COTAÇÃO DE 02-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6600

VENDA: R$5,6600

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8130

EURO

COMPRA: R$6,3753

VENDA: R$6,3783

OURO NY

U$1.768,55

OURO BM&F (g)

R$319,92 (g)

BOVESPA

0,4902

POUPANÇA

+3,66%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios

Robert Half e FDC lançam “match perfeito”

COMPARTILHE

Estudo da FDC ainda revela as preferências dos recrutadores ao analisar potenciais candidatos | CRÉDITO: DIVULGAÇÃO

Em parceria com o Centro de Liderança da Fundação Dom Cabral (FDC), a Robert Half lança o estudo “Match Perfeito – o que buscam profissionais e recrutadores”. O estudo traz um Raio-X sobre os anseios dos profissionais empregados e desempregados em relação às oportunidades no mercado de trabalho, bem como as preferências dos recrutadores ao analisar potenciais candidatos. Entre alguns dos insights, está o fato de experiência prévia do candidato (88%), fit cultural (62%) e formação acadêmica (36%) serem os três fatores mais relevantes que os tomadores de decisão das empresas consideram na hora de contratar.

“O fit cultural é um fator que vem sendo cada vez mais valorizado entre as empresas e, conforme mostra a pesquisa, ganha mais destaque entre as grandes companhias. No entanto, não deixa de ser relevante para empresas de todos os portes. Contar com profissionais que se adequem à cultura organizacional é importante não só para os resultados, mas também para o clima e motivação dos colaboradores”, afirma o diretor associado da Robert Half, Mario Custódio.

PUBLICIDADE

“Melhorar a qualidade da correspondência entre as preferências dos empregadores e dos candidatos é fundamental para uma economia próspera. Ainda mais, quando paradoxalmente, o Brasil assiste a um aumento da taxa de desemprego, mesmo com resultado positivo na geração de empregos formais. O desvelamento dessas preferências também pode promover uma maior inserção no mercado de trabalho. Por exemplo, o desemprego de longa duração (2 anos ou mais) bateu recorde frente à crise econômica alcançando 23,6% dos trabalhadores sem emprego. Na nossa amostra, desempregados entre 1 e 3 anos representam 30,95% do total”, afirma o diretor do Centro de Liderança da FDC, Paul Ferreira. Fatores mais relevantes para o preenchimento de uma vaga em aberto:

01 – A experiência prévia do candidato (88%)
02 – A aderência com a cultura organizacional (62%)
03 – A formação acadêmica do candidato (36%)
04 – Ser indicado por pessoas relevantes no mercado ou na academia (31%)
05 – A expectativa salarial e seu enquadramento com as tabelas da empresa (26%)
06 – Candidatos que estejam trabalhando em outras empresas do setor (19%)
07 – Ser indicado por pessoas da empresa (17%)
08 – A disponibilidade geográfica (11%)
09 – A disponibilidade para início do contrato (5%)
10 – Outro (5%)

Prioridades mudam conforme porte da empresa – O estudo da Robert Half e da FDC mostra que, apesar da experiência prévia do candidato, fit cultural e formação acadêmica serem os principais pontos na avaliação de um candidato, essa lista pode variar de acordo com o porte da empresa. Nota-se, por exemplo, que quanto maior a empresa mais relevância se dá à cultura organizacional. Por outro lado, a indicação do candidato por pessoas do mercado ou da academia é mais valorizada pelas micro e pequenas empresas.

Há também diferenças consideráveis ao analisar o comportamento dos recrutadores dos diferentes segmentos do mercado. Apesar de a experiência prévia do candidato ser o principal fator para todos os setores, no Varejo esse item é ainda mais valorizado. Já a Indústria é o segmento que mais dá importância à cultura organizacional, enquanto o Agronegócio é o setor que vê mais relevância na indicação do profissional e o Varejo é o que dá mais peso para a formação acadêmica.

O que buscam os profissionais – Remuneração (56%), aderência do cargo à experiência prévia (46%) e desafio proposto (45%) estão entre os itens que mais são avaliados pelos profissionais em geral quando recebem uma proposta de emprego. No entanto, se dividirmos o grupo entre profissionais que estão empregados, mas ativos no mercado, e profissionais que estão desempregados, é possível notar uma importante diferença entre as prioridades de cada um.

Itens que chamam a atenção dos profissionais empregados ao avaliar uma proposta de emprego:

01 – Aderência com a proposta de remuneração (68%)
02 – Aderência com o desafio proposto (41%)
03 – Aderência do cargo com a minha experiência prévia (39%)
04 – Aderência à cultura da empresa (37%)
05 – Nível de benefícios não monetários (25%)
06 – Aderência do cargo com minha formação acadêmica (22%)
07 – Distância geográfica (19%)
08 – Aderência com o nível hierárquico proposto (18%)
09 – Conhecer pessoas que trabalham na empresa (10%)
10 – Identificação com potencial gestor direto/indicação por pessoas relevantes no mercado ou na academia (9%)

Itens que chamam a atenção dos profissionais desempregados ao avaliar uma proposta de emprego:

01 – Aderência ao cargo com a minha experiência prévia (52%)
02 – Aderência à cultura da empresa (50%)
03 – Aderência com o desafio proposto (48%)
04 – Aderência com a proposta de remuneração (43%)
05 – Aderência do cargo com minha formação acadêmica (24%)
06 – Nível de benefícios não monetários (16%)
07 – Distância geográfica (16%)
08 – Aderência ao nível hierárquico proposto (15%)
09 – Identificação com potencial gestor direto (13%)
10 – Indicação por pessoas relevantes no mercado ou na academia (9%)

Faixa etária – Ser apontada como o fator mais relevante pelos profissionais empregados mais ativos no mercado, de todas as idades ao avaliar uma proposta de trabalho, é possível observar diferenças nos demais critérios.

Para os maiores de 46 anos, a aderência com a experiência prévia ganha destaque como segundo item a ser considerado, seguida por desafio proposto e fit cultural. Nas faixas etárias entre 25-35 anos e 36-45 anos, os destaques são aderência com o desafio proposto, fit cultural e aderência do cargo com a experiência prévia.

Entre os profissionais desempregados, o estudo mostra que, com o passar da idade, a experiência prévia, aderência à cultura organizacional e desafio proposto ganham peso na tomada de decisão. Já a formação acadêmica e indicação são aspectos que perdem importância com o tempo. Um outro exemplo é que, enquanto profissionais nas faixas de 25-35 anos e maiores que 46 anos consideram a experiência prévia como principal destaque ao receber propostas, profissionais na faixa de 36-45 anos valorizam mais a proposta de remuneração. Outros destaques por faixa etária:

01 – Profissionais desempregados, com idade entre 36 e 45 anos, priorizam a remuneração ao receber a proposta
02 – Entre os desempregados, profissionais com mais de 46 anos são os que mais valorizam o fit cultural; enquanto entre os empregados, profissionais com idade entre 25 e 35 anos são os que mais priorizam esse quesito
03 – Profissionais mais seniores tendem a ser os que mais valorizam propostas que estejam de acordo com sua experiência prévia
04 – Profissionais mais jovens, principalmente os em busca de recolocação, são os que mais priorizam oportunidades alinhadas à sua formação acadêmica
05 – Distância geográfica (localização da empresa) é mais considerada por aqueles entre 36 e 45 anos.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!