COTAÇÃO DE 23 A 25/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,6270

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,8030

EURO

COMPRA: R$5,6730

VENDA: R$5,6750

OURO NY

U$1.792,47

OURO BM&F (g)

R$327,87 (g)

BOVESPA

-1,34

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Exportações do agronegócio de Minas Gerais batem recordes

COMPARTILHE

Com receita de US$ 1,7 bilhão, as vendas externas de café de Minas subiram 16,1% no acumulado do ano | Crédito: REUTERS/Paulo Whitaker

As exportações do agronegócio de Minas Gerais bateram recordes em volume e receita no acumulado de janeiro a maio de 2021. Durante os primeiros cinco meses do ano, a receita gerada com os embarques subiu 16,5%, alcançando US$ 4,12 bilhões, o maior valor exportado da série histórica para o período.

Ao todo, o Estado embarcou 5,15 milhões de toneladas de produtos agrícolas e pecuários, uma alta de 0,7% frente ao mesmo intervalo de 2020. A demanda mundial aquecida por alimentos, a valorização dos produtos no mercado e a desvalorização do real frente ao dólar contribuíram para o resultado positivo no período.  

PUBLICIDADE

De acordo com os dados da Secretaria de Estado da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), entre janeiro e maio, o preço médio da tonelada ficou em US$ 799,93, valor que supera em 15,63% os US$ 691,75 registrados em igual período de 2020.

Segundo a assessora técnica da Seapa, Manoela Teixeira de Oliveira, a alta dos índices está atrelada aos fatores conjunturais do momento.

“A pandemia de Covid-19 vem dando uma dinâmica bem particular ao mercado internacional, com as cadeias de produção e a indústria se organizando, mas ainda sofrendo pressão da demanda aquecida. Isso favorece o aumento dos preços das commodities, principalmente as de alimentos. Além disso, a China apresentou um incremento de 13,4% na demanda pelos produtos mineiros, se compararmos com o ano passado. Outro ponto é a taxa de câmbio, que vem favorecendo os embarques. O avanço da vacina contra a Covid-19 também é importante e vai permitir a recuperação econômica mundial”, explicou.

Entre janeiro e maio, os produtos mineiros foram embarcados para 163 destinos diferentes. O principal parceiro comercial é a China, com participação de 29% nas compras, seguida pelos Estados Unidos, 11%, Alemanha, 10%, Japão, 5%, e Bélgica, com 5%.

O bom desempenho das exportações é importante para que os produtores rurais tenham melhor renda. Apesar do dólar elevado favorecer os embarques, a cotação da moeda norte-americana também afeta os custos de produção, já que grande parte é importada.

“A nossa produção agrícola e pecuária ainda carece de muitos insumos importados, então, com as exportações, os produtores têm a oportunidade de compensar o aumento dos custos. O que é muito importante”, disse Manoela.  

Café e soja

Dentre os destaques das exportações do agronegócio de Minas está o café. A exportação do grão foi responsável pelo faturamento de US$ 1,7 bilhão, valor 15,7% maior que os US$ 1,5 bilhão registrados anteriormente. Com o resultado, somente os embarques do café responderam por 43,39% das exportações do agronegócio mineiro. 

Em relação ao volume, foram embarcadas 772,4 mil toneladas de café, variação positiva de 16,1% frente as 665 mil toneladas registradas nos primeiros cinco meses de 2020.

“Este resultado foi o segundo melhor para o café desde 2011, tanto em receita quanto em volume. O crescimento é devido à safra recorde do ano passado e ao atendimento aos contratos firmados anteriormente”, explicou a assessora técnica da Seapa. 

Alta também nas exportações de soja. A receita com os embarques totalizou US$ 1,15 bilhão, crescimento de 20%. Ao todo foram embarcadas 2,59 milhões de toneladas do complexo soja, volume que ainda está 3,6% menor que o registrado anteriormente.  O preço da tonelada ficou maior, passando de US$ 357,6 para atuais US$ 444,96.

“A demanda pela soja segue alta. A China comprou 74% da soja exportada por Minas. Percebemos aumento na demanda de outros países como do Paquistão, Tailândia, Vietnã e Irã”, disse Manoela.

Carnes

No grupo das carnes, os embarques movimentaram US$ 411 milhões com a venda de 139,9 mil toneladas, o que representou incrementos de 7,8% em receita e de 21% em volume. 

A exportação de carne de frango foi o maior destaque do grupo. Os embarques cresceram 40,6% em receita, que alcançou US$ 96,8 milhões. O volume enviado ao exterior, 63,4 mil toneladas, subiu 63,4%.

As exportações de carne bovina avançaram 0,2% em valor, que ficou em US$ 292,5 milhões. Foram exportadas 65,7 mil toneladas, volume 0,9% menor que o embarcado anteriormente.

A comercialização de carne suína com o mercado vem se recuperando. Foram exportadas 8,5 mil toneladas, queda de 1%. O faturamento aumentou 8,4%, encerrando o período em US$ 17,2 milhões.

Entre janeiro e maio, as exportações do complexo sucroalcooleiro subiram 15,9% em faturamento e 11,7% em volume, gerando uma receita de US$ 300 milhões e embarque de 983,3 mil toneladas.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!