COTAÇÃO DE 14/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2710

VENDA: R$5,2710

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2700

VENDA: R$5,4330

EURO

COMPRA: R$6,3961

VENDA: R$6,3990

OURO NY

U$1.843,90

OURO BM&F (g)

R$311,62 (g)

BOVESPA

+0,97

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios

Indi atesta diferencial do Mercadão Internacional para região

COMPARTILHE

Crédito: Divulgação

O Mercadão Internacional de Lagoa Santa, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), será um importante instrumento de retomada e diversificação da atividade econômica em Minas Gerais no pós-pandemia. Quem faz essa afirmação são os representantes da Agência de Promoção de Investimento e Comércio Exterior (Indi), que visitaram as instalações do empreendimento na última terça-feira (13).

O presidente do Indi, Thiago Toscano; o diretor de Gestão e Novos Negócios, Gustavo Tulio de Lima Andrade, e o diretor de Atração de Investimentos, João Paulo Braga Santos, foram acompanhados pelos sócios do Mercadão Internacional e da diretora-executiva do empreendimento Ana Lúcia Araújo. O ‘Mercadão’, voltado para a promoção das potencialidades do Estado, teve o protocolo de intenções assinado recentemente entre os investidores e o governo de Minas, por meio do Indi.

PUBLICIDADE

Os aportes vêm sendo realizados desde 2019 e continuam sendo feitos neste ano. As obras já estão em fase avançada e a expectativa era de que o início das atividades ocorresse em abril. A previsão de conclusão dessa etapa se mantém para meados deste ano.

No entanto, segundo a direção do empreendimento, com o agravamento da pandemia da Covid 19, a data de abertura de todo o complexo será anunciada próximo à conclusão das obras e a depender da situação da crise sanitária.

Quando estiver em funcionamento, a estimativa é de que o Mercadão Internacional de Lagoa Santa vá gerar cerca de 400 empregos diretos e 1,2 mil indiretos.

Além da geração de mais postos de trabalho no Vetor Norte e do desenvolvimento da economia local, a expectativa é de que haja um aumento do fluxo de turistas, uma vez que o ‘Mercadão’ está no caminho do Parque Nacional da Serra do Cipó; Parque do Sumidouro; Rota Lund e próximo ao Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins.

O empreendimento tende a ser uma das principais opções para a realização de feiras e exposições internacionais na região, pela estrutura de suas instalações e também pela proximidade com o aeroporto.

“Ao visitar, você percebe que a magnitude do projeto é muito maior do que eu inicialmente tinha imaginado. É um espaço muito versátil, que vai oferecer grandes opções de serviços e lazer”, afirmou João Paulo Braga Santos. Em seguida, pontuou que o empreendimento preenche uma lacuna ao criar uma alternativa de lazer para o Vetor Norte da Região Metropolitana de Belo Horizonte.

De acordo com a diretora-executiva do Mercadão Ana Lúcia Araújo, são aproximadamente 320 lojas disponíveis para locação. Ela disse que os empreendedores estão facilitando a locação para os lojistas, não havendo a exigência de avalistas ou fiadores. “Entendemos que o espaço é uma grande porta para os comerciantes apresentarem seus produtos para o mundo, devido à proximidade com o aeroporto internacional e a conexão que teremos com os passageiros. Colocaremos vans para levar e trazer turistas do aeroporto para o espaço sem cobrar traslado dos clientes e nem dos nossos parceiros”, explicou.

Cadeias produtivas – Em relação às cadeias produtivas, Ana Lúcia Araújo disse que a estratégia foi identificar investidores e parceiros que conversem diretamente com os produtores rurais e com os artesãos, por exemplo. “Queremos aquilo que é único e primoroso: os melhores cafés, queijos, azeites, doces, artesanatos, entre outros. Vamos colocar no mesmo lugar as várias riquezas e toda diversidade de Minas Gerais, entre restaurantes e lojas que ofertem aquilo que seja excelente”, garantiu.

Ainda de acordo com ela, a assinatura do protocolo de intenções como o Indi foi um passo importante no avanço do projeto. “É um sinal de que o Estado sabe o que estamos construindo e também reconhece aquilo que vamos entregar para Minas Gerais. É mais uma chancela ao aporte financeiro que nossos investidores dão ao espaço. Reconhecer essa credibilidade é muito importante para nós, porque estamos na vitrine dos grandes negócios e investimentos que ocorrem em Minas”, comemorou.

Diversificação econômica – Na avaliação do gerente de Negócios do Indi, Renato Garcia, o Mercadão Internacional de Lagoa Santa pode se tornar um grande ativo para o Estado na promoção de investimentos, sobretudo pela capacidade de recepcionar feiras, exposições nacionais e internacionais, além de eventos corporativos.

“Uma das principais características do empreendimento é a sua capacidade de destacar as grandes potencialidades de Minas Gerais, como a gastronomia, a cultura e o turismo. Com uma localização privilegiada, a 12 quilômetros do aeroporto internacional, terá a melhor estrutura de entretenimento, funcionando como uma das principais portas de entrada para o turista, quer seja de negócios ou passageiro em trânsito”, declarou o gerente do Indi.

Segundo Garcia, o Mercadão poderá ser considerado um instrumento para a diversificação da economia justamente pela possibilidade do desenvolvimento de atividades ligadas a diversos setores. “Como é um local adequado para a realização de grandes eventos, certamente vai fomentar novos negócios no Estado”, concluiu.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!