COTAÇÃO DE 25/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8200

VENDA: R$4,8210

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8900

VENDA: R$5,0160

EURO

COMPRA: R$5,1520

VENDA: R$5,1546

OURO NY

U$1.853,68

OURO BM&F (g)

R$287,13 (g)

BOVESPA

-0,98

POUPANÇA

0,6724%

OFERECIMENTO

Negócios

Motoristas da Uber no Reino Unido terão direito a salário mínimo

COMPARTILHE

Quinta Turma do TST nega vínculo empregatício entre um motorista e Uber
Crédito: Fernanda Carvalho/ Fotos Públicas

Londres – Os motoristas da Uber no Reino Unido devem receber salário mínimo durante todo o tempo em que estiverem conectados ao aplicativo, disseram dois ex-motoristas nesta quarta-feira após vencerem uma batalha judicial que pode reformular o modelo de negócios do setor.

Após a derrota na Suprema Corte do Reino Unido no mês passado, a Uber reclassificou seus mais de 70 mil motoristas no país como trabalhadores, o que significa que eles têm direitos garantidos, como pagamento de férias.

PUBLICIDADE




A Uber disse que os motoristas de aplicativo terão pelo menos 15% de vantagem se optarem pelo plano de previdência.

Sobre o salário mínimo, que é de 8,72 libras (US$ 12,13) ​​por hora para maiores de 25 anos, a Uber disse que seria aplicado “após aceitar uma solicitação de viagem e após as despesas” e que, em média, os motoristas ganham 17 libras por hora em Londres.

Os motoristas não receberão enquanto aguardam a solicitação de corrida, o que pode ser responsável por até um terço do tempo que os motoristas passam ao volante com o aplicativo ligado, de acordo com vários estudos norte-americanos.

Críticas

James Farrar e Yaseen Aslam, os dois principais motoristas em um caso no Tribunal de Trabalho de 2016 que o Uber contestou sem sucesso até a corte superior do Reino Unido, criticaram a medida.

PUBLICIDADE




“Os motoristas da Uber ainda sofrerão alterações para 40-50%”, disseram eles. “Além disso, não é aceitável para a Uber decidir unilateralmente a base de despesas do motorista no cálculo do salário mínimo”.

A Uber disse que consultou milhares de motoristas que não querem perder a flexibilidade de que desfrutam.Os trabalhadores têm menos direitos do que os classificados como empregados, que também recebem subsídio por doença e licença parental. A Uber, na Califórnia, pressionou e obteve um acordo semelhante sobre o status dos motoristas.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!