COTAÇÃO DE 24/05/2022

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,8120

VENDA: R$4,8120

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$4,8900

VENDA: R$4,9960

EURO

COMPRA: R$5,1664

VENDA: R$5,1690

OURO NY

U$1.866,41

OURO BM&F (g)

R$289,06 (g)

BOVESPA

+0,21

POUPANÇA

0,6667%

OFERECIMENTO

Agronegócio

Chuvas causam perdas a 119 mil hectares no Estado

COMPARTILHE

Safra verão do milho foi a que registrou a maior área perdida: foram 37,5 mil hectares | Crédito: Karine Viana / Palacio Piratini
Safra verão do milho foi a que registrou a maior área perdida: foram 37,5 mil hectares | Crédito: Karine Viana / Palacio Piratini

A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG) atualizou o levantamento sobre as perdas no setor agropecuário do Estado causadas pelas chuvas nos meses de dezembro e janeiro. O novo balanço mostra que 119 mil hectares de lavouras foram perdidos. A maior parte do prejuízo foi na produção de grãos (74,5 mil hectares) e hortaliças (3,4 mil hectares).

Segundo a Emater-MG, 127 mil produtores sofreram algum tipo de impacto na atividade por causa das chuvas. O levantamento também indicou que 416 municípios relataram perdas no campo durante o período chuvoso, o que corresponde a 48,7% do total do Estado.

PUBLICIDADE




A cultura do milho (safra verão) foi a que registrou a maior área perdida. Foram 37,5 mil hectares, o equivalente a 4% de toda a área cultivada no Estado, estimada em 851,5 mil hectares. Já a cultura do feijão 1ª safra sofreu uma perda de 20,5 mil hectares. A área equivale a 15% do total plantado em Minas Gerais, que foi de 133,2 mil hectares.

“O prejuízo só não foi maior porque as principais regiões produtoras de milho e feijão, como o Noroeste, Triângulo Mineiro e Sul de Minas não sofreram tanto com as chuvas. As maiores perdas ficaram concentradas no Norte e na região Central, onde em alguns locais a área comprometida foi superior a 60%”, explica o diretor-presidente da Emater-MG, Otávio Maia.

Hortaliças

Em relação às hortaliças, a chuva causou prejuízos principalmente na produção da Região Metropolitana de Belo Horizonte, além das regiões Norte, Central e Leste de Minas. As culturas com a maior área perdida foram as de alface (416 hectares), tomate (365 hectares) e quiabo (236 hectares).

Segundo informações da Ceasa Minas do entreposto de Contagem, na primeira quinzena de janeiro deste ano, houve no atacado um aumento nos preços das hortaliças de 21,2% e frutas de 4,4% na comparação com o mesmo período de 2021.

PUBLICIDADE




As folhosas tiveram uma alta expressiva de preços, pois a maioria é cultivada em campo aberto e muito suscetível ao período chuvoso. Nesta época, é comum que haja uma redução de oferta dessas hortaliças. Mas o volume de chuva acima do esperado intensificou a dificuldade de produção, além de afetar o transporte em algumas regiões.

“O importante para o consumidor agora é não cair na especulação e pesquisar os preços no mercado varejista, aproveitando as promoções e valores mais competitivos. Além disso, existem alterações de preços que são comuns nesta época, por causa da sazonalidade de alguns produtos”, alerta o presidente da Emater-MG.

Café e leite

A Emater-MG informa que não foram registrados prejuízos significativos nas lavouras de café do Estado. Os principais problemas que poderão refletir na colheita desta safra foram provocados por outras questões climáticas em 2021. “No Sul de Minas e Alto Paranaíba, principalmente, houve geada em julho, além do longo período de estiagem, o que prejudicou a floração”, afirma Otávio Maia.

No caso da produção de leite, o levantamento feito pela Emater-MG em 96 laticínios do Estado, logo após os dias de chuvas mais intensas, mostrou que 9% da captação do produto foi prejudicada por causa da situação das estradas. Mas com a redução das chuvas, a distribuição foi praticamente normalizada nas diferentes regiões produtoras, apenas com algumas situações pontuais de dificuldade de circulação de veículos para transporte do leite, mas que não comprometem a captação total do Estado.

Suporte

A Emater-MG elaborará, gratuitamente, os laudos técnicos para agricultores familiares que precisem comprovar as perdas causadas pelas chuvas. Estas comprovações são essenciais para que os agricultores familiares consigam renegociar suas dívidas ou financiamentos, além de garantir acesso a seguros.

Os profissionais da empresa também vão elaborar projetos técnicos para os produtores que necessitem obter recursos junto aos agentes financeiros para recuperação de estruturas nas propriedades ou dos sistemas produtivos prejudicados pelas chuvas.

Outra ação da Emater-MG de apoio aos produtores rurais será a orientação sobre o recebimento do Garantia-Safra. Ele é um benefício do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), voltado a agricultores familiares da região do Semiárido. O Garantia-Safra é pago aos agricultores inscritos, com renda mensal de até um salário mínimo e meio, com plantio entre 0,6 e 5 hectares, e que tiverem perdas comprovadas por estiagem ou excesso de chuva em lavouras de feijão, milho, arroz, mandioca e algodão. A estimativa é de que cerca de 40 mil agricultores poderão ser beneficiados.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!