COTAÇÃO DE 18/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,0680

VENDA: R$5,0690

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0370

VENDA: R$5,2330

EURO

COMPRA: R$5,9716

VENDA: R$5,9733

OURO NY

U$1.764,31

OURO BM&F (g)

R$286,98 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios

Indústria de chocolates faz diversificação para a Páscoa

COMPARTILHE

Empresas estão buscando apresentar este ano um portfólio que atenda a diferentes perfis de consumidores | Crédito: Arquivo DC

Apesar das expectativas não tão favoráveis para as vendas de Páscoa neste exercício, a indústria de chocolates e produtos típicos desta época se preparou com antecedência e já abasteceu o varejo para a data, historicamente uma das principais em níveis de comercialização em todo o País.

Dados da Associação Brasileira da Indústria de Chocolates, Amendoim e Balas (Abicab) mostram que, em 2021, a indústria entregou cerca de 100 lançamentos, entre ovos de chocolates, bombons, caixas sortidas, barras e chocolates presenteáveis.

PUBLICIDADE

O principal motivo para essa variação, conforme o presidente da Abicab, Ubiracy Fonsêca, é a busca cada vez maior por parte do consumidor de produtos diferenciados que não apenas os tradicionais ovos. Por isso, as empresas estão buscando apresentar um portfólio que atenda a diferentes perfis de consumidores, “e se adequaram ao novo comportamento de compra e às necessidades das pessoas”.

A Páscoa é uma data presenteável, portanto, as empresas costumam, além de investir no desenvolvimento de ovos, também trazer novidades em outros formatos para o consumidor, que acaba montando seu mix de compras. Com isso, as indústrias passaram a planejar um portfólio com opções acessíveis e premium, estando presentes em diferentes momentos e perfis de consumo”, ressalta.

Entre as tendências para este ano estão os ovos com cascas recheadas e crocantes, além de linhas tradicionais reformuladas e ovos com brindes e personagens licenciados.

Bauducco e Arcor antecipam produção

No caso da Bauducco, com fábrica em Extrema, no Sul de Minas Gerais, são grandes as apostas para a data, que é a segunda mais importante para os negócios da empresa, perdendo apenas para o Natal – quando são vendidos os famosos panetones.

Segundo a grouper de Marketing da companhia, Juliana Corá, neste ano, a empresa apostou na antecipação do abastecimento do varejo para diluir as vendas e investiu no e-commerce, que hoje é três vezes maior do que era em 2019.

Além da tradicional Colomba Pascal, a marca reforçou o portfólio com produtos com muito chocolate, como a linha Chocolomba, em suas diferentes apresentações. Ambas possuem o diferencial exclusivo da marca, com a massa madre de fermentação natural, que também dá origem aos panetones. Há ainda itens versáteis como o Choco Biscuit, biscoito crocante da Bauducco com barra de chocolate.

“Como líder da categoria na Páscoa, ano após ano trazemos mais força para a data e, em 2021, pretendemos crescer dois dígitos em relação ao ano passado. Nossa expectativa é atrair novos consumidores e, para isso, apostamos no melhor custo-benefício de produtos, oferecemos itens presenteáveis e um portfólio com foco em indulgência, com bastante chocolate“, afirma Juliana Corá.

Embora não tenha revelado detalhes sobre o montante a ser investido em produção ou o volume a ser fabricado, ela ressaltou que 80% dos produtos são produzidos no complexo industrial de Extrema, que é hoje a maior fábrica da companhia, com exceção da linha Mini.

A grouper de Marketing também destacou que, neste ano, a Páscoa Bauducco se baseia no “jeito Bauducco de fazer chocolate”, por meio do tema “Toda fatia é especial” – campanha que pretende fazer de 2021 a maior e mais indulgente Páscoa da história da marca. “Para isso, aumentamos os investimentos e apostamos em conteúdo indulgente e parcerias de peso, que devem aproximar a Bauducco dos consumidores nessa época”, revelou.

Investimentos em produtos de Páscoa

O Grupo Arcor Brasil, que possui uma fábrica em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), também antecipou os preparativos e investimentos para a data neste exercício e, mesmo diante do momento conturbado, projeta crescer aproximadamente 10% em canais específicos em comparação a 2020.

Apesar de a marca não contar com produção de portfólio de Páscoa na fábrica mineira, uma vez que a unidade é dedicada apenas à fabricação de biscoitos, o diretor de Marketing, Pesquisa e Desenvolvimento da Arcor do Brasil, Anderson Freire, disse que neste ano os investimentos continuaram focados em um portfólio com licenças de peso, brindes superdivertidos, ovos que seguem tendência de consumo saudável, sabores diferenciados e um ótimo custo-benefício.

“Estamos sempre agregando valor aos nossos produtos, desenvolvendo novidades e ampliando a nossa distribuição, o que nos permite oferecer variedade e qualidade com excelência para toda a família brasileira. Além disso, estamos cada vez mais presentes no digital, avançando nas redes sociais, no e-commerce e estreitando a parceria com os clientes”, explicou. Os ovos de Páscoa da Arcor são produzidos na fábrica de Bragança Paulista, em São Paulo.

Para além da Páscoa, em fevereiro, a Aymoré, marca de biscoitos do grupo, anunciou o investimento de R$ 10 milhões na expansão da planta de Contagem. Conforme publicado pelo DIÁRIO DO COMÉRCIO, os aportes vão permitir o aumento de 20% na capacidade de produção e a geração de cerca de 200 empregos diretos. Atualmente, a unidade produz cerca de 50 produtos diferentes.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!