COTAÇÃO DE 07/12/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6180

VENDA: R$5,6180

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6500

VENDA: R$5,7830

EURO

COMPRA: R$6,3427

VENDA: R$6,3451

OURO NY

U$1.784,35

OURO BM&F (g)

R$323,23 (g)

BOVESPA

+0,65

POUPANÇA

0,5154%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião
Crédito: Marcos Santos/USP Imagens

As dificuldades que o País enfrenta, face à virtual impossibilidade de ajustar e reequilibrar suas contas, são consequências das distorções abrigadas na Constituição de 1988, chamada “cidadã”, mas na realidade instrumento de garantia de privilégios diante dos quais, pura e simplesmente, o Estado perdeu suas condições de sustentação. São constatações de um empresário mineiro, para quem enfrentar a realidade demanda, em primeiro lugar, conhecê-la. E ele começa apontando que os gastos com o sistema de previdência já somam R$ 730 bilhões/ano, enquanto à área de saúde são destinados R$ 130 bilhões e à educação outros R$ 120 bilhões. Estes números, mais que refletir o desequilíbrio, nos ajudam a compreender que tal situação não tem como ser sustentada, num país em que falta tudo para a maioria.

Este ano, frustradas, por enquanto, as melhores expectativas, o que se constata é que o Brasil de hoje é muito mais pobre que o Brasil de 1990, as unidades federativas estão falidas e imobilizadas e em Minas, numa situação que não é singular, os gastos com funcionários inativos já superam despesas com o contingente ativo. É preciso ter em conta também que as despesas com aposentadorias e pensões alcançam apenas 9% da população, melhor evidência de que a receita do Estado brasileiro foi literalmente sequestrada. Falta apontar e desmascarar os grupos de interesse, presentes na Constituinte, que criaram esta situação, armadilha que agora tentam evitar que seja desarmada. A paridade, por exemplo, é um dos absurdos a serem denunciados, porque insustentável ao longo do tempo, ao mesmo tempo em que o próprio conceito de direito adquirido não encontra amparo definitivo no mundo real, ficando assim mais próximo da aberração.

PUBLICIDADE

Tudo isso quer dizer também que estamos falando e atuando em torno de interesses próprios, muito particulares, enquanto o interesse público é posto de lado. Gastamos mais do que podíamos, gastamos pessimamente, e as consequências estão aí. Estamos fazendo déficit não para investir e crescer e sim para sustentar as corporações que assaltaram o Estado, permitindo que o País caminhe rapidamente para um abismo sem saída, questão de no máximo 2 ou 3 anos. Assim a grande pergunta que está por ser feita é na realidade uma escolha fundamental para todos os brasileiros, em especial aquela parcela amplamente majoritária, mas aprisionada pelas castas e corporações.

Feito o diagnóstico, ou desabafo, conclui o empresário, levando a um grupo bastante seleto um alerta que não se pode desconsiderar: “Estamos tratando com dipirona um paciente que está com câncer”.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!