A Moto Fest começou com uma loja no Eldorado e, atualmente, tem cinco unidades, todas em Contagem, na RMBH - Crédito: Divulgação

A concessionária Moto Fest Honda, que conta com cinco lojas em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), completa 18 anos este mês. Ao longo dessa história, a empresa atualmente gerida por Álvaro Andrade, conhecido por ser um dos principais acionistas da Andrade Gutierrez, cresceu e conquistou uma fatia de mais de 10% do mercado de vendas de motocicleta.

Fundada em 2001 por um grupo de três investidores, a Moto Fest começou com apenas uma loja no bairro Eldorado. Atualmente, além das unidades no Centro, Cabral, Ressaca e uma de seminovos também no Eldorado, a concessionária já conta com quase 100 pessoas em seu quadro de funcionários.

De acordo com o diretor executivo da Moto Fest Honda, Carlos Bentes, a gestão da empresa ganhou fôlego em 2011, quando Andrade decidiu adquirir 100% das ações.

“Ele sempre gostou muito de motos e decidiu aliar os negócios à sua paixão”. Bentes ainda conta que a partir dessa mudança a concessionária não parou de crescer.

“A gente tinha uma participação muito pequena, em torno de 7%, e com a nova gestão praticamente dobrou. Estamos entre 12% a 14%, um número bastante significativo”.

Para Bentes esse crescimento se deve aos investimentos realizados pela Moto Fest Honda nos últimos anos.

“A gente está sempre inventando alguma coisa. Investimos muito na questão do marketing digital. Criamos um departamento e nos tornamos muito presentes no Instagram, Facebook, WhatsApp e todas as mídias que podemos trabalhar. Também formamos uma equipe bastante atuante em vendas externas e realizamos uma série de ações com os motociclistas. Hoje, temos uma participação bem grande junto a motoclubes, entidades e sindicatos”.

O diretor executivo ainda ressalta que o mercado de vendas de moto possui uma especificidade que o permite sofrer menos que os outros quando a economia não vai tão bem.

“Mesmo em um momento de crise a motocicleta ainda é uma opção de compra, porque muitas pessoas a utilizam para trabalhar e gerar renda. Além disso, ela pode ser muito mais econômica do que um carro. O preço pela unidade é mais barato, o consumo de combustível é menor e ainda possui algumas vantagens, como a facilidade para estacionar e se deslocar”, afirma.

Analisando o cenário econômico atual, Bentes se mostra bastante otimista e projeta uma continuidade no aumento de participação no mercado da concessionária.

“Acho que a economia tende a melhorar nos próximos anos e nosso segmento não deve ficar para trás. Então a minha expectativa de crescimento para a empresa, em médio prazo, é de pelo menos 5%”, revela.