Crédito: Reprodução

A Cantarino Brasileiro, especializada na geração de conteúdo de valor para inovação dos negócios, em parceria com a Exceda, lança, durante o Ciab Febraban, a pesquisa “Banco Digital 2019”. Em sua segunda edição, o estudo registra tendências e insights fundamentais para medir a relação dos clientes com os bancos e identificar as novas formas de interação entre eles. Para tanto, em fevereiro deste ano, foram feitas 1.005 entrevistas, segmentadas em categorias como sexo, faixa etária e classe social, com internautas de todas as regiões do Brasil.

“O objetivo é entender como o consumidor avalia o uso dos bancos de maneira geral, e dos bancos digitais de forma particular, além da disposição de troca dos tradicionais pelos neobanks e os critérios que as pessoas levam em conta para isto,” comenta o fundador da Cantarino Brasileiro, Marcos Cantarino.

Como em 2017, quando foi feita a primeira edição da pesquisa, o perfil predominante dos usuários de bancos digitais, em 2019, continua sendo de jovens (48%), homens (54%), de classe média e alta (55% e 16%) das regiões Sudeste e Sul (74%).

Para mensurar o grau de lealdade dos clientes de bancos digitais, o estudo ponderou o Net Promoter Score (NPS) e registrou queda de oito pontos percentuais, de 38,7% para 30,7%, de 2017 para 2019. Por outro lado, o investimento em serviços e contas digitais feito por bancos tradicionais gerou resultados. As iniciativas ampliaram o NPS de seus correntistas de 11,3 para 17,5%. Mas a satisfação com os bancos digitais ainda é maior do que com bancos tradicionais (30,7 x 17,5%).

Em que banco você tem conta?

– Quando perguntados em qual banco possui conta atualmente, tendo como opções “Só Digital”, “Só Tradicional” e “Ambas”, 15% dos entrevistados ficaram com a última alternativa. A opção “Só Tradicional” foi apontada por 82% dos participantes. Os que usam unicamente bancos digitais são 3% da amostra, mesmo patamar do estudo anterior.

Crédito: Reprodução

Trocar o banco tradicional pelo digital

– O conhecimento sobre os bancos digitais é alto, mesmo para quem não os utiliza. No entanto, a disposição destes em abrir uma conta em um neobank registrou queda de 2017 para 2019. A opção “Totalmente Dispostos” foi de 28 para 20% e a nota média também caiu, de 7,2 na primeira edição da pesquisa, para 6,1 em 2019.

Para quem não tem conta em banco digital, o pagamento de taxas perdeu importância em 2019 e foi de 46 para 28%. Os principais quesitos considerados por eles para trocar um banco tradicional por um digital são “não ter que ir ao banco” (32%) e “acesso 24 horas” (29%). Para os demais, a taxa continua sendo o principal critério de escolha de um banco. Seguido da tradição e confiança.

A segurança continua sendo critério fundamental em um banco digital, mas o estudo descobriu que é baixo o conhecimento sobre a ação de hackers. E mesmo os que conhecem não tomaram atitudes muito concretas para sua proteção. O levantamento conta ainda com dados sobre o uso de canais de atendimento, o que os entrevistados apontam como fundamental para bancos tradicionais e digitais, entre várias outras informações.

Mercado ganha centro de estudos exclusivos

A Cantarino Brasileiro, especializada na geração de conteúdo de valor para inovação dos negócios, lança, durante o Ciab Febraban 2019, o Monitor Banco Digital, um centro de estudos exclusivos sobre bancos digitais ou neobanks. A iniciativa aporta conhecimento acurado, em um relatório periódico por assinatura, com entrevistas exclusivas, pesquisas inéditas, informações sobre o mercado europeu, americano e asiático; sobre concorrência, produtos, fornecedores e tecnologia aplicadas a bancos digitais.

O objetivo é ter um raio X das empresas “entrantes” no mercado bancário e levar informações direcionadas e relevantes para apoiar bancos novos e tradicionais na definição de estratégias para posicionar suas ações e produtos.

“Como o foco do nosso trabalho sempre foi a indústria financeira, percebemos uma lacuna enorme no que tange a informações realmente relevantes e diferenciadas sobre as empresas digitais,” assinala o fundador da Cantarino Brasileiro, Marcos Cantarino.

A expectativa da empresa com o lançamento do Monitor Banco Digital é contribuir com o ecossistema bancário para promover o acesso aos produtos e serviços financeiros da população, ajustados às suas demandas e condições. “Sabemos que a digitalização promove a inclusão financeira,” argumenta o executivo.

Para se ter uma ideia, os neobanks não são analisados nos estudos tradicionais sobre o setor. É o caso da Pesquisa de Tecnologia Bancária 2019 da Febraban, que considera dados dos 20 maiores bancos do Brasil. Esse levantamento registra que em 2018 foram abertas 2,5 milhões de contas correntes por mobile banking e 434 mil por internet banking, um total próximo a 3 milhões de contas digitais abertas, mas somente nas instituições tradicionais.

Por deixarem de fora os dados dos neobanks, os levantamentos refletem somente parte do movimento da indústria financeira. Projeção feita pela Cantarino Brasileiro mostra que os novos bancos superaram o patamar apurado no citado estudo.

“Considerando apenas os quatro maiores bancos digitais do País, constatamos que, juntos, chegaram ao final do ano passado tendo aberto algo em torno de 4,1 milhões de contas. Esse resultado mostra ainda que os bancos digitais promoveram aceleração desse novo modelo digital,” expõe Cantarino.

Segundo o executivo, com o aumento das transações por meio dos canais digitais, as agências tradicionais estão em “xeque” o que traz uma grande oportunidade para o setor promover o seu aprimoramento, diminuindo custos fixos e aumentando a competitividade entre as instituições.

“O correntista será o grande beneficiário devido à quantidade de novas opções que terá para escolher. Além disso, os bancos nativos digitais podem ensinar para os tradicionais a “rapidez” na abertura das contas correntes e, em contra partida, instituições tradicionais poderão contribuir com seus modelos de ofertas e solidez,” conclui Marcos Cantarino.

Os assinantes do relatório Monitor Banco Digital vão ter acesso a estudos feitos continuamente pela Cantarino Brasileiro. (Da Redação)