COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Selos brasileiros vão estar disponíveis dia 1º

COMPARTILHE

Foto: Arquivo pessoal/Cézar Ramos Júnior

Os selos brasileiros de Indicações Geográficas (IGs) foram oficialmente criados com a publicação da portaria nº 46, do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi). A partir do dia 1º de novembro, todos os produtores das 88 Indicações Geográficas brasileiras poderão usar o selo em suas embalagens, se beneficiando de uma identidade única.

A criação dos Selos é uma iniciativa liderada pelo Ministério da Economia/Inpi, em parceria com o Sebrae e o Ministério da Agricultura, que irá agregar valor aos produtos das IGs, tornando essas regiões e seus produtos ainda mais conhecidos e valorizados pelo mercado.

PUBLICIDADE

O uso dos Selos Brasileiros de IG será facultativo e gratuito para os mais de 120 mil micro ou pequenos negócios que estão estabelecidos nas regiões reconhecidas e cumprem o Caderno de Especificações Técnicas de produção da IG. Insumos como queijos, vinhos, cafés, cachaças, rendas, frutas, couro e tantos outros que são produzidos em regiões específicas e registrados como IG poderão estampar o Selo.

O uso do Selo Oficial será restrito aos produtores que possuem registros de Denominação de Origem ou de Indicação de Procedência, concedidos pelo Inpi, ou às associações de produtores que solicitaram o registro e realizam ações promocionais para fomentar as vendas e a valorização dos produtos.

Para o presidente do Sebrae, Carlos Melles, a instituição do Selo Brasileiro de IG chega ao mercado para beneficiar clientes e produtores, fortalecendo o movimento de expansão das Indicações Geográficas brasileiras.

“Através dessa identificação única, será mais fácil para os consumidores distinguirem os produtos regionais registrados, incentivando o consumo e a experimentação. O uso do selo único vai gerar nos produtores o sentimento de pertencimento a uma categoria de produtos diferenciados, sem falar do valor agregado que a Indicação Geográfica favorece e impacta diretamente na competitividade das empresas e da região”, afirma.

Segundo Melles, a criação do Selo faz parte dos esforços já realizados pelo Sebrae, em parceria com o Mapa e o Inpi, para impulsionar o número de produtos com Indicações Geográficas reconhecidas no Brasil. “Hoje temos 88 IGs brasileiras, mas sabemos que temos potencial para muito mais. Há muitas regiões no nosso imenso Brasil que merecem esse reconhecimento pela reputação e pela qualidade, pelo cuidado e pela exclusividade dos seus produtos”, comenta.

Melles destaca que além do trabalho de incentivar o reconhecimento de outras regiões, há iniciativas para fortalecimento das IGs registradas, ampliação do acesso a mercados, inclusive inserção nas exportações.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!