COTAÇÃO DE 02-12-2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6600

VENDA: R$5,6600

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8130

EURO

COMPRA: R$6,3753

VENDA: R$6,3783

OURO NY

U$1.768,55

OURO BM&F (g)

R$319,92 (g)

BOVESPA

0,4902

POUPANÇA

+3,66%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Opinião Opinião-destaque
pix
Crédito: Reprodução

Ricardo Granados*

O avanço da tecnologia no setor financeiro do Brasil é impressionante. Em pouco mais de vinte anos, saímos de um patamar que via o chip em cartão de crédito como uma inovação sem precedentes e chegamos a discussões sobre o uso de pagamentos invisíveis e seu crescimento num país que tem mais smartphones do que pessoas.

PUBLICIDADE

Se as mudanças pareceram aceleradas para os cidadãos, elas tiveram a velocidade da luz para as empresas que atuam nesse segmento. Um mercado tradicionalmente estável e dominado por corporações gigantes se viu tendo que dividir parte de seus negócios com empresas recém-criadas, totalmente orientadas à tecnologia e à excelência. Em números, as fintechs foram responsáveis por 35,6% de todo o capital investido por fundos de venture capital em startups brasileiras no ano passado – o que significa, em termos práticos, US$ 910 milhões, de acordo com estimativas do Distrito.

Com um novo modus operandi de trabalho, o setor também assistiu de perto a criação de novas leis e normas, criadas para garantir a segurança dos usuários e, de certa forma, amparar em termos legais a disrupção. O Open Banking foi um exemplo disso, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) tem parte de seu conteúdo atrelado a isso e, agora, a regulamentação do PIX completa esse cenário. Mas afinal, do que se trata? E o que vem pela frente, a partir dele?

Em termos gerais, o PIX é um formato de transferência instantânea que deve eliminar por completo os conhecidos “DOC” e “TED”. Disponível sete dias por semana, sem tarifas entre instituições financeiras e eliminando a burocracia existente no processo de transferência de fundos – número da agência, do banco, CPF, entre outros – o novo formato deve ganhar rápida adesão e diversificar ainda mais a indústria financeira no país. As consequências são positivas em vários níveis: oportunidade de inclusão financeira para a população não bancarizada, maior competitividade da indústria e eficiência dos serviços no país.

Muito mais do que uma fonte de receita para o mercado financeiro, esse recurso facilita as transações peer-to-peer, tornando-se um importante e econômico meio para alavancar e reter clientes. Ou seja,  realizar transferências em tempo real, sem dinheiro físico, pode se tornar um diferencial importante para que companhias aumentem de forma significativa o volume de compras realizadas por cliente – uma situação bastante atrativa considerando o atual cenário de pandemia e a necessidade do varejo físico se readaptar aos novos hábitos de consumidores que pretendem adquirir o que precisam cada vez mais rápido.

Olhando um horizonte mais amplo, o PIX pode possibilitar o surgimento e a popularização de outras soluções digitais de pagamento, acirrando cada vez mais a disputa entre companhias de tecnologia, grandes bancos e fintechs. O atual parque de smartphones no Brasil (cerca de 225 milhões de aparelhos) é um grande atrativo para o crescimento delas e de outras que deem ao cliente a melhor experiência de uso, como as wallets, por exemplo.

É claro que a popularização dessas tecnologias não vem sem desafios. Fatores como o forte investimento em infraestrutura/conectividade/aceitação (hoje presente somente nos grandes centros urbanos), reduzir a desconfiança dos usuários e pôr fim à mudança cultural (acelerada na pandemia com a suspeita de contaminação pelo uso de dinheiro físico) são algumas barreiras que empresas do setor devem ter de superar nos próximos anos.

O desafio vale a pena: pesquisas mostram que o dinheiro físico tende a desaparecer completamente do mercado em dez anos. Além dele, outras formas de pagamento devem ter seu volume reduzido ao longo do tempo: os populares boletos devem reduzir sua circulação em breve, pois além de apresentarem custos mais elevados, não fornecem aos usuários a melhor experiência de uso. A aquisição e retenção de clientes estará cada vez mais focada na experiência fornecida pelas empresas.

Pesquisas já apontam que o dinheiro físico deve desaparecer nos próximos dez anos. É necessário estar atento: o avanço da tecnologia no setor financeiro do Brasil corre a passos largos e aproveitar todas as oportunidades que o país oferece é a chave para que tenhamos um setor cada vez mais democrático.

*Head da Minsait Payments no Brasil

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!