COTAÇÃO DE 19/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5930

VENDA: R$5,5940

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6270

VENDA: R$5,7770

EURO

COMPRA: R$6,4569

VENDA: R$6,4588

OURO NY

U$1.768,97

OURO BM&F (g)

R$315,96 (g)

BOVESPA

-3,28

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Transgênicos: entidades se opõem à importação

COMPARTILHE

Abitrigo estima que as importações do cereal podem ficar em aproximadamente 5 milhões de toneladas | Crédito: REUTERS/Pascal Rossignol

São Paulo – Entidades que representam os moinhos e a indústria brasileira de panificação e massas afirmaram ontem que não pretendem comprar trigo transgênico da Argentina, caso a importação seja aprovada pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio).

A pauta está em análise pelo órgão ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil, após solicitação da companhia Bioceres com sede na Argentina , e pode ter um parecer apresentado em outubro.

PUBLICIDADE

“A preocupação da indústria é a questão dos consumidores, como vão reagir a uma eventual importação de trigo e de farinha vindos de origem transgênica”, disse a jornalistas o presidente-executivo da Abitrigo, Rubens Barbosa, em videoconferência.

Segundo ele, a Argentina é fornecedora de cerca de 85% das importações brasileiras de trigo, considerando que o Brasil importa 60% do que consome, e a notícia de que o país vizinho já está plantando o cereal modificado ligou uma luz de alerta para o mercado brasileiro.

O trigo desenvolvido pela Bioceres, resistente à seca e ao herbicida glufosinato, está sendo semeado em uma área de 55 mil hectares, conforme informações da empresa.

“Esperamos que isso não ocorra”, disse Barbosa sobre a aprovação da CTNBio, citando que o Brasil seria o primeiro lugar do mundo a autorizar o consumo de produtos com o trigo modificado.

De acordo com as entidades da indústria, o processo conduzido pela CTNBio é restrito a elementos técnicos e não são considerados aspectos mercadológicos e sociais, como o posicionamento de consumidores brasileiros, importadores de produtos do Brasil à base de trigo, comunidade científica internacional e mercado mundial.

Barbosa também reafirmou que a Abitrigo está preparada para contestar uma eventual aprovação da CTNBio e, neste caso, deve solicitar junto a outros membros do setor que o tema seja analisado pelo Conselho Nacional de Biossegurança, composto por ministros, para que o governo se pronuncie sobre a conveniência da medida.

Procurado, o Ministério da Ciência não respondeu de imediato a um pedido de comentários.

O presidente da Abitrigo ainda acrescentou que os moinhos podem buscar o cereal em outros fornecedores, como alternativa ao produto argentino, destacando Uruguai e Paraguai em quantidades menores, e em maiores volumes nos EUA, Rússia e Canadá.

A Associação Brasileira das Indústrias de Biscoitos (Abimapi) e a Associação Brasileira da Indústria de Panificação e Confeitaria (Abip) também se declararam contrárias à importação do transgênico.

“O importante nesse momento é evitar a transgenia, isso pode trazer sérios problemas para o mercado interno e exportações”, disse o presidente-executivo da Abimapi, Claudio Zanão.

“O setor de panificação não comprará trigo da Argentina, nós vamos radicalizar, vamos procurar outros mercados”, enfatizou o presidente da Abip, Paulo Menegueli.

Aprovação – O governo da Argentina aprovou a comercialização da variedade transgênica de trigo HB4 da Bioceres, embora tenha destacado que o produto só poderá ser negociado depois de autorizada a importação pelo Brasil, conforme publicação no Diário Oficial argentino em outubro do ano passado.

Enquanto a questão não é definida, o presidente da Abitrigo estima que as importações do cereal poderão ficar ao redor de 5 milhões de toneladas neste ano, com base em uma safra nacional perto de 8 milhões de toneladas, citando a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Dados da estatal indicam que a safra brasileira pode, inclusive, superar está marca em 2021, com produção de 8,156 milhões de toneladas, um salto de 30,8% ante o ciclo anterior. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!