COTAÇÃO DE 18/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0680

VENDA: R$5,0690

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0370

VENDA: R$5,2330

EURO

COMPRA: R$5,9716

VENDA: R$5,9733

OURO NY

U$1.764,31

OURO BM&F (g)

R$286,98 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios

Livro aborda importância do respeito ao legado do fundador de uma empresa

COMPARTILHE

Trocar o comando de uma empresa familiar sem planejar a sucessão pode se tornar um processo ainda mais doloroso quando falta reconhecimento e empatia pelo trabalho desenvolvido pelo fundador. No livro, Sucessão ou Promoção? (Ás Editorial), o autor Hamilton Ibanes, consultor da Mesa Corporate Governance, quebra paradigmas e desmistifica práticas ao mostrar que afastar ou expulsar o responsável pela construção do negócio por conta da idade avançada, por exemplo, é um erro crucial cometido contra quem dedicou uma vida inteira à organização e pode até mesmo arriscar a sustentabilidade da empresa.

Independentemente do porte do negócio, a falta de planejamento para a troca de comando provoca traumas e verdadeiros pesadelos durante a transição mal preparada. Na maioria dos casos, a pressa em tirar o fundador ou deixá-lo de lado quando ele é, na verdade, a pessoa mais experiente, torna o processo cruel. “O fundador não é um objeto para ser descartado de uma hora para outra. É preciso que os sucessores reconheçam e respeitem seu legado e sua contribuição para a sociedade. Ele gerou empregos, sustentou famílias e pode, ainda, se sentir vulnerável num momento tão importante da vida”, alerta o autor.

PUBLICIDADE

O autor lembra que em países como o Japão, por exemplo, o qual visitou mais de 10 vezes quando atuou como presidente da filial da empresa japonesa no Brasil, presenciou várias vezes os colaboradores reverenciando o fundador da companhia, reforçando um ato de respeito e agradecimento pelo trabalho desenvolvido. “Com o aumento da longevidade, é possível que o fundador seja promovido e esteja preparado para uma nova jornada e outros desafios, podendo ser o embaixador da marca ou até mesmo integrante do conselho”, sugere Ibanes.

Mas para uma troca de bastão ser bem-sucedida, o mais indicado é que a preparação comece com muita antecedência, para que todas as partes envolvidas estejam conscientes e tranquilas quanto ao processo – o fundador, os sucessores e os acionistas. Além de proteger a empresa de eventuais riscos, o planejamento estabelece regras e boas práticas de gestão para garantir a perenidade da empresa. “Não há como obrigar o fundador a ir embora e ele não quer isso. Ele quer ter segurança de que tudo que criou não vai desaparecer. É um processo de convencimento, não de isolamento”, explica.

Em Sucessão ou Promoção?, o autor também conta o processo sucessório de quatro famílias empresárias: famílias Noronha Kaiser (Grupo Cene), Cabral (Via Pajuçara), Oliveira (Grupo Lara) e Zen (Grupo Zen). Por meio de depoimentos, sucessores e sucedidos mostram a importância da implementação de novas práticas de gestão e de governança corporativa, contam experiências e relatam os desafios enfrentados para dar continuidade ao negócio familiar. “São exemplos de empresas que passaram pelo processo em momentos diferentes, em situações específicas, trazendo ao leitor a possibilidade de conhecer outros cenários de sucessão”, afirma Ibanes.

FICHA TÉCNICA

Título: Sucessão ou Promoção?
Subtítulo: Um novo olhar sobre o processo sucessório
Autor: Hamilton Ibanes
Selo: Ás Editorial
Páginas: 144
Gênero
: Negócios
Preço de capa: R$ 59,90

Conselhos de Administração podem ser decisivos

Recém-lançado, o livro “Bora Mudar o Jogo – Participar de um Conselho de Administração Compartilhado orienta sua estratégia, fortalece seu negócio e amplia sua visão”, escrito por Gustavo Succi e Luciano Garcia, sócios do Conselho Mudando o Jogo (CMJ), empresa especializada em Conselhos Consultivos compartilhados para pequenas e médias empresas, que tem como propósito, democratizar o acesso aos Conselhos que são o órgão máximo da governança corporativa das empresas.

Baseado nos quatro pilares do CMJ – propósito, cultura, pessoas e finanças -, o livro conta a trajetória e apresenta a metodologia do conselho, relata depoimentos e cases que ilustram como pequenas e médias empresas se adaptam à nova economia, que exige competências diferentes das atuais, enfrentam a concorrência, gerenciam equipes e se planejam para o futuro.

“A ideia do livro surgiu como uma estratégia de posicionamento e, ao mesmo tempo, de marcar e referenciar uma expertise. Quando começamos a escrever entendemos que estávamos diante de uma metodologia, testada e aprovada, cujos benefícios precisavam ser compartilhados. O brasileiro, de um modo geral, é empreendedor nato, mas muitos precisam de orientação”, comenta Succi.

Bora Mudar o Jogo reúne depoimentos de empresários, CEOs, consultores e especialistas em gestão de negócios, muitos deles ligados ao CMJ.

Para Luciano Garcia, o livro é um instrumento de apoio para que as pessoas e as empresas se preparem para as mudanças. “É preciso estar alinhado com o novo mercado e com as tendências, mas, ao mesmo tempo, é importante estar atento às coisas fundamentais como fluxo de caixa, equipe, fornecedores e clientes.”

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!