COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião
Crédito: Adão de Souza/Portal PBH

Antônio Claret de Oliveira Júnior *

Respirar fundo é uma verdadeira tortura para quem circula nos arredores da Lagoa da Pampulha, ponto turístico que deveria ser opção de lazer ao ar livre para turistas e belo-horizontinos. Além disso, não adianta prender a respiração para apreciar a paisagem, pois as águas esverdeadas e repletas de manchas escuras estão infestadas de metano, gás do efeito estufa, gerado pela decomposição da matéria orgânica e que é expelido diariamente pela lagoa. A poluição no local é um problema que assola os cidadãos da Capital há mais de 30 anos, e em 2016 quase impediu o conjunto arquitetônico de se tornar Patrimônio Cultural da Humanidade.

PUBLICIDADE

Ao longo dos anos, o que não faltaram foram promessas. Mas, apesar de a prefeitura já ter investido milhões em ações de recuperação, o problema persiste e as cobranças se renovam. Diante do questionamento mais recente, durante a reinauguração da Igreja de São Francisco de Assis, o prefeito Alexandre Kalil culpou a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) e o Iate Tênis Clube pelas más condições da lagoa.

O Centro de Lazer de fato possui um anexo irregular na região, mas sua relação com a poluição das águas é mínima. A Copasa, por sua vez, realiza movimentação positiva na busca pela solução do problema. A empresa concluiu em 2017 a implantação de 13 km de redes coletoras e interceptoras na região, oferecendo serviço de esgotamento sanitário a aproximadamente 10 mil imóveis.

O fato é que as águas continuam extremamente contaminadas, segundo os parâmetros do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama). Então, de quem é a culpa?

A resposta está no esgoto despejado clandestinamente na lagoa por pessoas que, apesar de terem acesso à rede da Copasa, optam por não utilizá-la. Segundo a empresa, são cerca de 10 mil imóveis nessa situação, incluindo moradores de bairros de Belo Horizonte e Contagem, situados no entorno. Essas pessoas estão agredindo diariamente o meio ambiente.

A motivação por trás dessa atitude é mera conveniência econômica. As ações de conscientização existem, mas surtem pouco efeito entre os poluidores clandestinos, para o quais a degradação ambiental e a redução da qualidade de vida da comunidade são insignificantes diante da oportunidade de poupar alguns “trocados” no final do mês. Há, ainda, para imóveis cadastrados no CAD Único, a possibilidade de acesso aos serviços de esgotamento sanitário da Copasa por meio de uma tarifa social, que reforça a ausência de conscientização ambiental por parte desses moradores.

Em Belo Horizonte, além de antiética, a atitude é considerada ilegal. O art. 83 da Lei Municipal 7031/1996 obriga a utilização da rede de esgoto pelas pessoas que têm acesso a ela. Cabe ao poder público intensificar a fiscalização e autuar quem estiver em situação irregular. No caso de Contagem, que abriga praticamente metade da bacia em seu território, a solução parece ainda mais distante. O município, que segundo a Copasa é responsável por 44,66% do esgoto despejado na lagoa, ainda não conta com uma lei específica sobre o tema.

Essa sem dúvida é uma ação de extrema importância para a recuperação da lagoa e manutenção do título de Patrimônio Cultural. É emergencial que Contagem tenha uma lei que obrigue a todos que tenham acesso aos serviços públicos de abastecimento de água e coleta de esgoto, a se conectem a eles. Além disso, é imprescindível que seja feita uma fiscalização efetiva quanto ao cumprimento dessas normatizações, tanto na capital mineira, quanto na cidade vizinha. Mas, é essencial a conscientização da população. De nada adiantarão obras e investimentos milionários se essas e outras medidas nesse sentido não forem seguidas.

*Diretor da Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário  (Arsae-MG)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!