COTAÇÃO DE 26/10/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5720

VENDA: R$5,5730

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5900

VENDA: R$5,7230

EURO

COMPRA: R$6,4654

VENDA: R$6,4683

OURO NY

U$1.793,01

OURO BM&F (g)

R$321,20 (g)

BOVESPA

-2,11

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

ANP agenda leilão do pré-sal para novembro

COMPARTILHE

Rio – A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) publicou ontem o pré-edital de um megaleilão do pré-sal, que ofertará áreas de petróleo do excedente da cessão onerosa, na Bacia de Santos, e anunciou mudança na data do certame para 6 de novembro, ante 28 de outubro anteriormente.

O pré-edital, que contém anexas as minutas dos contratos, ficará em consulta pública até 3 de julho e, em 5 de julho, será realizada, no Rio de Janeiro, a audiência pública.

PUBLICIDADE

A rodada, que ocorrerá sob regime de partilha de produção, ofertará as áreas de desenvolvimento de Atapu, Búzios, Itapu e Sépia, com área total de 1.385 quilômetros quadrados. A assinatura dos contratos de partilha de produção resultantes da rodada está prevista para ocorrer até março de 2020.

Nas rodadas no regime de partilha, os bônus de assinatura são fixos e as empresas ou consórcios vencedores são os que oferecem maior percentual de excedente em óleo à União, a partir do mínimo definido em edital.

Nesta rodada, os bônus de assinatura fixos somam R$ 106,561 bilhões e os percentuais mínimos de excedente em óleo das áreas variam entre 19,82% e 27,65%.

As áreas a serem ofertadas contêm volumes já descobertos de petróleo pela Petrobras, que atualmente é a única operadora das áreas.

A empresa obteve em 2010 o direito de explorar até 5 bilhões de barris de óleo equivalente em determinada região do pré-sal. Mas foram descobertos volumes muito superiores, que o governo vai leiloar.

As empresas vencedoras do leilão terão que acertar com a Petrobras como os recursos serão explorados.

Dentre as mudanças em relação aos editais anteriores de rodadas do pré-sal, a ANP ressaltou que o documento prevê a coexistência entre dois contratos de exploração e produção em uma mesma área, uma vez que os blocos em oferta contêm reservatórios coincidentes aos que estão sob o regime de cessão onerosa.

Está prevista ainda a celebração de um acordo de coparticipação, para desenvolvimento e produção unificados de cada uma das áreas ofertadas, denominadas áreas coparticipadas. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!