COTAÇÃO DE 17/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9420

VENDA: R$4,9430

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0400

VENDA: R$5,1520

EURO

COMPRA: R$5,2307

VENDA: R$5,2334

OURO NY

U$1.814,77

OURO BM&F (g)

R$290,29 (g)

BOVESPA

+0,51

POUPANÇA

0,7025%

OFERECIMENTO

Negócios

Laboratórios têm dificuldades com alta na demanda por testes de Covid

Somente o Grupo Pardini realizou mais de 100 mil exames RT-PCR na última semana, com 48,3% positivo pra Covid

COMPARTILHE

Há uma semana, a Abramed alertava para o risco de desabastecimento de insumos para testes | Crédito: Marcelo Camargo - Agência Brasil

Há uma semana, a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed) alertava para o risco de desabastecimento de insumos para a realização de testes de Covid-19, em função da elevada procura por pacientes com sintomas gripais, decorrente da alta transmissibilidade da nova variante Ômicron. A situação já prejudica os laudos em Belo Horizonte, uma vez que, nos últimos dias, alguns dos principais laboratórios da capital mineira vêm relatando dificuldades em realizar tanto exames PCR quanto os de antígeno.

Nem mesmo o gigante Hermes Pardini escapou. O centro de medicina diagnóstica chegou a ter falta do chamado teste rápido (o de antígeno), mas informa que já está abastecido novamente e repondo as unidades, conforme demanda. Os kits de PCR não chegaram a esgotar. “Apesar de todos os esforços, eventuais atrasos e ampliação no prazo de entrega dos resultados podem acontecer”, diz o grupo em boletim diário sobre a demanda acerca da pandemia.

PUBLICIDADE




A empresa realizou mais de 100 mil testes RT-PCR no Brasil apenas na última semana. E o percentual de positividade vem aumentando de forma expressiva e chegou a 48,3% – o maior índice desde março de 2020. Para atender a demanda, o grupo ampliou os estoques de insumos, contratou profissionais  e reforçou os canais de atendimento.

Apenas na última segunda-feira (17), foram coletados aproximadamente 16 mil testes em todo o território brasileiro – crescimento de 45% na comparação com a média móvel dos últimos 14 dias. Também foi apurado 54,6% de positividade nos testes. Quando comparada com a média móvel dos últimos 14 dias, a positividade aumentou 12.1 p.p. Especificamente em Minas Gerais, houve crescimento de 45% no volume de testes. Quando analisada a positividade, 49,5% dos resultados confirmaram o diagnóstico. Em comparação com a média móvel dos últimos 14 dias, a positividade aumentou 13.4 pontos percentuais.

Segundo o vice-presidente do Grupo Pardini, Alessandro Ferreira, em função do aumento de volume e positividade nos testes, alterações na operação e horários de funcionamento para ajustar o atendimento da demanda têm sido realizadas. A última delas diz respeito ao atendimento do posto de coleta localizado no Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, em Confins (RMBH).

“O Grupo Pardini tem feito enormes esforços para conseguir atender a demanda da população e alguns ajustes precisam ser feitos. A unidade do Aeroporto agora vai atender apenas pacientes que estejam com cartão de embarque ou passagem internacional no momento da coleta. A medida visa preservar o atendimento às exigências dos voos internacionais”, informou.

PUBLICIDADE




Já a infectologista da rede, Melissa Valentini, falou sobre a necessidade de acompanhar com cuidado os índices de internações hospitalares. “Agora é hora de repensar decisões e reforçar o uso de máscaras e o distanciamento social, evitando aglomerações. As pessoas com sintomas respiratórios devem se isolar e, se possível, se testar”, disse.

O Laboratório São Paulo está realizando uma média de 600 exames RT-PCR e 200 exames antígenos por dia e, de acordo com a coordenadora de Ciência e Tecnologia do laboratório, Cláudia Assunção, tamanha a demanda que, entre os dias 10 e 12 de janeiro, chegou a haver desabastecimento de insumos. “Agora já recebemos uma nova remessa com 7 mil kits e estamos conseguindo atender. Porém, a demanda aumenta a cada dia e não conseguimos precisar por quanto tempo os estoques vão durar”, admitiu.

Passados 18 dias de janeiro, já foram realizados 7.262 testes, dos quais 33,64% ou 2.443 tiveram resultado positivo. Para se ter uma ideia, em todo o mês de janeiro de 2021 os números foram de 4.644 testes, sendo 776 positivos (16,71%).

“O volume de testagem está 56% maior do que no ano passado em virtude da variante que é mais transmissível e também porque mais pessoas estão fazendo exames antes de viajar ou visitar algum parente. De toda forma, ainda temos mais negativos que positivos. Sem contar que as gravidades e os óbitos não acompanham esse crescimento, graças à vacina”, comentou. Os exames estão sendo realizados tanto no convênio quanto no particular e o prazo para resultados varia de 12 a 36 horas.

No Laboratório São Marcos a situação não é diferente e as unidades estão realizando o exame de RT-PCR somente com agendamento prévio. Por meio de nota, a empresa informou que a equipe está trabalhando para que a capacidade de atendimento seja retomada gradualmente. “Há um aumento expressivo do número de casos de Sars-CoV-2 e Influenza no Brasil e, consequentemente, um pico nacional de procura por testes RT-PCR e painel viral para doenças respiratórias, o que tem impactado diariamente a operação dos laboratórios no País”, justificou sem maiores detalhes.

Pfizer entrega mais doses pediátricas

O Ministério da Saúde anunciou a antecipação de mais um lote de vacinas pediátricas produzidas pela Pfizer. De acordo com a pasta, o lote de 1,8 milhão do imunizante voltado a crianças com idade entre 5 e 11 anos será entregue em 24 de janeiro. Antes, a previsão era para o dia 27.

Segundo o ministério, o País já recebeu 2,5 milhões de doses dessa vacina. O último lote, com 1,2 milhão de doses, foi entregue no domingo (16) e já está sendo distribuído aos estados. Novo lote, com mais de 1,8 milhão de doses, tem previsão de chegada na primeira semana de fevereiro.

“Para a imunização das crianças entre 5 e 11 anos será necessária a autorização dos pais. No caso da presença dos responsáveis no ato da vacinação, haverá dispensa do termo por escrito. A orientação da pasta é que os pais ou responsáveis por suas crianças procurem a recomendação prévia de um médico antes da imunização”, informou, em nota, o Ministério da Saúde. (ABr)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!