COTAÇÃO DE 16 A 18/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4540

VENDA: R$5,4540

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,4700

VENDA: R$5,6130

EURO

COMPRA: R$6,3181

VENDA: R$6,3210

OURO NY

U$1.767,23

OURO BM&F (g)

R$309,68 (g)

BOVESPA

+1,29

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque

EDITORIAL | Na Europa, tiro certeiro

COMPARTILHE

Crédito: Freepik

Legislativo e Judiciário se ocupam do assunto, prometem que irão às últimas consequências, mas, forçoso reconhecer, são lentos na visão de quem tem em conta a gravidade do assunto, por isso mesmo uma das fontes de atritos com o Executivo.

Estamos falando das fake news e mais amplamente da utilização das redes sociais para replicá-las com objetivos impertinentes, fenômeno que nos alcança e é também objeto de preocupação mundo afora.

PUBLICIDADE

Como já foi dito em mais de uma ocasião, a tecnologia, que tem um tremendo potencial agregador e de difusão da cultura, foi apropriada para cumprir função oposta, apartando e não aproximando, fazendo da mentira ferramenta política largamente utilizada, a um ponto em que não será exagerada a afirmação de que já compromete o processo eleitoral e, consequentemente, a própria democracia, transformando cidadãos – eleitores – nas maiores vítimas dos robôs, comprovadamente utilizados para distorcer a realidade em proveito de grupos que permanecem nas trevas.

Em última análise este é o escopo das investigações ordenadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e dos trabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito em andamento.

Não será também exagerado afirmar que as próprias reações a este trabalho, mesmo que supostamente induzidas e tendo como óbvio pano de fundo tentativas de desacreditar tanto o Supremo quanto o Congresso são o melhor indicativo de sua relevância e oportunidade.

E disso nos fala a vice-presidente de Valores e Transparência da Comissão Europeia, que, ao destacar as preocupações no Velho Continente com o assunto, afirmou estar demonstrado que a desinformação não prejudica apenas a saúde de nossas democracias, mas a de nossos cidadãos, numa referência à disseminação de informações falsas sobre a pandemia.

A Comissão Europeia, depois de referências explícitas a tentativas de agentes estrangeiros não nominados de “influenciar a Europa”, antecipou que o próximo alvo serão campanhas de vacinação, lembrando que na Alemanha a disposição de cidadãos locais de serem vacinados caiu 20%, fato atribuído justamente à divulgação de informações inverídicas.

Tudo isso levou os europeus a pressionarem as plataformas eletrônicas, exigindo-lhes um tratamento mais responsável da questão, sem se escudarem na falsa defesa da liberdade de expressão. E assim será, por enquanto na Europa pelo menos, como resultado de acordos com o Facebook, Google, Twitter e Mozilla.

A rigor, não existe outra fórmula eficaz, razão porque é de todo aconselhável que o que se passa na Europa seja o parâmetro para uma atitude nova, mais rigorosa e mais responsável, na defesa de valores que não podem ser postos a perder.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!