COTAÇÃO DE 20/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8730

VENDA: R$4,8740

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,9500

VENDA: R$5,0570

EURO

COMPRA: R$5,1492

VENDA: R$5,1504

OURO NY

U$1.846,53

OURO BM&F (g)

R$288,58 (g)

BOVESPA

+1,39

POUPANÇA

0,6441%

OFERECIMENTO

Opinião Opinião-destaque

A discórdia usa máscara

COMPARTILHE

Crédito: Freepik

Alexandre Gossn*

Segundo o filósofo francês Jean-François Lyotard em sua magistral e sintética obra A Condição Pós-Moderna, publicada em 1979, umas das marcas do fim da modernidade e início da era pós-moderna que adentramos é a guerra das narrativas, a morte da ciência como bússola da verdade e a adoção de modelos científicos que buscam o apenas o desempenho em vez de respostas às questões cruciais ao cosmos.

PUBLICIDADE




Assim, sai o cientista como Newton, que buscava a equação para a beleza do universo, e entra o bilionário como Steve Jobs, que pretendia oferecer um smartphone com belo layout e superveloz.

Foram, portanto, com essas conclusões, muito bem delineadas e certamente decorrentes de uma mente afiada, que conseguiu antever com brevidade o que as décadas seguintes proporcionariam em termos de debates, que o filósofo francês abriu e fechou seu livro. Passados 41 anos, observamos que as premissas de Jean-François se concretizaram até a enésima potência.

Expressivo número de parlamentares republicanos e seus seguidores nos EUA erigiram meses atrás uma cruzada contra as máscaras durante a pandemia do coronavírus. No Brasil, também tivemos nossos destaques: nosso presidente não é um grande fã dela e um proeminente desembargador (juiz de segunda instância) vociferou vitupérios contra um guarda municipal na cidade de Santos (litoral de São Paulo), quando este instou-a utilizar a máscara em um passeio. A cena foi filmada, viralizou, gerou memes. Mas pasmem: há quem tenha ficado ao lado do desembargador, afinal, como fica a liberdade dele (contaminar outrem?)?

E agora foi a vez da Alemanha. A maior potência cultural, econômica e tecnológica do velho continente, governada por uma líder cientista e moderada como Angela Merkel, a nação tedesca não escapou às ações dos polemistas: no último final de semana, imensas passeatas bailaram pelos espaços públicos com grande pauta de protestos, entre elas, a obrigatoriedade de uso de máscaras em espaço público, o que, segundo os manifestantes, violaria a liberdade individual do cidadão.

PUBLICIDADE




Não parece relevante debater a eficiência ou ineficiência das máscaras segundo tecidos, tecnologias, modelos ou ocasiões. No meio de uma pandemia que contaminou mais de 25 milhões de pessoas e ceifou a vida de quase um milhão de pessoas – o dobro, por exemplo, de genocídios como de Ruanda e dez vezes mais que a guerra da Bósnia -, se negar a usar máscaras em espaços públicos não nos torna paladinos da liberdade, mas sim, aquele sujeito porco que utiliza o banheiro público e não puxa a descarga.

*Advogado, mestre em Direito Ambiental, pós-graduado em Direito Imobiliário, pós-graduando em Ética e Filosofia e escritor

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!