COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5720

VENDA: R$5,5730

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5900

VENDA: R$5,7230

EURO

COMPRA: R$6,4654

VENDA: R$6,4683

OURO NY

U$1.793,01

OURO BM&F (g)

R$321,20 (g)

BOVESPA

-2,11

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Política

Pacheco diz levar ao governo federal demandas dos prefeitos de MG

COMPARTILHE

Rodrigo Pacheco | Crédito: Marcos Oliveira/Agência Senado
Rodrigo Pacheco | Crédito: Marcos Oliveira/Agência Senado

BRASÍLIA – O presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (Democratas-MG), comprometeu-se a levar ao governo federal as demandas apresentadas por prefeitos de Minas Gerais durante videoconferência, nesta sexta-feira (23), feita pela Associação Mineira de Municípios (AMM). Uma das principais reivindicações é a intensificação de medidas para o combate à pandemia da Covid-19.

Os gestores municipais cobram a celeridade do cronograma de vacinação, a transferência de recursos para as cidades fortalecerem as ações contra a doença e a melhoria da logística da entrega de medicamentos do chamado “kit intubação”, utilizado em pacientes em leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI).

PUBLICIDADE

O encaminhamento à esfera federal será feito em conjunto com os senadores Antonio Anastasia (PSD-MG) e Carlos Viana (PSD-MG), que participaram da reunião e integram a bancada de senadores mineiros, juntamente com Rodrigo Pacheco.

Em conversa com cerca de 250 gestores municipais, o presidente do Senado ponderou que o momento é pela busca de soluções para a crise sanitária. Uma delas foi a junção de representantes de todos os Poderes para a criação do Comitê de Coordenação Nacional para Enfrentamento da Pandemia da Covid-19, uma ideia apresentada por ele logo que assumiu o comando do Senado, em fevereiro deste ano.

Por meio desse grupo, coordenado pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), foi feito um cronograma de estimativa de oferta de vacinas para o Brasil, da ordem de 520 milhões de doses, ainda neste ano, o que seria suficiente para imunizar toda a população.

“Nós temos hoje uma realidade de expectativa de sair dessa crise. E essa expectativa que se revela na vacinação das pessoas, é o que desperta a esperança e a confiança do povo brasileiro, dos gestores públicos, de que tenhamos a solução dessa grave crise da pandemia. Eu percebo no novo ministro da Saúde (Marcelo Queiroga) um propósito de solucionar essas habilitações de leitos de UTI, assim como solucionar o problema de oxigênio e de insumos. Então, me parece que nós temos hoje uma engrenagem propícia de alinhamento do Ministério da Saúde com o Congresso Nacional, com os Estados e com os municípios para sairmos o quanto antes dessa crise”, afirmou Pacheco.

O presidente da AMM, Julvan Lacerda (MDB), apresentou outros pleitos importantes das cidades mineiras, que passam pela paralisação do fechamento de agências do Banco do Brasil nos municípios e que os prefeitos não sejam penalizados por não conseguirem, durante esse período de crise sanitária, aplicar o percentual mínimo constitucional de 25% das receitas na Educação.

Diante das solicitações, Pacheco sugeriu que ele, Anastasia e Viana se reúnam, na próxima semana, e formalizem um único ofício convidando as autoridades responsáveis por tratar dessas exigências para um encontro presencial e, que assim, sejam apresentadas soluções efetivas para os problemas.

Pautas

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, também lembrou aos prefeitos que, simultaneamente ao enfrentamento à Covid-19, outras importantes demandas de Minas Gerais, especialmente no âmbito da infraestrutura, não devem ser esquecidas. Entre elas, estão a duplicação da BR-381, a conclusão de obras na Barragem de Jequitaí, no Norte de Minas, da qual o senador mineiro já assegurou o repasse de R$ 100 milhões, e ações para evitar a diminuição do nível da água da Represa de Furnas, nas regiões Sul e Sudoeste.

“Temos atuado muito sistematicamente junto ao Ministério da Saúde para minimizarmos os impactos da pandemia para os municípios de Minas, mas há outras reivindicações que são do municipalismo e nos cabe, como senadores da República, fazer essa representação e sermos a voz disso porque, de fato, defender os 853 de Minas significa, nada mais nada menos que defender o Estado”, ressaltou.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!