COTAÇÃO DE 20/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8730

VENDA: R$4,8740

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,9500

VENDA: R$5,0570

EURO

COMPRA: R$5,1492

VENDA: R$5,1504

OURO NY

U$1.846,53

OURO BM&F (g)

R$288,58 (g)

BOVESPA

+1,39

POUPANÇA

0,6441%

OFERECIMENTO

livre Opinião

EDITORIAL | Juros: lenda ou realidade

COMPARTILHE

Juros: lenda ou realidade
Crédito: Pxhere

No mundo oficial, em Brasília, anuncia-se que as taxas de juros praticadas no País são, historicamente, as mais baixas já registradas, o que seria consequência de mudanças na política monetária e consequente redução da taxa básica de juros, que em tese regula as taxas do mercado e no ano passado caiu de 6,5% para 4,5%, seguindo orientação do Banco Central. Também no ano passado, e ainda segundo os relatórios oficiais, o volume de crédito em circulação chegou aos R$ 6,5 trilhões, indicando aumento de 6,5% em relação ao ano anterior.

Apesar das mudanças de diretrizes, tendo em conta em primeiro lugar a estabilidade monetária e o ainda fraco processo de recuperação da economia, sem pressões de demanda, quem tomou crédito no ano passado o fez por necessidade extrema e sem motivos para repetir as comemorações a nível de governo. E não estamos falando de quem recorreu ao cheque especial ou ao cartão de crédito, estes suportando taxas – hoje em torno dos 300% ao ano – que vão muito além dos limites do absurdo, mais próximas que estão da agiotagem legalizada. Conforme seu relatório anual, o Banco Central assume que o sistema bancário, aí incluídos os bancos oficiais, altamente cartelizados, aumentou o spread de 17% em dezembro de 2018 para 18,4% um ano mais tarde.

PUBLICIDADE




Mais uma vez o argumento utilizado para justificar a discrepância foi o risco de eventuais calotes, tanto de pessoas físicas quanto jurídicas, muito embora os dados relativos ao ano de 2019 indicam que a inadimplência permaneceu estável, na média de 2,9% no período. Tem sido assim e faz muito tempo, o que se impõe ao País juros que há décadas figuram entre os mais elevados de todo o mundo, reserva aos bancos que operam no País, e também mundialmente, os mais elevados ganhos. Um deles, estrangeiro e com operações globais, divulgou, não faz muito tempo, que suas operações no Brasil correspondiam a 30% do movimento global, mas respondiam pela maior parcela de seus ganhos.

Para além do sacrifício imposto, e que evidentemente não ficam restritos aos tomadores, na verdade contaminam toda a economia, ajudando a explicar do desemprego ao baixo nível de investimentos, a situação que, ensinam os manuais de Economia, pode representar um bom remédio se utilizado por curtos espaços de tempo, em casos como o brasileiro há muito se transformaram em veneno, numa escala em que o maior devedor – o próprio governo – acaba sendo a maior vitima.

Causa espanto que continuem sendo assim, com a lógica, o bom senso e o próprio discurso oficial confrontados, e nada seja feito, com o próprio Banco Central tratando o assunto como se fosse algo absolutamente natural.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!