COTAÇÃO DE 22/06/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9650

VENDA: R$4,9660

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,9570

VENDA: R$5,1130

EURO

COMPRA: R$5,9745

VENDA: R$5,9772

OURO NY

U$1.778,62

OURO BM&F (g)

R$286,53 (g)

BOVESPA

-0,38

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque
Jair Bolsonaro fez um discurso recheado com posições caras à sua plataforma eleitoral - Crédito: REUTERS/Carlo Allegri

Numa semana em que boa parte das atenções estiveram concentradas na viagem do presidente Bolsonaro a Nova York e seu discurso na ONU, passaram quase despercebidas notícias vindas da Receita Federal e relativas à arrecadação de impostos e contribuições no mês de agosto. Para surpresa de muitos, foi o melhor resultado desde 1914, somando R$ 119,9 bilhões, valor que representa incremento de 5,67% na comparação com igual período de 2018. No ano, até o mês de agosto, o recolhimento de impostos e contribuições federais passou do trilhão, incremento de 2,39% e o melhor resultado desde 2014.

Essas boas novas que devem ter chegado a Nova York para ajudar a animar o discurso presidencial, por tradição o primeiro na abertura da Assembleia da ONU. E causando alguma surpresa por conta de inevitável comparação. A arrecadação cresceu no mês de agosto bem mais que a produção medida pelo Produto Interno Bruto (PIB), que vai pouco além de 1%, com expectativa de que possa reagir no quarto trimestre do ano. De pronto, é preciso saber se a diferença deve ser debitada a boas práticas da Receita ou, nesse caso acendida a luz vermelha, à elevação da carga. Da Receita vem a explicação de que foi um resultado atípico, imprevisível, por conta de ajustes no Imposto de Renda das empresas, o que só da Petrobras teria rendido pouco mais de R$ 8 bilhões. De qualquer forma, conforta saber que os resultados anualizados são também positivos.

PUBLICIDADE

Tudo isso, completaríamos, para reforçar o fato de que mudanças no sistema tributário, primeiro na direção da simplificação, podem ao mesmo tempo ajudar na sua eficiência e poupar aos contribuintes um trabalho extra que tem como sinônimo custos que podem ser reduzidos, antecipando um futuro melhor em que a própria carga tributária possa retomar padrões mais civilizados, sendo instrumento de alavancagem e não mais de estrangulamento da economia. Tema presente ainda ontem neste espaço e nesta página, deixando claro que decisões do Congresso Nacional a respeito precisam ser agilizadas, num esforço ágil para que as diversas propostas convirjam para um entendimento comum, tendo como objetivo fazer o melhor para a maioria.

Para concluir, é preciso assinalar também que os dados da Receita Federal têm que ser também percebidos como sinais positivos, reforçando a ideia de que, mesmo que sem a velocidade e volume necessários, a economia brasileira começa a reagir, o que está confirmado nos índices de confiança revelados por pesquisas também divulgadas na semana que termina.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!