COTAÇÃO DE 24/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3430

VENDA: R$5,3440

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3800

VENDA: R$5,5030

EURO

COMPRA: R$6,2581

VENDA: R$6,2594

OURO NY

U$1.750,87

OURO BM&F (g)

R$301,00 (g)

BOVESPA

-0,69

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião

EDITORIAL | Faltava o casuísmo

COMPARTILHE

Prédio do Congresso Nacional em Brasília
Prédio do Congresso Nacional em Brasília. Crédito: REUTERS/Paulo Whitaker

Diante das proporções dos problemas que o País enfrenta, até que demorou e, uma vez mais, as questões reais são deixadas de lado em favor do casuísmo, do jeitinho na sua pior acepção. Estamos falando da proposta e discussão da criação do semipresidencialismo, a ser inaugurado já a partir das eleições do próximo ano e entendido como fórmula capaz de remendar a estropiada política pátria. Algo como mais um passe de mágica capaz de devolver o bom convívio às mais de três dezenas de partidos políticos que, nos moldes como operam, são importantes fiadores da ingovernabilidade.

Como em outras ocasiões na vida política nacional, tem gente acreditando que é possível fazer mágica, tal como aconteceu com o parlamentarismo inventado para dar posse ao presidente João Goulart, adiando o golpe. No caso presente, apontam conhecedores dos subterrâneos de Brasília, o objetivo seria evitar o impeachment de Bolsonaro, as possibilidades de retorno de Lula e, por fim, aventuras golpistas calçadas na órbita militar. Se a ideia prosperar, hipótese que parece improvável, não seria de todo descabido qualificá-la como um até certo ponto inesperado golpe parlamentar. Nessas discussões, que ainda não ganharam intensidade, cabe ressaltar, já foi mencionada também a eventualidade de que mudanças nessa direção fiquem para 2026, o que faria mais sentido e, sobretudo, não violaria regras já estabelecidas.

PUBLICIDADE

Em qualquer hipótese, estamos falando de remendos e improvisações que se repetem, que muito de perto ajudam a explicar o que se passa no País, enquanto muito convenientemente para as raposas que tomam conta do galinheiro, ficam de lado as discussões sobre a reforma política, com um capítulo destacado para a reforma partidária. O gosto por este modelo, aliás, encontra elementar explicação no presente momento, quando são fixados os valores destinados à campanha eleitoral do próximo ano e sua destinação. Houvesse um pouco mais de seriedade, houvesse empenho real em buscar o caminho das soluções duradouras, e o assunto só poderia ser abordado num contexto bem mais amplo, exatamente o da reforma política, atrasada desde a redemocratização, que acabou cimentada por conta de arranjos e acertos um tanto precários, se não duvidosos.

Se os resultados são visíveis e, para a maioria, indesejados, se os sonhos e bons propósitos dos anos 70 e 80 do século passado prosseguem fora de alcance, sobram razões para concluir que chega de dar jeitinhos, fazendo da acomodação a tática de aprisionar o tempo que nos separa do futuro.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!