jantar. A marca também ampliou sua presença digital com a implantação de cardápio digital para facilitar o acesso do cliente aos itens da Água Doce.

“Quando a crise começou não tínhamos outro caminho a não ser o delivery. Já vínhamos antes trabalhando embalagens, fizemos uma parceria forte com o Ifood. Fizemos ações como o delivery de bebidas. Como os nossos espaços são grandes, eles ficaram ociosos. Instruímos os franqueados para tentar renegociar aluguéis, por exemplo. Diminuímos taxas, essa é hora da parceria. Suspendemos o fundo de propaganda, os royalties foram suspensos por três meses e depois reduzimos o percentual de 5% para 3%. Sentir as dores do franqueado é muito importante, por isso é importante o franqueador ter loja própria. Existe com isso um efeito psicológico também, as pessoas se sentem melhor, acolhidas, registramos 97% de satisfação do nosso franqueado com a franqueadora”, explica Julio Bertolucci.

Todo esse esforço valeu a pena e a marca não registrou nenhum fechamento desde o início da pandemia. A rede tem quatro unidades em Minas Gerais – Frutal e Uberlândia, no Triângulo; Pouso Alegre e Varginha, no Sul de Minas – e prevê avançar sobre o Estado em 2021.

“Durante a pandemia falamos muito com potenciais franqueados no Estado. Nossas lojas em Minas performam muito bem. A expansão vai depender muito do interesse, queremos crescer no Estado correndo, até pelo potencial econômico. Reduzimos 30% na taxa de franquia e temos bastante interessados”, destaca o diretor de franquias da Água Doce.

Andrea Kohlrausch aponta que a estratégia na Bibi Calçados consiste em ouvir os franqueados para entender cada situação | Crédito: Luize Silva – Divulgação

Empresa dá apoio por meio da capacitação dos gestores

Para garantir a sustentabilidade da rede, a Bibi Calçados seguiu passos parecidos aos das suas colegas franqueadoras, dando suporte financeiro e capacitando seus franqueados. A marca sediada no Rio Grande do Sul e planta produtiva em Parobé (RS) e Cruz das Almas (BA), hoje tem mais de 130 lojas espalhadas pelo Brasil e exterior. Logo no início da pandemia, se manteve no mercado por meio do e-commerce e de serviços de delivery em todo o Brasil.

De acordo com a presidente da Calçados Bibi, Andrea Kohlrausch, entre as medidas tomadas pela empresa para auxiliar os franqueados, em casos específicos, foi conversado diretamente com a unidade para entender cada situação até as aberturas de lojas; houve a isenção da cobrança do fundo de marketing enquanto as lojas estiverem fechadas, auxílio na revisão de fluxo de caixa da unidade e contato com os shoppings para auxiliar com negociação de aluguel junto com as lojas.

“Ninguém esperava todos esses fechamentos e restrições em 2021. Consideramos que temos uma curva de aprendizado nesse um ano de pandemia e estamos sempre muito abertos a nos reinventarmos. Implementamos coisas novas: como as lives shopping, ano passado foi a venda por Whatsapp, com a venda-link, que poucos usavam anteriormente. Dessa vez não teve MPs, então tentamos trabalhar muita capacitação. Também auxiliamos muito negociando um a um. Não dava pra fazer uma receita pra todos, porque as situações eram diferentes”, afirma Andrea Kohlrausch.

Há 72 anos no mercado, a Bibi tem planos para abrir 20 lojas no Brasil e outras 12 no exterior ainda em 2021. Parte dessas inaugurações pode ser em Minas Gerais. o recém-lançado modelo light – com investimento médio de R$ 300 mil – pode ser uma das alavancas desse crescimento. 

 “Os planos para o primeiro semestre ainda são conservadores por conta dessa primeira metade em que a crise sanitária voltou com ainda mais força. Mas acreditamos em um segundo semestre de forte recuperação, contando que a vacinação avance. Minas Gerais está mapeada para essa expansão e pode receber até mais unidades”, completa a presidente da Calçados Bibi.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!